A criação do Lago de Itaipu como território fluvial de práticas e discursos de lazer canônico e desviante

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19847246242023e0309

Palavras-chave:

lazer, dispositivo, território

Resumo

O objetivo desse artigo é analisar como a construção da Usina Binacional de Itaipu produziu práticas e discursos capazes de constituir lazeres desviantes. A limitação do uso do território resultou na utilização do lazer como dispositivo por diferentes agentes. A retirada do local de moradia, a sensação de perda da liberdade de acesso ao rio, a transformação da região fluvial em centro turístico e mercadológico, o desejo de aventurar-se e a satisfação pela transgressão podem ser lidos como fatores associados ao lazer desviante no território fluvial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Paulo Loro, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutor em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá - UEM. Professor da Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS.

Giuliano Gomes de Assis Pimentel, Universidade Estadual de Maringá

Doutor em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Professor da Universidade Estadual de Maringá – UEM.

Referências

BECKER, Howard Saul. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda, 2008.

BUHALIS, Dimitrios. Relationships in the distribution channel of tourism: Conflicts between hoteliers and tour operators in the mediterranean region. International Journal of Hospitality & Tourism Administration, Londres, v. 1, n. 1, p. 113-139, 2000.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

CATTA, Luiz Eduardo. A face da desordem: pobreza e estratégias de sobrevivência em uma cidade de fronteira (Foz do Iguaçu/1964-1992). São Paulo: Blucher Acadêmico, 2009.

CATTA, Luiz Eduardo. O cotidiano de uma fronteira: a perversidade da modernidade. Cascavel: Edunioeste, 2002.

ELIZALDE, Rodrigo; GOMES, Christianne Luce. Horizontes latino-americanos do lazer. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos VIII: segurança, penalidade, prisão. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2002.

FOUCAULT, Michel. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 1999.

GERLERO, Julia C. Las formas de resitencia en la recreación. Cuadernos de ocio y sociedad. Medellin, Colômbia: Soluciones Editoriales, v. 1, n. 3, p. 49-62, 2007..

GOMES, Marta C.; SANTOS, Leonardo J. M.; SILVA, Paulo R. P. Educação olímpica para quê? Educação olímpica para quem? Representações e práticas para uma pedagogia crítica do olimpismo em tópicos especiais - o doping entre escolares. Podium: sport, leisure and tourism review, São Paulo, v. 3, p. 38-47, 2014.

GOMES, Rui Machado. A política da vida e a transparência do corpo. In: GOMES, Rui Machado (org.). O corpo e a política da vida. Coimbra: Centro de Estudos Biocinéticos, 2009. p. 52-82.

JORGE, Janes. A represa do Guarapiranga e os esportes na região de São Paulo (1905-1963). In: SOAREZ, Carmen Lúcia (org.). Uma educação pela natureza. Campinas: Autores Associados, 2016. p. 181-204.

LOPES, Priscila Fabiana M.; PACHECO, Shirley. CLAUZET, Mariana; SILVANO, Renato A. M.; BEGOSSI, Alpina. Fisheries, tourism, and marine protected areas: conflicting or synergistic interactions? Ecosystem Services, Amsterdã, v. 16, p. 333-340, 2015.

NARITA, Sandra Akemi. Apropriações sociais e vivências de lazer nos rios urbanos de Foz do Iguaçu e suas margens. 2015. 147 f. Dissertação (Mestrado em Estudos do Lazer) − Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

OKSALA, Johanna. Como ler Foucault. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

PIMENTEL, Giuliano Gomes de Assis. Sobre os desvios no lazer: questões para se pensar a corrupção no lúdico. In: LARA, Larissa Michelle (org.). As abordagens socioculturais em educação física. Maringá: Eduem, 2010. p. 81-112.

ROJEK, Chris. O lado obscuro do lazer: formas anormais. In: FORTINI, Janice Lúce Martins; GOMES, Christianne L.; ELIZALDE, Rodrigo. Desafios e perspectivas da educação para o lazer. Belo Horizonte: Editorial SESC/Otium, 2011. p. 137-148.

SAQUET, Marcos Aurelio. As diferentes abordagens do território e a apreensão do movimento e da (i)materialidade. Geosul, Florianópolis, v. 22, n. 43, p. 55-76, jan./jun. 2007.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Publicado

2023-12-04

Como Citar

LORO, Alexandre Paulo; PIMENTEL, Giuliano Gomes de Assis. A criação do Lago de Itaipu como território fluvial de práticas e discursos de lazer canônico e desviante. PerCursos, Florianópolis, v. 24, p. e0309, 2023. DOI: 10.5965/19847246242023e0309. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/23404. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê “Questão Urbana, os sujeitos dos territórios populares e a luta pelo direito à cidade”