Arte e psicanálise: Uma nova abordagem sobre a subjetividade na cultura contemporânea

Autores

  • Ana Carolina Nunes Silva Universidade Federal de Ouro Preto image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234607132015045

Palavras-chave:

arte contemporânea , psicanálise , subjetividade , crítica

Resumo

Neste presente trabalho, veremos por meio das análises do filósofo esloveno Slavoj Žižek e do historiador da arte Hal Foster, a importância de pensar a imbricação entre subjetividade e cultura através da psicanálise, já que o sujeito desta instância do saber se constitui a partir de sua exterioridade (Outro). Em sua potência crítica, a psicanálise pode acompanhar e acentuar a crise que conforma sujeito e cultura, de modo a assumir um papel na contínua transformação de ambos. O diálogo entre arte e psicanálise pode tornar inteligível “nosso tempo” para fazer ressoar o inatual, isto é, para tornar artificial aquilo que foge à compreensão imediata, convidando-nos a uma reflexão mais ampla. A arte contemporânea agencia intervenções críticas na cultura, convidando a experiências de subversão — e de reflexões sobre o sujeito e o mundo, entrecruzando-se com a psicanálise e a filosofia, entre outros campos do saber. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Nunes Silva, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestre em Estética e Filosofia da Arte (2015) pelo Programa de Pós-Graduação em Estética e Filosofia da Arte do Instituto de Filosofia, Artes e Cultura- IFAC/UFOP. Bacharel em Filosofia pela Universidade Federal de Ouro Preto (2007-2011). Foi bolsista em projeto de iniciação científica (PIBIC/CNPq) com ênfase em Estética e Filosofia da Arte. Tem experiência com ensino de filosofia em curso de graduação e no ensino de filosofia para crianças.

Referências

ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

BADIOU, A. O Século. Tradução Carlos Felício Silveira. São Paulo: Ideias & Letras, 2007.

BENJAMIN, W. Obras Escolhidas II: Rua de mão única. Tradução Rubens Rodrigues Tor- res Filho e José Carlos Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1995.

BEYST, S. FRIEDRICHSHOF: from the happening to the commune, and further still… about the transition from art to life. Disponível em: dsites.net/english/muhl.htm.

BÜRGER, P. Teoria da Vanguarda. Tradução José Pedro Antunes. Rio de Janeiro: Cosac Naify, 2008.

FOSTER, H. O retorno do real: A vanguarda no final do século XX. Trad. Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

___________. Pós-Crítica. Disponível em: http://www.ppgav.eba.ufrj.br/wp-content/ uploads/2013/12/ae25_hal.pdf.

SIGMUND, F. “Divisão do ego no processo de defesa”. In:Edição Standard das Obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XXIII. Rio de Janeiro: Imago, 1987c.

LACAN, J. Escritos. Tradução Vera Lucia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

RIVERA, T. O avesso do imaginário. Rio de Janeiro: Cosac Naify, 2013. SAFATLE, V. Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo, 2008.

ŽIŽEK, S. Lacrimae Rerum. Tradução Isa Tavares e Ricardo Gozzi. São Paulo: Boitempo, 2009.

________. Bem-vindo ao Deserto do Real. Tradução Paulo César Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2005.

Downloads

Publicado

2015-08-06

Como Citar

NUNES SILVA, Ana Carolina. Arte e psicanálise: Uma nova abordagem sobre a subjetividade na cultura contemporânea. Palíndromo, Florianópolis, v. 7, n. 13, p. 045–062, 2015. DOI: 10.5965/2175234607132015045. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/6005. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta