De tropicamp a tropicuir: escritas das histórias da arte sexo e gênero dissidentes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234614342022058

Palavras-chave:

Hélio Oiticica, gênero e sexualidade, teoria queer, arte, história

Resumo

O presente artigo busca refletir sobre modos de escrita de histórias sexo e gênero dissidentes a partir de práticas artísticas, através da promoção de dialógos com diversos manuscritos do artista Hélio Oticica e um exercício experimental acerca do termo tropicuir, por mim cunhado durante o mestrado e doutorado, inspirado no manuscrito Tropicamp de Oiticica, a partir dos quais o presente texto deriva. A partir de reflexões teóricas queer e cuir - em diálogo com autores como Oiticica, Foucault, Preciado, Guattari, Rolnik, Hija de Perra e Gómez-Peña, defendo a hipótese de que produções estéticas insurgentes de pessoas gênero e sexo dissidentes atuam como máquinas geradoras de novas subjetivações contranormativas, ou seja, configuram ações micropolíticas (Rolnik, 2000), contrassexualidades (Preciado, 2002) que através de devires bicha, sapatão, travesti, puta vêm se conformando, ao longo de muitas décadas de luta estético-política, em memórias coletivas de existências historicamente invisibilizadas com, e pelas artes, no movediço e violento território brasileiro.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Altmayer, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor Adjunto do Departamento de Integração Cultural da Escola Superior de Desenho Industrial da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

ALTMAYER, Guilherme. Tropicuir. (Re)existências políticas nas ações performáticas de corpos transviados no Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado, Departamento de Artes e Design, PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/27275/27275.PDF. Acesso em 10 jul. 2022.

BENTO Berenice. É o queer tem pra hoje? Revista Áskesis, v. 4, no 1, p. 143-155, jan-jun 2015. Disponível em https://www.revistaaskesis.ufscar.br/index.php/askesis/article/view/61. Acesso em 05 jul. 2022.

CRUZ Max Jorge Hinderer, Tropicamp: Some notes on Hélio Oiticica’s 1971 text, Afterall, no 28, 2011. Disponível em https://www.afterall.org/article/tropicamp-pre-and-post-tropic-lia-at-once-some-contextual-notes-onh-lio-oiticica-s-1971-te. Acesso em 03 mar. 2022.

FOUCAULT Michel, História da Sexualidade I: a vontade de saber, Rio de Janeiro: Edições Graal, 1998.

GÓMEZ-PEÑA Guillermo. Ethno-techno. Writings on performance, activism and pedagogy, New York: Routledge, 2005.

GUATTARI, Félix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo, São Paulo: Brasiliense, 1981.

HALBERSTAM Jack. What’s that Smell?: Queer Temporalities and Subcultural Lives, International Journal of Cultural Studies, v. 6, no 3, 2003, p. 313–333. Disponível em https://doi.org/10.1177/13678779030063005. Acesso em 10 mar. 2022.

HOCQUENGHEM Guy. Homosexual desire, Durham: Duke University Press, 2006.

OITICICA Hélio. Brasil diarreia, Manuscrito, fev 1970. Disponível em <http://www.itaucultural.org.br/programaho/>. Acesso em 20 mar. 2022.

OITICICA Hélio. Mario Montez: Tropicamp, manuscrito, out 1971. Disponível em http://www.itaucultural.org.br/programaho/. Acesso em 15 mar. 2022.

PERRA, Hija de. Interpretações imundas de como a Teoria Queer coloniza nosso contexto sudaca, pobre de aspirações e terceiro-mundista, perturbando com novas construções de gênero aos humanos encantados com a heteronorma. Salvador: Revista Periódicus, 2ª edição, novembro 2014 - abril 2015. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/12896. Acesso em 07 ju. 2022.

PRECIADO Paul B. Terror anal: apuntes sobre los primeiros días de la revolución sexual, in Guy Hocquenghem, El deseo homosexual, Madrid: Melusina, 2009, p. 135-172.

PRECIADO Paul B. Manifesto contra-sexual, Madrid: Editorial Opera Prima, 2002.

ROLNIK Suely Esquizoanálise e antropofagia, in Gilles Deleuze: Uma vida filosófica, São Paulo: Editora 34, 2000, p. 451-462. Disponível em https://www.pucsp.br/nucleodesubjetividade/Textos/SUELY/Antropesquizoan.pdf. Acesso em 20 mar. 2022.

ROLNIK Suely. Furor de arquivo, Revista Artes & Ensaios, Rio de Janeiro, no 19, 2009. Disponível em http://www.ppgav.eba.ufrj.br/wp-content/uploads/2012/01/ae22_Suely_Rolnik.pdf. Acesso em 13 mar. 2022.

SANTIAGO Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural, Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

Downloads

Publicado

2022-09-01

Como Citar

ALTMAYER, G. De tropicamp a tropicuir: escritas das histórias da arte sexo e gênero dissidentes. Palíndromo, Florianópolis, v. 14, n. 34, p. 58-77, 2022. DOI: 10.5965/2175234614342022058. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/22055. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Seção temática