“Vocês vão me escutar, vão me entender”: o itinerário intelectual e político de Diva Moreira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19847246252024e0103

Palavras-chave:

mulheres negras, movimento negro, história dos intelectuais

Resumo

Neste artigo apresentamos o itinerário da socióloga e ativista negra Diva Moreira, especificamente a forma como ela articulou as discussões de raça, gênero e classe em sua atuação política. O artigo se insere no campo da História dos Intelectuais e do Feminismo Negro, entendendo Diva Moreira como intelectual negra responsável pela difusão de ideias e discussões voltadas para a luta antirracista. Como fontes primárias, foram utilizadas entrevistas concedidas ao Museu da Pessoa (2005), CPDOC-FGV (2007) e à Fundação João Pinheiro (2021). Como fontes secundárias, os relatórios produzidos pelo Serviço Nacional de Informação (SIAN). A trajetória da ativista exemplifica a produção político-cultural a partir da margem de ativistas negras, ampliando nosso entendimento sobre a atuação política dessas mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlene Martinez Ricoldi, Universidade Federal do ABC

Doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal do ABC (UFABC).

Isabela Pereira de Sena, Universidade Federal do ABC

Mestranda em Ciências Humanas e Sociais pela Universidade Federal do ABC (UFABC).

Referências

CARDOSO, Cláudia Pons. Outras falas: feminismos na perspectiva de mulheres negras brasileiras. 2012. Tese (Doutorado em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/7297. Acesso em: 12 fev. 2024.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within*: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 99-127, jan./abr. 2016. Disponível em https://www.scielo.br/j/se/a/MZ8tzzsGrvmFTKFqr6GLVMn/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 22 fev. 2024.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, Niterói, v. 12, n. 23, p. 100-122, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tem/a/yCLBRQ5s6VTN6ngRXQy4Hqn/abstract/?lang=pt. Acesso em: 12 fev. 2024.

GOMES, Flávio dos Santos; DOMINGUES, Petrônio. Metáforas da “nação”. Tempo, Niterói, v. 20, p. 01-08, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tem/a/KybRDQHgDzcxxSLq3sHP3mh/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 12 fev. 2024.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio Janeiro: Zahar, 2020.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice: Revista dos Tribunais, 1990.

HOOKS, Bell. Intelectuais Negras. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464-464, 1995. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16465. Acesso em: 12 fev. 2024.

MEDEIROS, Fabrício Ferreira. A nova história política. Temporalidades –Revista de História, Belo Horizonte, Ed. 25, v. 9, n. 3, p. 258-269, set./dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/temporalidades/article/view/5931. Acesso em: 12 fev. 2024.

MOREIRA, Diva. [Entrevista cedida a] Almicar Araujo Pereira e Verena Alberti. CPDOC/Fundação Getúlio Vargas (FGV), Belo Horizonte, mar. 2007. Disponível em: https://www18.fgv.br/cpdoc/storage/historal/arq/Entrevista1543.pdf. Acesso em: 12 fev. 2024.

MOREIRA, Diva. Quando luto é verbo. [Entrevista cedida a] Carol Mizureli. Museu da Pessoa, São Paulo, jun. 2005. Disponível em: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/35/Quando_luto_e_verbo%2C_História_no_Museu_da_Pessoa_%2846839%29.pdf. Acesso em: 12 fev. 2024.

MOREIRA, Diva; NOGUEIRA, Maria José; MARTINS, Jessyka. Diva Moreira. In: GODINHO, Letícia; SOUZA-SEIDL, Renata (org.). Mulheres, negras e gestoras: porque sim! Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 2021. E-book. p. 297-317. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1kBLMlfc9HHfrlqqOTBn3mmrRbnEwIy8q/view. Acesso em: 12 fev. 2024.

MOREIRA, Núbia Regina. A organização das feministas negras no Brasil. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2018.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/reh/article/view/2278. Acesso em: 12 fev. 2024.

PORTELLI, Alessandro. O massacre de Civitella Vai di Chiama (Toscana, 29 de julho de 1944). In: FIGUEIREDO, Janaina P. Amado Baptista de; FERREIRA, Marieta de Moraes (org.). Usos e abusos da história oral. São Paulo: Editora FGV, 1988. p. 103-130.

PORTELLI, Alessandro. Sonhos ucrônicos: memórias e possíveis mundos dos trabalhadores. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, São Paulo, v. 10, p. 41-58, dez. 1993. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12103. Acesso em: 12 fev. 2024.

RATTS, Alex. Introdução. In: NASCIMENTO, Beatriz; RATTS, Alex (org.). Uma história feita por mãos negras: relações raciais, quilombos e movimento. Rio de Janeiro: Editora Schwarcz – Companhia das Letras: Zahar, 2021. p. 7-33.

RIOS, Flávia. A cidadania imaginada pelas mulheres afro-brasileiras: da ditadura militar à democracia. In: BLAY, Eva; AVELAR, Lucia (org.). 50 anos de feminismo: Argentina, Brasil e Chile. São Paulo: Edusp, 2017. p. 227-253.

RODRIGUES, Cristiano; FREITAS, Viviane Gonçalves. Ativismo feminista negro no Brasil: do movimento de mulheres negras ao feminismo interseccional. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, DF, n. 34, E238917, p. 1-54, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcpol/a/NFdhTdVVLSRPHzdDzVpBYMq/ Acesso em: 12 fev. 2024.

SADER, Eder. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo, 1970-80. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SANTIAGO, Ana Rita. Intelectuais Negras: entre a invisibilidade e a resistência. In:

SANTIAGO, Ana Rita et al (org). Descolonização do conhecimento no contexto afro-brasileiro. Cruz das Almas: UFRB, 2017. E-book. p. 55-66. Disponível em: https://www1.ufrb.edu.br/editora/component/chronoforms5/?chronoform=ver-livro&id=59. Acesso em: 12 fev. 2024

SANTOS, Gisele C. dos Anjos. Os estudos feministas e o racismo epistêmico. Revista Gênero, Niterói, v. 16, n. 2, p. 7-32, 1 sem. 2016. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistagenero/article/view/31232. Acesso em: 12 fev. 2024.

SCHMIDT, Maria Luisa Sandoval; MAHFOUD, Miguel. Halbwachs: memória coletiva e

experiência. Psicologia USP, São Paulo, v. 4, n. 1-2, p. 285-298, 1993. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1678-51771993000100013&script=sci_abstract . Acesso em: 12 fev. 2024.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez. 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721. Acesso em: 12 fev. 2024.

SILVA, Tauana Olívia Gomes. Mulheres negras nos movimentos sociais de esquerda durante a ditadura no Brasil (1964-1985). 2019. Tese (Doutorado em História) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/215039?show=full. Acesso em: 15 fev. 2024.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais. In: RÉMOND, René (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2003. p. 231-269.

ZANOTTO, Gizele. História dos intelectuais e história intelectual: contribuições da historiografia francesa. BIBLOS, Rio Grande, v. 22, n. 1, p. 31-45, 2008. Disponível em: https://periodicos.furg.br/biblos/article/view/854/334. Acesso em: 12 fev. 2024.

Downloads

Publicado

2024-04-13

Como Citar

RICOLDI, Arlene Martinez; SENA, Isabela Pereira de. “Vocês vão me escutar, vão me entender”: o itinerário intelectual e político de Diva Moreira. PerCursos, Florianópolis, v. 25, p. e0103, 2024. DOI: 10.5965/19847246252024e0103. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/24308. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê 2024/1 "As intelectualidades negras na compreensão do Brasil"