“Metendo dança”: saberes estético-corpóreos nas músicas do rapper Rincon Sapiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/984724622502021116

Palavras-chave:

Rincon Sapiência, corporeidade negra, identidade negra

Resumo

O presente artigo tem como objetivo, realizar uma breve reflexão sobre as significações das músicas do rapper paulistano Rincon Sapiência. Sobretudo, o conteúdo das músicas presentes no seu mais recente trabalho Mundo Manicongo: Dramas, Danças e Afroreps. A proposta de análise a ser empreendia aqui, visa identificar a contribuição cultural e pedagógica que este disco possui, quando pensamos sobre o prisma da corporeidade negra e as ressignificações identitárias dos sujeitos pertencentes a este grupo. Desta forma, além de evidenciar o impacto das músicas de Rincon na construção de identidades negras contemporâneas, busca-se também, apontar as concepções históricas acerca das sociabilidades negras. Nas quais, muitas das manifestações culturais exercidas pela população negra, tiveram e ainda tem, como principal vetor de expressão o corpo negro somado a musicalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitor da Silva Costa

Mestre em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Professor no Projeto Educacional Alternativa Cidadã - PEAC.

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro: Pólen, 2019.

BORSA, Matheus Eduardo; PERUSSATTO, Melina Kleinert. Cantos de liberdade: Bluesman e as possibilidades de sentimentos de homens negros. Revista Periódicus, [S. l.], v. 1, n. 13, p. 175–191, 2020.

GADEA, Carlos Alfredo. Questões sobre o racismo e o reverso da africanidade. ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 32., 2008, Caxambu. Caderno de Resumos. Caxambu: ANPOCS, 2008. p. 2 -29.

GASPARETTO, Vera Fátima. A rua como lugar de luta política, arte e performance no Brasil. In: SITOE, Tirso; GUERRA, Paula (orgs.). Reinventar o discurso e o palco: o RAP, entre saberes locais e saberes globais. Porto: Universidade do Porto, Faculdade de Letras, 2019. p. 128-149.

GILROY, Paul. Living memory: an interview with Toni Morrison. Londres: Serpent’s Tail, 1993. p. 17-82.

GILROY, Paul. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

GUERRA, Paula; SITOE, Tirso. Ritmo, palavra e poesia. In: SITOE, Tirso; GUERRA, Paula (orgs.). Reinventar o discurso e o palco: o RAP, entre saberes locais e saberes globais. Porto: Universidade do Porto, Faculdade de Letras, 2019. p. 15-27.

HALL, Stuart. A Identidade em questão. In: HALL, Stuart. Identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. p. 7-99.

LICHUGE, Eduardo; MACEDO, Lurdes; LAISSE, Sara Joana. Eu sou um cidadão brada: o RAP como forma de artivismo em Moçambique? In: SITOE, Tirso; GUERRA, Paula (orgs.). Reinventar o discurso e o palco: o RAP, entre saberes locais e saberes globais. Porto: Universidade do Porto, Faculdade de Letras, 2019. p. 30-47.

MUNANGA, Kabengele. Nosso racismo é um crime perfeito. [Entrevista cedida a] Fundação Perseu Abramo [online]. [São Paulo] 08 set. 2010. Disponível em: https://fpabramo.org.br/2010/09/08/nosso-racismo-e-um-crime-perfeito-entrevista-com-kabengele-munanga/. Acesso em: 06 ago. 2021.

MUNANGA, Kabengele. Negritude usos e sentidos. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

MUAZE, Mariana de Aguiar Ferreira. Maternidade silenciada: amas de leite no Brasil escravista, século XIX. In: XAVIER, Regina Célia; OSÓRIO, Helen (org.). Do tráfico aos pós abolição: trabalho compulsório e livre e a luta por direitos sociais no Brasil. 1. ed. São Leopoldo: Oikos, 2018. p. 360-391.

RINCON SAPIÊNCIA: rap, falando: podcast, 15. [S.l.: s.n.], 05 ago. 2021. 1 vídeo (ca. 224 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=RJEkQEYrZlk&t=11310s. Acesso em: 06, ago. 2021.

SANSONE, Livio. Os objetos da identidade negra: consumo, mercantilização, globalização e a criação de culturas negras no Brasil. Mana - Estudos de Antropologia Social, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 87-119, 2000.

SANTOS, Boaventura Souza. Prefácio. In: SITOE, Tirso; GUERRA, Paula (orgs.). Reinventar o discurso e o palco: o RAP, entre saberes locais e saberes globais. Porto: Universidade do Porto, Faculdade de Letras, 2019. p. 13.

SAPIÊNCIA, Rincon. Mete dança (verso livre). [S.l.: s.n.], 2018. 1 vídeo (ca. 4 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=X5p7zyQgA0k. Acesso em: 08 ago. 2021.

SAPIÊNCIA, Rincon. Meu ritmo. [S.l.: s.n.], 2019. 1 vídeo. (ca. 3 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=zpuO2ff5Fqw. Acesso em: 08 ago. 2021.

SAPIÊNCIA, Rincon. Onda, sabor e cor (clipe). [S.l.: s.n.], 2019. 1 vídeo. (ca. 3 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=rlPBKn737tE. Acesso em: 08 ago. 2021.

SAPIÊNCIA, Rincon. Arrastão. [S.l.: s.n.], 2019. 1 vídeo. (ca. 3 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=lkx9q4lRO3A . Acesso em: 08 ago. 2021.

SAPIÊNCIA, Rincon. Primeiro Volante. [S.l.: s.n.], 2019. 1 vídeo. (ca. 3 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=umUVbfzKkms. Acesso em: 08 ago. 2021.

SILVA, Joyce Gonçalves da. Corporeidade e identidade, o corpo negro como espaço de significação. In: CONINTER 3, Salvador, n. 3, v. 17, p. 263-275, 2014.

SIMAS, Luiz Antonio. Historiador Luiz Antonio Simas: é preciso fazer o Brasil dar errado. [Entrevista cedida a] Uol [online]. [s.l.], 04 jul. 2021. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/colunas/chico-alves/2021/07/04/historiador-luiz-antonio-simas-e-preciso-fazer-o-brasil-dar-errado.htm. Acesso em: 10 ago. 2021.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 73-102.

TELLES, Lorena Féres da Silva. Teresa Benguela e Felipa Crioula estavam grávidas: maternidade e escravidão no Rio de Janeiro (século XIX). 2019. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

COSTA, V. da S. “Metendo dança”: saberes estético-corpóreos nas músicas do rapper Rincon Sapiência. PerCursos, Florianópolis, v. 22, n. 50, p. 116 - 144, 2021. DOI: 10.5965/984724622502021116. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/19625. Acesso em: 18 maio. 2022.