O Estágio Curricular como espaço de formação de docentes sensíveis ao ensino de História Indígena

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180314372022e0203

Resumo

Este trabalho traz à discussão algumas das experiências vivenciadas na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado quando um grupo de estagiários/as ministrou aulas cujo eixo temático foi a História Indígena. O conjunto de fontes a ser analisado é composto por projetos de ensino e pesquisa, planos de aula, relatórios e artigos escritos pelos grupos. As aulas foram ministradas para duas turmas do 6º ano do Colégio de Aplicação da UFSC em 2019. A questão central da presente investigação foi suscitada a partir da percepção do grande interesse do grupo de estagiários/as frente ao tema e ao compromisso do grupo com o desenvolvimento dessa temática para o aprendizado histórico das turmas. Assim, algumas perguntas movimentam a escrita deste texto: que escolhas foram feitas no momento de preparação dessas aulas? Que materiais foram selecionados? E por fim: o que se pode dizer sobre a tarefa de ensinar História Indígena para estudantes da Educação Básica? O ensino de História Indígena na Educação Básica tem sido uma obrigatoriedade desde o estabelecimento da Lei 11.645/08, e também é obrigatória a sua presença em livros didáticos. No entanto, entre a obrigatoriedade da lei e a vivência nas salas de aula, temos um percurso de muitos desafios e enfrentamentos. O presente estudo, portanto, traz como objetivo perceber as tensões presentes na realização dos planos e das aulas desse grupo de estagiários/as. Além disso, tem o interesse de apontar as potencialidades desse movimento na formação de professores comprometidos com temáticas relativas à diversidade e com foco em currículos mais plurais.

Palavras-chave: ensino de história; formação docente; estágio curricular; Lei 11.645/08.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nucia Alexandra Silva de Oliveira, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Doutora em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Professora do Departamento de História, do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) e do Mestrado Profissional em Ensino de História (PROFHistória) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

Referências

BERGAMANN, Klaus. A história na reflexão didática. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 9, n. 9, p 29-42, set. 1989/fev. 1990.

BEZERRA, Ricardo José; ALMEIDA, Tatiane Lima. História e a cultura dos povos indígenas na educação básica: a emergência da discussão. Revista Diálogos, (s.l.), n. 20, p. 474-493, set./out. 2018. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/328472550_HISTORIA_E_A_CULTURA_DOS_POVOS_INDIGENAS_NA_EDUCACAO_BASICA_A_EMERGENCIA_DA_DISCUSSAO. Acesso em: 10 out. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes operacionais para a implementação da história e das culturas dos povos indígenas na educação básica em decorrência da Lei 11.645/2011. Brasília, DF: MEC, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=27591-pareceres-da-camara-de-educacao-basica-14-2015-pdf&Itemid=30192 Acesso em: 10 mar. 2022.

CAINELLI, Marlene. Educação histórica: o desafio de ensinar história no ensino fundamental. In: BARCA, Isabel; SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Apreender história: perspectivas da educação histórica. Ijuí: Ed. Unijuí, 2009. p 117-138.

GOMES, Nilma Lino. Movimento negro e educação: ressignificando e politizando a raça. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 120, p. 727-744, jul./set. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/wQQ8dbKRR3MNZDJKp5cfZ4M/?format=pdf. Acesso em: 10 mar. 2022.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir. A educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

KAYAPÓ, Edson. A diversidade sociocultural dos povos indígenas no Brasil: o que a escola tem a ver com isso? Educação em Rede, (s.l.), v. 7, p. 56-80, 2019. Disponível em: https://ayalaboratorio.files.wordpress.com/2021/05/educacao-em-rede_volume-7_paginas-56-80.pdf. Acesso em: 20 maio 2022.

LEE, Peter. Em direção a um conceito de literacia histórica. Educar, Curitiba: ed. UFPR, p. 131-150, 2006. Especial.

LEE, Peter. Por que aprendia história? Educar em Revista, Curitiba: ed. UFPR, n. 42, p. 19-42, out./dez. 2011.

MORTARI, Claudia. Introdução aos estudos africanos e da diáspora. Florianópolis: Editora DIOESC, 2015.

PEREIRA Júnia Sales; ROZA, Luciano Magela. O ensino de história entre o dever de memória e o direito à história. Revista História Hoje, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 89-110, 2012.

ROMÃO, Jeruse. O movimento negro brasileiro e as diretrizes da educação nacional: a Lei federal 10.639/2003 é LDB. Florianópolis: Editora DIOESC, 2014.

RÜSEN, Jörn. Didática da história: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 1, n. 2, p. 7-16, jul./dez. 2006.

SEFFNER, Fernando. Escola pública e professor como adulto de referência: indispensáveis em qualquer projeto de nação. Educação, (São Leopoldo): Unisinos, v. 20 n. 1, p. 48-57, jan./abr. 2016.

SILVA, Giovani José da. Ensino de história indígena. In: WITTMANN, Luísa T. (org.). Ensino (d)e história indígena. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2015. p. 21-46.

WITTMANN, Luisa T. (org.). Ensino (d)e história indígena. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2015.

WITTMANN, Luísa T.; REIS, R. F.; SCHUTZ, K. R.; LEITE, S. D. O papel da universidade no ensino de história indígena: uma análise dos cursos de História em Santa Catarina. Revista História e Diversidade, Cáceres, v. 10, n. 1, p. 152-165, 2018. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/historiaediversidade/article/view/3235/2570. Acesso em: 15 mar. 2022.

Downloads

Publicado

2022-12-19

Como Citar

OLIVEIRA, N. A. S. de. O Estágio Curricular como espaço de formação de docentes sensíveis ao ensino de História Indígena. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 14, n. 37, p. e0203, 2022. DOI: 10.5965/2175180314372022e0203. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180314372022e0203. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Seção Temática: Os desafios de ensinar e aprender história no tempo presente