Mudanças na percepção da velhice durante uma crise sanitária: da celebração da longevidade à ideia de doença

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19847246242023e0101

Palavras-chave:

envelhecimento, políticas públicas, pandemia

Resumo

O presente artigo reflete sobre como a pandemia de COVID-19 atualizou estereótipos da velhice e do processo de envelhecimento populacional no mundo. Investigamos diferentes momentos de construção de visões da velhice em documentos produzidos por organismos internacionais responsáveis por debater e propor ações para que o envelhecimento mundial colabore com o desenvolvimento das sociedades e dos estados. Mostramos como, recentemente, há uma atualização da imagem do idoso como um ser frágil, inativo e custoso ao Estado e como tal percepção não combina com os esforços anteriores à pandemia, que celebravam o envelhecimento como uma vitória e o apresentavam como um desafio até chegarmos no contexto em que se tornou possível discutir a classificação da velhice como doença. A metodologia utilizada inclui a análise de documentos oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU) e a interpretação dos discursos de representantes da Organização Mundial da Saúde (OMS) entre os meses de dezembro de 2019 e março de 2020. As principais conclusões deste artigo foram a de verificar as disputas existentes nas sociedades ocidentais sobre o debate acerca da velhice e do envelhecimento, a presença de uma narrativa preconceituosa (idadismo) e a associação da velhice à ideia unilateral de vulnerabilidade à Covid-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Pereira da Costa Dourado, Universidade Estadual de Maringá -UEM

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ. Professora da Universidade Estadual de Maringá - UEM.

Rodrigo Pedro Casteleira, Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Maringá – UEM.  Professor Universidade Federal de Rondônia - UNIR.

Referências

BARDANACHVILI, Eliane. Alexandre Kalache: ‘a melhor coisa que pode nos acontecer é envelhecer’. CEE FIO CRUZ, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: https://cee.fiocruz.br/?q=Alexandre-Kalache-A-melhor-coisa-que-pode-nos-acontecer-e-envelhecer. Acesso em: 15 jul. 2022.

BEAUVOIR, Simone. A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

BOURDIEU, Pierre. Campo de poder, campo intelectual. Buenos Aires: Folios, 1983.

CORONAVÍRUS: OMS declara pandemia. BBC NEWS, São Paulo, 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-51842518. Acesso em: 13 jul. 2022.

CÔRTE, Beltrina. A velhice é uma doença? PORTAL DO ENVELHECIMENTO E LONGEVIVER, São Paulo, 2021. Disponível em: https://www.portaldoenvelhecimento.com.br/a-velhice-e-uma-doenca/. Acesso em: 07 jun. 2022.

DEBERT, Guita Grin. A invenção da terceira idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 12, n. 34, p. 39-54, 1997.

DEBERT, Guita Grin. Pressupostos da reflexão antropológica sobre a velhice. In: DEBERT, Guita Grin (ed.). Antropologia e velhice. Campinas: IFCH: UNICAMP, 1998. p. 7-27.

DECLARAÇÃO política e plano de ação internacional de Madri sobre o envelhecimento. ONU, New York: United Nations, 2002. Disponível em: https://www.un.org/en/events/pastevents/pdfs/Madrid_plan.pdf. Acesso em: 02 jun. 2020.

DOURADO, Simone Pereira da Costa. A pandemia de COVID-19 e a conversão de idosos em “grupo de risco”. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 29, p. 153-162, 2020.

FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Resumo executivo: envelhecimento no Século XXI: celebração e desafio. Nova York: Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA); Londres: HelpAge International, 2012.

GOLDENBERG, Miriam. Gênero e corpo na cultura brasileira. Psic. Clin., Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 65-80, 2005.

IS OUR fight against coronavirus worse than the disease? THE NEW YORK TIMES, New York, 2020. Disponível em: https://www.nytimes.com/2020/03/20/opinion/coronavirus-pandemic-social-distancing.html. Acesso em: 13 abr. 2022.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; COIMBRA JR., Carlos E. A. Introdução entre a liberdade e a dependência: reflexões sobre o fenômeno social do envelhecimento. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza; COIMBRA JR., Carlos E. A. (orgs.). Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2002. p. 11-24.

MOTTA, Alda Britto da. Envelhecimento e sentimento do corpo. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza; COIMBRA JR., Carlos E. A. (orgs.). Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2002. p. 37-50.

NOVA edição da CID pretende incluir velhice como doença: profissionais de saúde contestam. COREN, São Paulo, 2021. Disponível em: https://portal.coren-sp.gov.br/noticias/nova-edicao-da-cid-pretende-incluir-velhice-como-doenca-profissionais-de-saude-contestam/. Acesso em: 15 jul. 2022.

OMS cobra de jovens respeito a isolamento: `vocês não são invencíveis`. CNN, São Paulo, 2020. Disponível em https://www.cnnbrasil.com.br/saude/oms-cobra-de-jovens-respeito-a-isolamento-voces-nao-sao-invenciveis/. Acesso em: 10 fev. 2023.

ONU. Resolução nº 33/52. Viena: ONU, 1982. Disponível em: https://documents-dds-ny.un.org/doc/RESOLUTION/GEN/NR0/366/91/IMG/NR036691.pdf?OpenElement. Acesso em: 13 dez. 2022.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Relatório mundial sobre o Idadismo. Washigton D.C.: Organização Pan-Americana da Saúde, 2022.

POPULAÇÃO brasileira deve atingir ápice em 2030. IPEA, Brasília, 2012. Disponível: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=15747. Acesso em: 13 jul. 2022.

SONTAG, Susan. Doença como metáfora/Aids e suas metáforas. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

VELHICE é doença? especialistas criticam inclusão na lista da OMS. O GLOBO, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: https://oglobo.globo.com/saude/velhice-doenca-especialistas-criticam-inclusao-na-lista-da-oms-25054474. Acesso em: 15 jul. 2022.

Downloads

Publicado

2023-04-26

Como Citar

DOURADO, Simone Pereira da Costa; CASTELEIRA, Rodrigo Pedro. Mudanças na percepção da velhice durante uma crise sanitária: da celebração da longevidade à ideia de doença . PerCursos, Florianópolis, v. 24, p. e0101, 2023. DOI: 10.5965/19847246242023e0101. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/22561. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê “A multidimensionalidade das velhices: perspectivas do envelhecimento nas agendas do século XXI”