Urbanismo regenerativo e patrimônio: caminhos para uma abordagem da resiliência urbana sensível ao lugar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622492021124

Palavras-chave:

renovação urbana, urbanismo sustentável, áreas de especial interesse de preservação, paisagem cultural, revisão sistemática

Resumo

Compreendido como um processo de intervenção urbana direcionado à recomposição da biosfera, o urbanismo regenerativo é um dos temas mais proeminentes para o alcance da resiliência em meios urbanos na atualidade. A pesquisa que deu origem a este artigo teve por intuito avançar na conceituação e entendimento holístico do urbanismo regenerativo através da elaboração de uma revisão sistemática. Como resultado preliminar se observou que esse novo paradigma de intervenção se relaciona tanto com o alcance da sustentabilidade urbana, como também com a realização de uma leitura e consideração sensível da cidade preexistente. Tendo em vista esse cenário, este artigo busca fundamentos para a construção de um processo reflexivo na tomada de decisão em ações de renovação urbana com objetivos de resiliência aos impactos promovidos pelas mudanças climáticas. O que se entende por esse processo reflexivo é avançar na discussão sobre a exata medida do que é possível desenvolver, em termos de desempenho ecológico, em áreas preexistentes, nas quais a identidade do lugar deva ser respeitada. Para tanto, é realizada uma ampla revisão teórica de modo a tanto problematizar o urbanismo regenerativo em relação à preexistência e à paisagem, como também construir um caminho propositivo para os dilemas impressos nessa relação. Uma síntese de boas práticas e procedimentos é sistematizada a partir de uma revisão conceitual e de fundamentos advindos da literatura que trabalha o urbanismo regenerativo em relação à preexistência e ao respeito aos aspectos genuínos do lugar.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carina Folena Cardoso Paes, Universidadee Federal de Goiás - UFG

Doutora em Urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Professora da Universidadee Federal de Goiás - UFG.

Referências

BROTO et al., Vanessa Castán. Interdisciplinary perspectives on urban metabolism. Journal of Industrial Ecology, Yale: Yale University, v. 16, n. 6, p. 851-861, 2012.

CURTHBERT, Alexander. No more Michelangelo’s: no more art. Journal of Urban Design, London: Routledge, v. 21, n. 4, p. 429 -431, 2016.

DOWNTOW, Paul. F. Finding fractals: identifying elements of the ecocity. In: DOWNTOW, Paul. F. (org.). Ecopolis. Berlim: Springer Science, 2009a. p. 180-219.

DOWNTOW, Paul. F. Synthesis I: city ecology. In: DOWNTOW, Paul. F. (org.). Ecopolis. Berlim: Springer Science, 2009b. p. 355-413.

GERBER, David; LÓPEZ, Rodrigo Shiordia. Context-aware multi-agent systems: negotiating intensive fields. In: ASSOCIATION OF COMPUTER AIDED DESIGN OF ARCHITECTURE - ACADIA, 2014. Los Angeles (EUA). Anais […]. Los Angeles: ACADIA, 2014. p. 153-162.

GIRARDET, Herbert. Creating regenerative cities. Urban Futures 2050: Szenarien und Lösungen für das Jahrhundert der Städt, Berlin: Heinrich-Böll-Stiftung, v. 1, n. 1, p. 22-26, 2011.

HAYES, Andrew. M. Regionalism, urbanism and regeneration: creating vitality for American cities in the third millenium. Washington: Washington Alexandria Architecture Center: Virginia Tech University, 2015.

IBÁÑEZ, Cristian Suau. Circular design in everyday urbanism: towards regenerative and restorative dynamic spaces in city. Visions of Sustainability, London: OJS: PKP, v. 11, n. 1, p. 9-16, 2019.

ICOMOS. Conselho internacional de monumentos e sítios. El futuro de nuestros pasados. Baku: ICOMOS, 2019.

IPHAN. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Carta de Bagé ou carta da paisagem cultural. Bagé: IPHAN, 2007.

KORKA, Elena. Natural disasters and risks in world heritage monuments of Greece. lessons learnt. In: LEFÈVRE, Roger-Alexandre; SABBIONI, Cristina (orgs.). Cultural heritage facing climate change: experiences and ideas for resilience and adaptation. Bari: EDIPUGLIA, 2018. p. 75-79.

MEDEIROS, Claudione Fernandes; AFONSO, Sônia. Espaços livres públicos: utilização de infraestrutura verde para otimizar a drenagem urbana nos centros históricos tombados. Paisagem e Ambiente, São Paulo, v. 1, n. 39, p. 83-111, 2017.

NEWMAN et al., Peter. Resilient cities: overcoming fossil fuel dependence. Washington: Island Press, 2017.

NOBRE, Carlos Afonso et al. Vulnerabilidades das megacidades brasileiras às mudanças climáticas: região metropolitana de São Paulo. In: MOTTA, Ronaldo Seroa da et al. (orgs.). Mudança do clima no Brasil: aspectos econômicos, sociais e regulatórios. Brasília: Ipea, 2011. p. 233-260.

RAZALI, Suriyati. Evaluation of “method” as IT artifacts in soft design science research: development of community based e-museum framework towards sustainable cultural heritage information system. In: ROCHA, Álvaro et al. (orgs.). Trends and advances in information systems and technologies. Warsaw: Springer, 2018. p. 915-924.

RIBEIRO, Rafael Winter. Paisagem cultural e patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN, 2007.

RIBEIRO, Wagner Costa. Impactos das mudanças climáticas em cidades no Brasil. Parcerias Estratégicas, Brasília, v. 1, n. 27, p. 297-321, 2008.

SAETTONE, María Andrea. Las tesinas de Belgrano. Buenos Aires: Facultad de Arquitectura y Urbanismo, 2002.

SANT’ANNA, Márcia. Da cidade-monumento à cidade-documento: a trajetória da norma de preservação de áreas urbanas no Brasil (1937- 1990). 1995. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1995.

SOLDER et al., Anna Grichting. Designing productive landscapes in a emerging desert metropolis: food systems and urban interfaces in Doha. In: KATODRYTIS, George; SYED, Sharmeen (orgs.). Gulf cities as interfaces. Cambridge: Gulf Research Centre Cambridge, 2016. p. 107-130.

TEIXEIRA, Paula Maria Magalhães. A paisagem como elemento de sustentabilidade do vale do Ribeirão da Prata. 2007. Dissertação (Mestrado em Urbanismo) – Pontifícia Universidade Católica-Campinas, Campinas, 2007.

THOMSON, Giles. Transitioning to regenerative urbanism. 2016. Tese (Doutorado em Políticas de Sustentabilidade) – Curtin University Sustainability Policy Institute, Curtin, 2016.

THOMSON, Giles; NEWMAN, Peter. Geoengineering in the anthropocene through regenerative urbanism. Geosciences, Basel: MDPI, v. 6, n. 46, p. 1-16, 2016.

VERGARA, Paola Avendaño. Urbanismo regenerativo como memória de la identidade: reactivación del centro histórico de Veracruz. 2019. Trabalho Final (Graduação em Arquitetura) – Universidad de las Américas Puebla, San Andrés Cholula, Puebla, 2019.

VIANA, David Leite. Cidade africana: urbanismo [in]formal: uma abordagem integrada e sistémica. In: CONGRESSO

IBÉRICO DE ESTUDOS AFRICANOS, 7., 2010. Lisboa. Anais [...]. Lisboa: Centro de Estudos Africanos (CEA) do ISCTE: Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, 2010. p.1-17.

Downloads

Publicado

2021-09-10

Como Citar

PAES, C. F. C. Urbanismo regenerativo e patrimônio: caminhos para uma abordagem da resiliência urbana sensível ao lugar. PerCursos, Florianópolis, v. 22, n. 49, p. 124 - 151, 2021. DOI: 10.5965/1984724622492021124. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/19533. Acesso em: 30 nov. 2021.