A poética pública de Hélio Oiticica: 19 obras inespecíficas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234613312021043

Palavras-chave:

Hélio Oiticica, Poética Pública, Inscrição Textual

Resumo

São inúmeros os textos que o artista brasileiro Hélio Oiticica escreveu durante a sua vida. De conceitos à ensaios teóricos, de cartas à projetos, de inscrições a poemas, o artista usou a palavra e o gesto da escrita para organizar e apresentar seu trabalho ao mundo. Visa-se neste artigo discorrer sobre a poética pública de Oiticica concebida no Rio de Janeiro entre 1965 e 1968, cuja composição se dá por 19 textos inscritos em Parangolés, Bólides e bandeira. Em conseguinte, é feita a análise de dois Parangolés com inscrições, o Parangolé P11 Capa 7 (1966), com “Estamos Famintos”, e o Parangolé P18 Capa 16 (1968), com “Sexo e violência: eis o que me agrada”. Pretende-se, assim, a partir dos aspectos visual e textual das obras, evidenciar a noção de “frutos estranho”, de Florencia Garramuño, que designa objetos artísticos de difícil classificação, híbridos.

Biografia do Autor

Annelise Estrella Galeazzi, Universidade Estadual de Campinas – Unicamp

Doutoranda em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas. Mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Lattes: http://lattes.cnpq.br/3172468977328126.

Referências

AGUILAR, G. Hélio Oiticica, a asa branca do êxtase: arte brasileira de 1964-1980. Rio de Janeiro: Anfiteatro, 2016.

AGUILAR, G.; CÁMARA, M. A máquina performática: a literatura no campo experimental. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

BACHMANN, P. M. A poesia como subtexto: a inscrição corporal da poética secreta de Hélio Oiticica. Remate de Males, Campinas, SP, v. 39, n. 1, p. 171–190, 2019. DOI: 10.20396/remate.v39i1.8653999. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8653999. Acesso em: 25 ago. 2021.

BRAGA, P. A trama da terra que treme: multiplicidade em Hélio Oiticica. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, 2007.

BRAGA, P. Hélio Oiticica: singularidade, multiplicidade. São Paulo: Perspectiva/Fapesp, 2013.

CÁMARA, M. Corpos Pagãos: usos e figurações na cultura brasileira (1960-1980). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

COELHO, F. Hélio Oiticica – um escritor em seu labirinto. Sibila: Revista de Poesia e Crítica Literária [on-line], ano 16, 2009.

COELHO, F. Eu, brasileiro, confesso minha culpa meu pecado – Cultura marginal no Brasil dos anos 60 e 70. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010a.

COELHO, F. Livro ou Livro-me. Os escritos babilônicos de Hélio Oiticica (1971-1978). Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010b.

FERREIRA, G.; COTRIM, C. Escritos de artistas - anos 60/70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

GARRAMUÑO, F. A experiência opaca: literatura e desencanto. Rio de Janeiro: EdUerj, 2012.

GARRAMUÑO, F. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

GARRAMUÑO, F. Formas da impertinência. In: Expansões contemporâneas: literatura e outras formas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014b. p. 91-108.

OITICICA, H. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

OITICICA, H. O museu é o mundo. In: FILHO, C. O. (org.). Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2011.

OITICICA, H. Posição e Programa. 01/07/1966, PHO 0253/66.

OITICICA, H. Parangolé Poético e Parangolé Social. 14/08/1966, PHO 0254/66.

OITICICA, H. Parangolé Poético e Parangolé Social. 21/08/1966, PHO 0256/66.

OITICICA FILHO, C. VIEIRA, I. (orgs.). Encontros. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2009.

ROCHA, G. Uma Estética da Fome. In: Revista Civilização Brasileira, n.3, julho, 1965.

SISCAR, M. Poesia e crise: ensaios sobre a “crise da poesia” como topos da modernidade. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

VASCONCELOS, F. de A. Josué de Castro e a Geografia da Fome no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(11): p.2710-2717, nov., 2008.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

GALEAZZI, A. E. A poética pública de Hélio Oiticica: 19 obras inespecíficas. Palíndromo, Florianópolis, v. 13, n. 31, p. 43-57, 2021. DOI: 10.5965/2175234613312021043. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/20257. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos Seção temática