Revisando livros didáticos de História: ação da diplomacia cultural em nome da paz

Autores

  • Juçara Luzia Leite Universidade Federal do Espírito Santo image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180303022011077

Palavras-chave:

ensino de História, livro didático, diplomacia cultural, liga das nações, união pan-americana

Resumo

No cenário internacional do pós-primeira guerra, gradualmente, os objetivos morais somavam-se aos objetivos cívicos do ensino de História. A década de 1920, especialmente, foi marcada por uma discussão ampla sobre o papel da educação – especialmente do ensino de História – na construção de um mundo de paz. O livro didático esteve no centro desse debate e educadores de tendências opostas manifestaram-se. Ao longo desses debates, o papel da Commission Internationale de Coopération Intellectuelle (CICI) se destacou na Liga das Nações, procurando facilitar a colaboração de intelectuais no serviço de promoção da paz mundial dentro dos objetivos da Liga. O presente artigo reflete sobre esse contexto, destacando o papel do Brasil na adoção de uma diplomacia cultural válida tanto para os países europeus quanto para os vizinhos latino-americanos, considerando a dinâmica da transição do foco de interesses da Liga das Nações para a União Panamericana. Ressaltamos a atuação do Ministério das Relações Exteriores nesse processo ao empreender uma diplomacia cultural sobre a História a ser ensinada, que, incólume às oscilações políticas do período, culmina na manutenção de publicação da “Bibliografia de História do Brasil”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juçara Luzia Leite, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo. Mestrado em História pela Universidade Federal Fluminense. Licenciatura em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro . Atualmente é Professora Adjunto IV da Universidade Federal do Espírito Santo onde ministra disciplinas da área do Ensino de História para os cursos de Licenciatura em História e Licenciatura em Pedagogia, bem como para a Educação a Distância. É membro do quadro de professores efetivos do Programa de Pós-Graduação em História (PPGHIS - UFES) e do Programa de Pós-Graduação Educação (PPGE - UFES) - em ambos orienta mestrado e doutorado.

Referências

BARACUHY, Braz. A crise da Liga das Nações de 1926: realismo neoclássico, multilateralismo e a natureza da política externa brasileira. Contexto Internacional. Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p.355-397, jul. / dez. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292006000200002>. Acesso em: 16 jul. 2011.

BECHET, Christophe. La révision pacifiste des manuels scolaires: les enjeux de la mémoire de la guerre 14-18 dnas l’enseignement belge de l’entre-deus-guerres. CHTP, n. 20, jan. 2008. p. 49 – 101. Disponível em: <http://www.schist.ulg.ac.be/biblio/Bechet.pdf>. Acesso em 12 de março de 2011.

CICCHINI, Marco. Un bouillon de culture pour les sciences de l’éducation ? Le Congrès international d’éducation morale (1908-1934). Paedagogica Historica, Genebra, v. 40, n. 5-6, p. 633-656, out. 2004.

CHARTIER, Roger.Cultura escrita, literatura e história. Tradução: Ernani Rosa. Porto Alegre : Artmed, 2001.

DUMONT, Juliette.Le Brésil de Vargas:entre l’Institut International de Coopération Intellectuelle et l’Union Panaméricaine. HAL: sciences de l’homme et de la societé, Paris, 2010. Disponível em: <http://halshs.archives-ouvertes.fr/view_by_stamp.php?&halsid=ikpdmun5dfm2q66f7fadoqgaa0&label=SHS&langue=en&action_todo=view&id=halshs-00494010&version=1>. Acesso em: 23 jul. 2011.

GARCIA, Eugênio Vargas. O Brasil e a Liga das Nações (1919-1926). Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2005.

GIUNTELLA, Maria Cristina. Enseignement de l’histoire et revision des manuels scolaires dans l’entre-deux-guerres. In : BAQUÈS, M-C ; BRUTER, A. ; TUTIAUX-GUILON, N. (Org.). Pistes didactiques et chemins d’historiens: textes offerts à Henri Moniot. Paris: L’Harmattan, 2003. p. 161 – 190.

GUIMARÃES, Lúcia M. P. Da escola palatina ao silogeu: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1889-1938). Rio: Museu da República, 2007.

HOLLANDA, Guy de. Programas e compêndios de história para o ensino secundário brasileiro:1931-1956. Rio de Janeiro: INEP/ MEC, 1957.

LEITE, Juçara Luzia. Pensando a paz entre as guerras: o lugar do ensino de História nas relações exteriores. Revista Antíteses, Londrina, Ed. UEL, v. 3, p. 1-23, 2010. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/7925>. Acesso em 20 de jul.de 2011.

LEITE, Juçara Luzia. Intelectuais e professores pensando a paz no período entreguerras. In LEITE, Juçara Luzia; ALVES, Claudia. Intelectuais e História da Educação no Brasil: poder, culturas e políticas. Vitória: EdUFES, 2011. p. 305-334.

RENOLIET, Jean-Jacques. L'Unesco oubliée: la Société des Nations et la coopération intellectuelle (1919-1946). Paris: Publications de la Sorbonne, 1999.

SANTOS, Luís Cláudio Villafañe G. O dia em que adiaram o Carnaval: política externa e a construção do Brasil. São Paulo: Ed. Unesp, 2010.

SILVA, Alexandra de Mello e Silva. Ideias e política externa: a atuação brasileira na Liga das Nações e na ONU. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 41, n. 2, p. 139-158, jul./ dez. 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-73291998000200008&script=sci_arttext>. Acesso em: 17 jul. 2011.

UNESCO. La réforme des manuels scolaires et du matériel d’enseignement. Paris: Unesco, 1950.

Downloads

Publicado

2011-12-07

Como Citar

LEITE, Juçara Luzia. Revisando livros didáticos de História: ação da diplomacia cultural em nome da paz. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 77–99, 2011. DOI: 10.5965/2175180303022011077. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180303022011077. Acesso em: 13 abr. 2024.