Nas páginas dos processos judiciais: crianças e adolescentes, suas vozes, participação protagônica e contraconduta

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180314362022e0202

Resumo

O presente trabalho visa articular algumas experiências do público infantojuvenil, encontradas em meio a processos judiciais, para compreender como crianças e adolescentes institucionalizados lidavam com as decisões tomadas pelos adultos, sejam eles familiares, funcionários do abrigo ou operadores do Direito. Para alcançar tal objetivo, parte-se das seguintes perguntas: Em que ocasiões as crianças/adolescentes abrigados foram escutados? Quem os escutava? Sobre o que falavam? O que os adultos faziam em relação ao que ouviam? E, quando não eram ouvidos, que estratégias utilizavam? A ideia é apresentar a perspectiva infantojuvenil, suas ações, estratégias, sentimentos, apontando-os como sujeitos históricos. Elegeram-se como fontes documentais 36 processos judiciais da Vara da Infância e Juventude de Criciúma, datados da década de 1990. Tal recorte temporal esteve pautado na promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente e na premissa de compreender como e em quais situações as oitivas aconteciam. O Estatuto, Lei 8069/90, estabelecia que os adolescentes fossem previamente ouvidos e tivessem a sua opinião considerada em caso de colocação em família substituta. No entanto, os casos aqui analisados apontam para um cenário em que a oitiva não era uma prática constante nos primeiros anos da década de 1990, quadro que foi sendo alterado nos primeiros anos de 2000. Essa experiência de passado fez com que um novo horizonte, aos poucos, se fosse moldando, resultando na implementação da Lei 12.010/09; a partir daí, outros princípios foram incluídos no procedimento de oitivas do público infantojuvenil.

Palavras-chave: história da infância e juventude; participação protagônica; contraconducta; processos judiciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisangela da Silva Machieski, Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP)

Doutora em História pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Professora da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP).

Referências

BRASIL. Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1-15, 16 jun. 1990.

BRASIL. Decreto 99.710, de 21 de novembro de 1990. Promulga a Convenção sobre os Direitos da Criança. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 2-7, 22 nov. 1990.

CORONA, Yolanda Caraveo; MORFÍN, María Stoopen. Diálogo de saberes sobre participación infantil. México: Universidad Autónoma Metropolitana, 2001.

CUSSIÁNOVICH VILLARÁN, Alejandro. Ensayos sobre infancia II: sujeto de derechos y protagonista. Lima: IFEJANT, 2009.

CUSSIÁNOVICH VILLARÁN, Alejandro. Protagonismo ¿qué es? en Jóvenes y niños trabajadores: sujetos sociales. Ser protagonistas. Lima: IFEJANT, 1997.

CROWLEY, Peter. Participación infantil: para una definición del marco conceptual. Actas de seminario. Bogotá: [s.l.], 1998.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 2004.

GAITÁN, Angel. Protagonismo Infantil. In: La participación de niños y adolescentes en el contexto de la Convención sobre los derechos del niño: visiones y perspectivas. Actas del Seminario – Bogotá, dez. 1998. Bogotá: UNICEF, 1998. p 85-104.

HART, ROGER. La participación de los niños: de la participación simbólica a la participación auténtica. Niños: UNICEF, TACRO, 1993.

LIEBEL, Manfred. Infancia y trabajo: para una mejor comprensión de los niños y niñas trabajadores de diferentes culturas y continentes. [Lima]: Instituto de Formación para Educadores de Jóvenes, Adolescentes y Niños Trabajadores de América latina y el Caribe Mons germán Schmitz, 2003.

LIEBEL, Manfred. Paternalismo, participación y protagonismo infantil. In: CORONA, Yolanda Caraveo; LINARES, María Eugenia Pontón (org.). Participación infantil y juvenil en América Latina. México, D. F.: Universidad Autónoma Metropolitana, 2007. p. 113-146.

LIEBEL, Manfred. Protagonismo infantil: movimientos de niños trabajadores en América Latina. Managua: Ed. Nueva Nicaragua, 1994.

MACHIESKI, Elisangela da Silva. Infâncias em processo: direitos, famílias, (des)abrigamentos. Santa Catarina, década de 1990. Tese (Doutorado em História) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

Poder Judiciário. Processo de Adoção Internacional de Bárbara e Catarina Angelim, 2002.

Poder Judiciário. Processo de Destituição de Pátrio Poder de Cristina, Patrícia, Douglas, Fernanda e Letícia Figueira, 1997-2001.

Poder Judiciário. Processo de Guarda e Responsabilidade de Amanda Angelim, 1997.

Poder Judiciário. Processo de Guarda e Responsabilidade de Bianca/Lívia Quaresmeira, 1996-2003.

Poder Judiciário. Processo de Medida de Proteção de Ana Luiza Manacá, 1996.

Poder Judiciário. Processo de Medida de Proteção de Beatriz Romã, 1997-2004.

Poder Judiciário. Processo de Medida de Proteção de Daniel e Jônata Imbuia, 1996-2001.

Poder Judiciário. Processo de Situação de Verificação de Criança e Adolescente de Carla, Olivia, Karoline e Joel Amburana, 1997-1999.

Poder Judiciário. Processo de Verificação de Situação de Criança e Adolescente de Andrea e Maria Clara Pitangueira, 2000-2002.

Poder Judiciário. Processo de Verificação de Situação de Criança e Adolescente de Bárbara e Catarina Angelim, 2000-2002.

Poder Judiciário. Processo de Verificação de Situação de Criança e Adolescente de Renato Ipê, 2001.

Poder Judiciário. Processo de Verificação de Situação de Risco de Camila Andiroba, 2000-2003.

Downloads

Publicado

2022-06-24

Como Citar

MACHIESKI, E. da S. Nas páginas dos processos judiciais: crianças e adolescentes, suas vozes, participação protagônica e contraconduta. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 14, n. 36, p. e0202, 2022. DOI: 10.5965/2175180314362022e0202. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180314362022e0202. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Infâncias e Juventudes: Perspectivas Transnacionais e Interseccionais