O Jardim de Três Deusas: a representação como experiência de si em Nicola Constantino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234614332022400

Palavras-chave:

Representação, Discurso, Visualidade, Nicola Constantino

Resumo

O artigo apresenta uma reflexão sobre a obra O verdadeiro jardim nunca é verde (2016), de Nicola Costantino, uma releitura de O jardim das delícias (1490-1500), de Bosch. A obra desdobra-se em três atos, sob o signo de três figuras mitológicas femininas: Tétis, Afrodite/Vênus e Ártemis/Diana. Será argumentado que, nessa obra, a representação oferece uma possibilidade de indagar sobre a realidade e apresenta-se como um gesto de interpretação ativo, que reformula o modo de aparição das coisas. Tal gesto permite a Costantino praticar conjecturas de si e, ao enfatizar a dimensão produtiva da representação, construir uma experiência pessoal transformadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela Lins Travassos Sarinho, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Bolsista FAPERJ Nota 10 e Doutoranda em Design na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Membro e pesquisadora do Laboratório Interdisciplinar em Natureza, Design e Arte (LINDA–PUC-Rio).

Cadu, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Artista plástico e professor do Departamento de Artes e Design da PUC-Rio, onde coordena o LINDA - Laboratório Interdisciplinar em Natureza, Design e Arte. Vínculo institucional:
PUC-Rio. Rua Marquês de São Vicente, 225, Gávea – Rio de Janeiro, RJ. Em Lattes iD: http://lattes.cnpq.br/0757744155897986 Rio de Janeiro, RJ.

Referências

ANTUNES, Pedro Barbieri. Hinos Órficos: edição, estudo geral e comentários filológicos. Trabalho de dissertação do Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas da Universidade de São Paulo. São Paulo: 2018.

BECCARI, Marcos. Sobre-posições: ensaios sobre a insinuação pictórica. Rio de Janeiro: Áspide, 2019.

BERGER, John. Modos de ver. São Paulo: Rocco, 1999.

BOLEN, Jean Shinoda. As deusas e a mulher: nova psicologia das mulheres. São Paulo: Paulus, 1990.

BOSING, Walter. Hieronymus Bosch cerca de 1450 a 1516: entre o céu e o inferno. Köln: Taschen, 1991.

CAMPOS, Daniela Queiroz; FLORES, Maria Bernadete Ramos. Vênus Desnuda: a nudez entre o pudor e o horror. Revista Brasileira de Estudos da Presença, v. 8, n. 2. Porto Alegre. Abril/Junho, 2018.

CLARK, Kenneth. O Nu: um estudo sobre o ideal em arte. Lisboa: Editora Ulisseia, 1956.

COSTANTINO, Nicola. In: PAZ, Dolores Pruneda. Costantino: “En el futuro no se va a comer carne y tampoco va a haber sexo”. Buenos Aires, 2016. Disponível em: <https://www.telam.com.ar/notas/201611/169498-nicola-costantino-muestra-el-verdadero-jardin-nunca-es-verde-el-jardin-de-las-delicias-el-bosco.html> Acesso em: Maio de 2021.

COSTANTINO, Nicola. In: DI VITO, Sol. ¿Cómo es Real Absoluto, la espectacular muestra de Nicola Costantino en el museo MAR de Mal del Plata? Buenos Aires, 2019. Disponível em: Acesso em: Maio de 2021.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Ed. 34,1998.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Venus rajada: desnudez, sueño, crueldad. Editorial Losada, 2005.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Imagens, apesar de tudo. Lisboa: Editora KKYM, 2012.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2020.

HOMERO. A Ilíada. São Paulo: Penguin Books, 2013.

LAVAL, Christian. Foucault e a experiência utópica. In: Foucault, Michel. O enigma da revolta. Rio de Janeiro: N-1 Edições, 2018.

MACEDO, Lurdes. Sobre o “Jardim das delícias” como modelo de análise dos processos intercultural. Revista Comunicação e Sociedade, v. 32, pp. 225-238, 2017.

MARCELINO, Luciana. Detalhe em movimento ou a sobrevivência da ninfa. Gambiarra, n.7, pp. 87-101, dezembro de 2015.

ORFEU. A Afrodite. In: ANTUNES, Pedro Barbieri. Hinos Órficos: edição, estudo geral e comentários filológicos. Trabalho de dissertação do Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas da Universidade de São Paulo. São Paulo: 2018.

RAGUSA, Giuliana. Da castração à formação: a gênese de Afrodite na Teogonia. Letras Clássicas, n. 5, pp. 109-130, 2001.

RIEU, E. V. Introdução à edição de 1950. In: HOMERO. A Ilíada. São Paulo: Penguin Books, 2013.

WARBURG, Aby. Histórias de fantasmas para gente grande: escritos, esboços e conferências. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

Downloads

Publicado

2022-05-01

Como Citar

SARINHO, R. L. T.; COSTA, C. E. F. da . O Jardim de Três Deusas: a representação como experiência de si em Nicola Constantino. Palíndromo, Florianópolis, v. 14, n. 33, p. 400 - 420, 2022. DOI: 10.5965/2175234614332022400. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/20547. Acesso em: 21 maio. 2022.