Tensões entre o popular e o erudito: a obra teatral-musical Fulaninho em observações sociocuturais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101432022e0211

Palavras-chave:

Teatro, Teatro musical, Música, Educação musical, Imaginários sociodiscursivos

Resumo

Fruto de estudos e experimentos artísticos dialogados com o curso de Artes Cênicas da Universidade Federal da Grande Dourados, a presente reflexão aborda questões socioculturais na problematização de imaginários sociodiscursivos que cercam o universo híbrido teatral-musical. Por meio do teatro popular musical Fulaninho, que estreou no Teatro Municipal de Dourados em 2018, são observadas inquietações que perpassam tensões entre a cultura popular e a cultura erudita e que podem agir como fomento na propagação de estereótipos. Os tópicos do artigo passam pelo reconhecimento desses tensionamentos, pelo diálogo com a obra Fulaninho e culminam em reverberações no âmbito acadêmico com propostas de discussão em espaços de ensino e pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Machado Chaves, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Pós-doutorando do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas (PPGCEN) – Universidade de Brasília (UnB/2021). Doutor em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC/2016). Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS/2011). Especialista em Encenação Teatral pela Universidade Regional de Blumenau (FURB/2009). Graduado em Música pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel/2006). Professor Adjunto da Universidade Federal da Grande Dourados – Curso de Artes Cênicas, área de Música e Cena.

Referências

BRUSOTTI, Marco. Tensão: um conceito para o grande e para o pequeno. Tradução de Rogério Lopes. Dissertatio, Pelotas, RS, n. 33, p.35-62, 2011.

CARVALHO, Igor. “Bum bum tam tam” é mais complexo que Bach, afirma pesquisador musical. Brasil de fato. 06 fev. 2021. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2021/02/06/bum-bum-tam-tam-e-mais-complexo-que-bach-afirma-pesquisador-musical> Acesso em: 31 maio 2021.

CHAVES, Marcos. De trilhas sonoras teatrais a preparações musicais para artistas da cena. Rio de Janeiro: Editora Synergia, 2020a.

CHAVES, Marcos (2020b). Fulaninho. Voz E Cena, 1(02), 183-211. Recuperado de <https://periodicos.unb.br/index.php/vozecena/article/view/34315> Acesso em: 12 nov. 2021.

CHAVES, Marcos; CHAMORRO, Graciela. O pulso Guarani e Kaiowá como mediador em estudos musicais. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE PESQUISA EM SONORIDADES, 1., 2019, Universidade Federal de Santa Catarina. Anais (Resumos): Poderes do Som. E-book, 2019, p.117-118.

CHAVES, Marcos “Quando o receio precisa ser combatido: um breve recorte dos atores brasileiros contemporâneos e de suas relações com o aprendizado/interlocução musical”. Quaderni di Pedagogia e Comunicazione Musicale, v. 4. Edizione Università di Macerata: Macerata, Italia, 2017.

FERREIRA, Aurélio. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3ª edição. Curitiba, PR: Positivo, 2004.

GERÔNIMO, Sidiney. Discurso, Música e Ideologia: uma análise discursiva dos efeitos de sentido hedonistas materializados em letras de música carnavalesca baiana. 2016, 216 f, Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2016.

CANAL GNT. Você concorda com o Lord Vinheteiro sobre o funk? Mude Minha Ideia. Quebrando o Tabu. 2019. Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=A_OE2qq1VZs> Acesso em: 26 out. 2020.

JOURDAIN, Robert. Música, cérebro e êxtase: como a música captura nossa imaginação. Rio de Janeiro: Objetiva, 1998.

LAZZARETI, Angelene; SPRITZER, Mirna. O corpo-voz entre. Urdimento - Revista De Estudos Em Artes Cênicas, Florianópolis, v., n. 28, 221-231, 2017.

LETRAS. Músicas clássicas famosas que você conhece e não sabe o nome. 07 set. 2020. 2020a. Disponível em: <https://www.letras.mus.br/blog/musicas-classicas-famosas/> Acesso em: 01 jun. 2021.

LETRAS. As 100 músicas mais tocadas da década. Playlist. 2020b. Disponível em: <https://www.letras.mus.br/playlists/1055491/> Acesso em: 01 jun. 2021.

LOPES, Adriana de Carvalho. Funk-se quem quiser: no batidão negro da cidade carioca. Rio de Janeiro: Bom Texto: FAPERJ, 2011.

MORAIS, Claudia. Você sabe o que são memes? Conexão Escola. Prefeitura de Goiânia. Disponível em:

<https://sme.goiania.go.gov.br/conexaoescola/ensino_fundamental/voce-sabe-o-que-sao-memes/> Acesso em: 30 maio 2021.

PORFÍRIO, Francisco. Cultura erudita. Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/sociologia/cultura-erudita.htm> Acesso em: 31 maio 2021.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte/MG: Letramento, 2017.

ROSA, Luciane; BERG, Silvia. Entre o erudito e o popular: aproximações e distanciamentos na formação da música urbana brasileira. Universidade de São Paulo, Revista Da Tulha, Ribeirão Preto, v. 4 n. 1, 2018, p.69-90, jan.-jun. 2018.

SOUZA, Thiago de. [Depoimento] Pesquisa na quarentena. Pesquisa FAPESP. 14 fev. 2021. Disponível em: <https://revistapesquisa.fapesp.br/vivenciei-um-conflito-porque-os-bailes-funks-seguiram-acontecendo-mas-decidi-deixar-de-frequenta-los/> Acesso em: 31 maio 2021.

TOLEDO, Isabel. Uma esquizoanalista vai ao teatro: o encontro com Fulaninho. Folhas ao vento. 15 ago. 2018. Disponível em:

<http://marcoschaves.blogspot.com/2018/08/estreia-fulaninho.html> Acesso em: 01 jun. 2021.

VOCALIDADE & CENA (Canal). Bate-Papo Café Sonoro - #18 “Nem Popular, Nem Erudito” com Thiagson. 02 ago. 2021. Disponível em: <https://youtu.be/34R1tKqva1A> Acesso em: 12 nov. 2021.

Downloads

Publicado

2022-04-06

Como Citar

CHAVES, M. M. Tensões entre o popular e o erudito: a obra teatral-musical Fulaninho em observações sociocuturais. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 43, p. 1-22, 2022. DOI: 10.5965/1414573101432022e0211. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/20372. Acesso em: 20 maio. 2022.