Imagens de um asterisco: modos de usar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234613302021202

Palavras-chave:

autorretrato crítico, discursividade, figura do artista, pesquisa-ação, protocolo estético

Resumo

Este texto trata das experiências que fundam o olhar, a postura e os gestos de duas artistas-pesquisadoras que tomam por referência poética em comum o livro Água Viva, de Clarice Lispector. Com a tentativa de refletir sobre certas provocações dessa edição em relação ao autorretrato crítico do artista, objetiva-se estabelecer um diálogo entre as diferentes investigações sobre a figura do artista na atualidade, o que inclui referências, práticas e discursos artístico-teóricos plurais. A intenção, aqui, é dar fluxo aos pensamentos que afluem ora por vias acadêmico-intelectuais, ora por vivências e empirismos, fazendo-se existir não apenas pelas linhas venosas da região do real, mas, tanto quanto ou mais, pelos meandros do imaginário e da imaginação. Articulam-se, pelo mútuo exercício do pensamento, passagens de autores como Bauman, Mondzain, Nancy, Blanchot e Arendt, além de menções a Saramago, García Márquez, Mia Couto e à própria Lispector, cuja companhia nos motiva a essa escrita em dupla. Afinal, é nos domínios da reflexão e da inclusão que trabalhamos o compartir das diferenças na profundidade das entrelinhas.

Biografia do Autor

Rachel Falcão Costa, UFMG e FAOP

Artista plástica. Artista-pesquisadora. Arte-educadora. Doutoranda em Artes pela EBA-UFMG, na Linha de Pesquisa "Artes Plásticas, Visuais e Interartes". Mestre em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável pela Escola de Arquitetura da UFMG, bolsa FAPEMIG (2009-2011), com a dissertação "Interações e Intervenções: a participação do artista contemporâneo em processos de reconfiguração sociais e espaciais". Especialização em Artes, Cultura Visual e Comunicação e Graduação em Educação Artística nas Habilitações Artes Plásticas (Licenciatura) e Desenho (Bacharelado em Desenho Arquitetônico), pela UFJF. Professora e Coordenadora do Núcleo de Arte e Ofícios da Fundação de Arte de Ouro Preto (FAOP). Áreas de interesse e atuação: desenho, objetos, instalações, práticas artísticas colaborativas, práticas artísticas políticas, epistemologia estética. 

Lattes: http://lattes.cnpq.br/7289914471536064

Bárbara Mol, Independente

Vive e trabalha em Ouro Preto. Doutora em Artes (Bolsista CAPES/PROEX 2018/2019), na linha de pesquisa: Artes Plásticas, visuais e interartes (2020), pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Doutorado-sanduíche pela Université Sorbonne Nouvelle Paris 3 (2018/out-2019/fev), no LIRA - Laboratoire International de Recherches en Arts, com Philippe Dubois. Mestre em Artes, na área de Arte e Tecnologia da Imagem, pela UFMG (2014), com bolsa CAPES em 2014. Bacharela em Desenho (UFMG -2010). Atua como educadora, escritora, artista visual e pesquisadora independente.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/6411527597757239

Referências

ARENDT, Hannah. A vida do espírito: o pensar; o querer, o julgar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

BASBAUM, Ricardo. Amo os artistas-etc. In: MOURA, Rodrigo. Políticas Institucionais, Práticas Curatoriais. Belo Horizonte: Museu da Pampulha, 2004. p. 21-23.

BAUMAN, Zygmunt. O Mal-Estar da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

BLANCHOT, Maurice. O Espaço Literário. Tradução: Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

COUTO, Mia. O último voo do flamingo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Tradução: Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 2013.

DIAS, Rosa. Nietzsche, vida como obra de arte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

EX-ISTO. Produção de Cao Guimarães. Minas Gerais, 2010. (86 min), son., color.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

LADDAGA, Reinaldo. Estética da emergência: a formação de outra cultura das artes. Tradução: Magda Lopes. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

LA FEMIS. Qu’est-ce que l’acte de creation par Gilles Deleuze. [Paris]: Mardis de la Fondation, 1987. 1 vídeo (51:25 min). Disponível em: https://machinedeleuze.wordpress.com/2017/04/10/ato-de-criacao-2/. Acesso em: 15 jan. 2021.

LAPOUJADE, David. As existências mínimas. São Paulo: N-1 edições, 2017.

LISPECTOR, Clarice. Água viva. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1980.

MAC USP. Gê Orthof. [São Paulo]: O MAC Encontra os Artistas, 2013. 1 vídeo (117min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=wmkXLEo6bNE. Acesso em: 15 jan. 2021.

MÁRQUEZ, Gabriel García. Cem anos de Solidão. Tradução: Eliane Zagury. Rio de Janeiro: Record, 1967.

MONDZAIN, Marie-José. Sideração. Rio de Janeiro: Zazie Edições, 2016. Disponível em: http://www.zazie.com.br/pequena-biblioteca-de-ensaios. Acesso em: 12 jan. 2021.

MONDZAIN, Marie-José. A imagem pode matar? Lisboa: Nova Vega, 2. ed., 2017.

NANCY, Jean-Luc. L’expérience de la liberté. Paris: Éditions Galilée, 1988.

NANCY, Jean-Luc. O Vestígio da Arte (1994). In: HUCHET, Stéphane (Org.). Fragmentos de uma Teoria da Arte. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

NANCY, Jean-Luc. À escuta. Belo Horizonte: Edições Chão de Feira, 2014.

NANCY, Jean-Luc. A Comunidade Inoperada. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016.

RANCIÈRE, Jacques. O inconsciente estético. São Paulo: Editora 34, 2009.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1 edições, 2018.

SZYMBORSKA, Wisława. Poemas. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SARAMAGO, José. O Conto da Ilha Desconhecida. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SZTUTMAN, Renato (Org.). Eduardo Viveiros de Castro. (Encontros). Rio de Janeiro: Azougue, 2008.

Downloads

Publicado

2021-05-01

Como Citar

Costa, R. F., & Mól Gonçalves, B. (2021). Imagens de um asterisco: modos de usar. Palíndromo, 13(30), 202-216. https://doi.org/10.5965/2175234613302021202