Se não agora, quando? A urgência do hoje e a desigualdade como tema no Ensino de História

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180313332021e0107

Resumo

Este artigo parte da percepção da centralidade do tema desigualdade no Ensino de História, em conexão com situações de conflitualidade e violência. A desigualdade é analisada aqui como algo situado em muitos contextos, ela é produzida a partir de alguns dos marcadores sociais da diferença que selecionamos, que são classe, raça, gênero, geração, pertencimento religioso, região e local de moradia e suas modalidades de intersecção. Apresenta-se, então, a estratégia de educação em temas sensíveis no Ensino de História como alternativa pedagógica para abordagem do tema desigualdade. A discussão é feita a partir da coleta de relatos e da observação de cenas de aulas on-line durante o período da pandemia, que causaram forte tensão nos modos de viver a cultura escolar e o cotidiano escolar, acentuando desigualdades, mas também indicando linhas de fuga. De posse dos elementos colhidos nessa trajetória, propõe-se uma redefinição no conceito de educação em temas sensíveis, com o deslocamento para a percepção de produção de relações sensíveis. É do tempo presente, da história ensinada, das situações de desigualdade e da educação em temas sensíveis que este artigo trata, com ambientação no período da pandemia.

Palavras-chave: ensino de história; temas sensíveis; desigualdade; violência; currículo escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Seffner, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Professor no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu) e no Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Atua também em pesquisas e orientações em temas como: situações de vulnerabilidade a aids; representações culturais das masculinidades homossexuais e bissexuais; respostas religiosas a aids; estado, religião e laicidade; e estudos de gênero. No ensino de graduação dedica-se a disciplinas que envolvem o ensino de História e a construção de aprendizagens significativas nesta área.

Referências

ALENCAR, Joana et al. Políticas públicas e violência baseada no gênero durante a pandemia da COVID-19: ações presentes, ausentes e recomendadas. Brasília: IPEA, 2020. Nota Técnica, n. 78: jun. 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=35884. Acesso em: 4 jan. 2021

BANDEIRA, Gustavo Andrada; SEFFNER, Fernando. Memórias da COLIGAY e o currículo de masculinidade dos torcedores de futebol. Revista Diversidade e Educação, Rio Grande: FURG, v. 7, n. 2, p. 312-328, jul./dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/9537. Acesso em: 12 fev. 2021

BANDEIRA, Gustavo Andrada; SEFFNER, Fernando. Aranha, macaco e veado: o legítimo e o não legítimo no zoológico linguístico nos estádios de futebol. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 3, p. 985-998, jul./set. de 2016. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/61508/38865. Acesso em: 12 fev. 2021

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Educação em direitos humanos: diretrizes nacionais. Brasília: Coordenação Geral de Educação em SDH/PR, 2013. Disponível em: https://goo.gl/UG8FNP Acesso em: 25 jan. 2021.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. plano nacional de educação em direitos humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2006. Disponível em: https://goo.gl/A51Fku Acesso em: 20 jan. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988.

BROWN, Wendy. Hoje em dia, somos todos democratas. Sapere Aude, Belo Horizonte, v. 9, n. 17, p. 291-302, jan./jun. 2018.

BUARQUE, Chico; GUERRA, Ruy. Sonho Impossível. Rio de Janeiro, 1972. 1 partitura

CAMPOS, Brisa; TCHALEKIAN, Bruna; PAIVA, Vera. Violência contra a mulher: vulnerabilidade programática em tempos de SARS-COV-2/ COVID-19 em São Paulo. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 32, e020015, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822020000100414&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 2 jan. 2021

CEPAL. Comisión Económica para América Latina y el Caribe. La autonomía económica de las mujeres en la recuperación sostenible y con igualdad. Informe Especial COVID-19, Santiago, Chile, n. 9, 10 feb. 2021. Disponível em: https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/46633/5/S2000740_es.pdf Acesso em: 16 ago. 2021

CNC. PESQUISA PEIC. Endividamento e inadimplência do consumidor: o perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2020. Brasília: Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, 2021 Disponível em: http://cnc.org.br/editorias/economia/pesquisas/peic-anual-perfil-do-endividamento-das-familias-brasileiras-em-2020. Acesso em: 15 fev. 2021

GALHARDI, Cláudia Pereira et al. Fato ou fake? uma análise da desinformação frente à pandemia da Covid-19 no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, supl. 2, p. 4201-4210, out. 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232020006804201&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 fev. 2011

GONÇALVES, Lucas Henrique; SHIMA, Walter Tadahiro. Internet banda larga e o futuro antecipado pela covid-19: o Brasil está pronto? In: SANTOS, Ronaldo Pereira; POCHMANN, Marcio. Brasil pós-pandemia: reflexões e propostas. São Paulo: Alexa Cultural, 2020. p. 119-142

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 9-43, jan./jun. 2001. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/38749. Acesso em: 19 jan. 2021

KERBER, Aline; LEAL, Sabrina. Pesquisa educação na pandemia da COVID-19 Porto Alegre. Porto Alegre: Associação Pais e Mães Pela Democracia, 2020.

LEVIS, Carolina; PICELLI, Isabelle Lopes; MOUTINHO, Paulo. O futuro da Amazônia e seus povos diante da maior crise ambiental e sanitária deste século. In: SANTOS, Ronaldo Pereira; POCHMANN, Marcio. Brasil pós-pandemia: reflexões e propostas. São Paulo: Alexa Cultural, 2020. p. 211-234

LIMA, Ana Lúcia D´Império. Retratos da educação no contexto da pandemia do coronavírus: um olhar sobre múltiplas desigualdades. In: INFORME, FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. São Paulo: [Fundação Carlos Chagas], out. 2020. Disponível em: https://www.fcc.org.br/fcc/wp-content/uploads/2021/02/Retratos-da-Educacao-na-Pandemia_digital-_outubro20.pdf?utm_source=mailpoet&utm_medium=email&utm_campaign=Retratos+da+Educa%C3%A7%C3%A3o+na+Pandemia. Acesso em: 15 fev. 2021.

MARTINS, Pedro. População negra e Covid-19: desigualdades sociais e raciais ainda mais expostas. In: ABRASCO, [S.l.], 31 mar. 2020. Especial Coronavírus. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/noticias/sistemas-de-saude/populacao-negra-e-covid-19-desigualdades-sociais-e-raciais-ainda-mais-expostas/46338/ Acesso em: 2 fev. 2021.

MIGUEL, Luís Felipe. O colapso da democracia no Brasil: da constituição ao golpe de 2016. São Paulo: Expressão Popular: Fundação Rosa Luxemburgo, 2019.

NÚCLEO DE OPERAÇÕES E INTELIGÊNCIA EM SAÚDE (NOIS). Inteligência computacional aplicada à predição da evolução da COVID-19 e ao dimensionamento de recursos hospitalares. análise socioeconômica da taxa de letalidade da COVID-19 no Brasil. [S.l.], 27 maio 2020. Nota técnica 11. 12p. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1tSU7mV4OPnLRFMMY47JIXZgzkklvkydO/view. Acesso em: 26 fev. 2021.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Aprendendo nos/dos/com os cotidianos a ver/ler/ouvir/sentir o mundo. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 98, p. 47-72, abril 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302007000100004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 7 jan. 2021

PEREIRA, Nilton Mullet; SEFFNER, Fernando. Ensino de História: passados vivos e educação em questões sensíveis. Revista História Hoje, Rio de Janeiro: ANPUH, v. 7, n. 13, p. 14-33, jan./jun. 2018. Disponível em: https://rhhj.anpuh.org/RHHJ/article/view/427. Acesso em: 2 fev. 2021

POCHMANN, Marcio. Coronavírus e as evidências da regressão à condição neocolonial: economia e trabalho no início da terceira década do século XXI. In: SANTOS, Ronaldo Pereira; POCHMANN, Marcio. Brasil pós-pandemia: reflexões e propostas. São Paulo: Alexa Cultural, 2020. p. 161-185

RANZANI, Otávio T. et al. Characterisation of the first 250 000 hospital admissions for COVID-19 in Brazil: a retrospective analysis of nationwide data. The Lancet Respiratory Medicine (on-line), [S.l.], v. 9, n. 4, p. 407-418, 15 jan. 2021 Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lanres/article/PIIS2213-2600(20)30560-9/fulltext#sec1. Acesso em: 20 jan. 2021

SEFFNER, Fernando. Diário de Campo do Projeto de Pesquisa Investigação das Aprendizagens em Ensino de História na Cultura Escolar. Porto Alegre, [s.I.], 2021.

SEFFNER, Fernando. Sempre atrás de um buraco tem um olho: racionalidade neoliberal, autoritarismo fundamentalista, gênero e sexualidade na Educação Básica. Práxis Educativa (on-line), Ponta Grossa: UEPG, v. 15, p. 1-19, 2020. Disponível em: https://revistas2.uepg.br//index.php/praxiseducativa/article/view/15010. Acesso em: 2 fev. 2021

VICTORIO FILHO, Aldo. Pesquisar o cotidiano é criar metodologias. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 98, p. 97-110, abr. 2007 Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302007000100006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 7 jan. 2021

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

SEFFNER, F. Se não agora, quando? A urgência do hoje e a desigualdade como tema no Ensino de História. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 13, n. 33, p. e0107, 2021. DOI: 10.5965/2175180313332021e0107. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180313332021e0107. Acesso em: 28 nov. 2021.