Para além do invisível de fora: narrativas do avesso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19847246252024e0106

Palavras-chave:

corpo negro, invisibilidade, racismo, necropolítica, resistência

Resumo

Marcada por um passado escravocrata, a sociedade brasileira mantém os vestígios desse sistema, alimentando o pensamento racista que ainda se engendra nas esferas sociais, históricas e políticas, resultando em uma estrutura social baseada em ações discriminatórias e violentas. Assim, o corpo negro é alvo da necropolítica, em que viver na contemporaneidade é experimentar, ainda, as vivências do medo e da dor – mesmo por órgãos públicos que deveriam protegê-los. Na literatura brasileira, essa herança se faz presente desde os primórdios, evidenciando-se na marginalização dos personagens negros. Isso se manifestou tanto pela normalização de estereótipos negativos quanto pela atribuição a esses personagens de papéis secundários, quando não os relegando ao completo silenciamento. Nessa perspectiva, partindo da análise da obra de Jeferson Tenório, O avesso da pele (2020), buscamos apontar como o autor retrata esses corpos negros na sociedade brasileira contemporânea, nas suas formas de atuarem não apenas pela maneira como (não) são vistos, mas também pelo seus avessos e resistências. O quadro teórico é formado por estudiosos como: Achille Mbembe (2018), Abdias do Nascimento (2016), Chimamanda Adichie (2019), Silvio Luiz de Almeida (2019), Célia Azevedo (1987), Luiz Cuti (2010), Lilia Schwarcz (2013) e Neusa Souza (1983). Depreende-se que, quando o próprio corpo negro é quem se apropria da voz literária, consciente de seu local de fala e imerso no tecido político e social que o envolve, é capaz de romper com as correntes dos paradigmas racistas, tecendo histórias que permitem (re)contar e (re)apresentar ao mundo suas próprias realidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jéssica França de Oliveira, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda em Letras: Estudos Literários pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Professora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? São Paulo: Pólen, 2019.

ADICHIE, Chimamanda. O perigo de uma história única. Tradução de Julia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

AZEVEDO, Celia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites - século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

CANDIDO, Antonio. Crítica e sociologia. In: CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006. p. 13-17.

CUTI, Luiz Silva. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FRANCO, Marielle. UPP – a redução da favela a três letras: uma análise da política de segurança pública do estado do rio de janeiro. 2014. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal Fluminense, Faculdade De Administração, Ciências Contábeis e Turismo, Programa De Pós-Graduação em Administração, Niterói, 2014. Disponível em: https://joaocamillopenna.files.wordpress.com/2018/05/franco-marielle-a-reduccca7acc83o-da-favela-a-trecc82s-letras.pdf. Acesso em: 10 out. 2020.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. RIOS, Flávia Rios, LIMA, Márcia (orgs.). Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HOOKS, Bell. Olhares negros: raça e representação. Tradução de Stephanie Borges. São Paulo: Elefante, 2019.

LOBO, Luiza. Literatura afro-brasileira contemporânea. In: LOBO, Luiza. Crítica sem juízo. Rio de Janeiro: Garamond, 2007. p. 243-311.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução de Renata Santini. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectivas, 2016.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociedade brasileira. São Paulo: Claro Enigma, 2013.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

TENÓRIO, Jeferson. O avesso da pele. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

Downloads

Publicado

2024-05-20

Como Citar

OLIVEIRA, Jéssica França de. Para além do invisível de fora: narrativas do avesso. PerCursos, Florianópolis, v. 25, p. e0106, 2024. DOI: 10.5965/19847246252024e0106. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/24371. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê 2024/1 "As intelectualidades negras na compreensão do Brasil"