Experimentação e ressignificação de elementos composicionais do Clube da Esquina no processo de criação de dois arranjos vocais.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530405032020249

Resumo

Este artigo apresenta os resultados das experimentações realizadas no processo de criação de dois arranjos vocais que tiveram como principais alimentadores os elementos composicionais levantados durante o processo de análise estilística dos álbuns fonográficos do grupo de músicos conhecidos pelo termo Clube da Esquina. Assim, visa expor as possibilidades artísticas que podem emergir a partir da exploração da ideia de que a análise
estilística também pode se inserir como recurso relevante dentro da dinâmica de apreensão e experimentação dos parâmetros de estruturação musical inerentes ao processo de criação de arranjos para grupos vocais. O primeiro arranjo foi o da canção Milagre dos Peixes, de Milton Nascimento e Fernando Brant, e o segundo da canção Chovendo na Roseira, de Tom Jobim. Por fim, é apresentada uma breve discussão de cunho teórico-reflexivo acerca das possibilidades que tal abordagem pôde oferecer nesta pesquisa e perspectivas sobre processos criativos no âmbito do arranjo vocal de repertório da música popular urbana.

Biografia do Autor

Carlos Roberto Ferreira Menezes Junior, Universidade Federal de Uberlandia

É professor efetivo do curso de graduação em música da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) atuando na área de música popular (harmonia, arranjo e história), e na área de música e novas tecnologias. Doutor em música pela ECA/USP na área de processos de criação musical. Mestre na área de inteligência artificial / computação sônica pela UFU (conclusão em julho de 2007). Pós-graduado (lato senso) no curso de especialização em música do século XX com área de concentração em computação sônica em 2001 pela UFU. possui graduação em Música - Bacharelado em Violão pela UFU (2002), graduação em Educação Artística / Licenciatura Plena em música pela UFU (2003) e graduação em Engenharia Mecânica pela UFU (1997). Tem experiência como professor, compositor, arranjador, violonista, cantor e regente de coral. Atuando principalmente nos seguintes temas: musica popular, arranjo vocal, violão, canto, composição, produção musical, arranjo, computação musical, música eletroacústica. Membro do Núcleo de Música e Tecnologia (NUMUT) da UFU. Fundador e integrante do quarteto vocal VagaMundo como cantor, violonista e arranjador.

Marco Antonio da Silva Ramos, Universidade de São Paulo

Professor Titular em Regência Coral no Depto. de Música da ECA-USP. Possui graduação em Música (Composição) pela Universidade de São Paulo (1979); mestrado em Artes pela Escola de Comunicações e Artes (1989) com a dissertação "Canto Coral: do repertório temático à construção do programa"; doutorado em Artes pela ECA-USP (1996) com a tese "Missa Guaimi: Três discursos sobre composição musical"; Livre-docência junto à ECA-USP com a tese "O ensino da regência coral" (2003) , Prof. Titular em Regência Coral (2011). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Regência Coral, atuando principalmente nos seguintes temas: regência coral, canto, análise musical para performance, composição, música brasileira e o Uso musical do silêncio. Na pós-graduação seu foco é a análise para performance e o uso musical do silêncio, orientando também em ensino do canto e da regência coral e musicologia (repertório coral brasileiro). Tem atuado como professor convidado em cursos e workshops no Brasil e exterior (Hungria, EUA, Portugal, Espanha, Colômbia, Argentina). Como regente coral apresentou-se em diversos Estados brasileiros e também internacionalmente (Argentina, Colômbia, Hungria, Portugal, Espanha, Áustria, EUA). Fundou e dirigiu os coros: Coral do Museu Lasar Segall, Studio Coral-vozes femininas, Madrigal do Depto de Música da ECA-USP. Trabalhou com coros escolares: do Jardim São Luís, do Colégio Rainha da Paz e do Colégio Nossa Senhora das Graças. Atualmente é regente titular do Coral da ECA-USP e coordena o Comunicantus: Laboratório Coral do Departamento de Música da ECA/USP, que agrega 6 diferentes corais-laboratório. Atualmente é Diretor do CORALUSP. Coral da Universidade de São Paulo.

Referências

ACERVO DIGITAL CHIQUINHA GONZAGA. Disponível em: <http://www.chiquinhagonzaga.com/acervo/>. Acesso em: 01 set 2015.

ALMADA, C. Arranjo. Campinas: Editora da UNICAMP, 2000.

BAIA, S F. A historiografia da música popular no Brasil (1971 - 1999). 2010. 279 f. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

CHEDIAK, Almir. Harmonia e Improvisação. Rio de Janeiro: Editora Lumiar, 1986.

DINIZ, E. Lua Branca. In: ACERVO DIGITAL CHIQUINHA GONZAGA. s.d. Disponível em: <http://www.chiquinhagonzaga.com/acervo/?musica=lua-branca>. Acesso em: 01 set. 2015.

DINIZ, S. C. “Nuvem Cigana”: a trajetória do Clube da Esquina no campo da MPB. 2012. 231f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

GUEST, I. Arranjo: método prático. Rio de Janeiro: Lumiar, 1996. v. 1, 2 e 3.

INSTITUTO ANTÔNIO CARLOS JOBIM. Disponível em: <http://www.jobim.org>. Acesso em: 01 mar. 2016.

MOLINA, S. A composição de música popular cantada: a construção de sonoridades e a montagem dos álbuns no pós-década de 1960. 2014. 152 f. Tese (Doutorado em Música) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

NASCIMENTO, H. G. Recriatura de Cyro Pereira: arranjo e interpoética na música popular. 2011. 239 f. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

PERSICHETTI, Vincent. Harmonia no século XX: Aspectos criativos e prática. Tradução de Dorotea Kerr. São Paulo: Via Lettera, 2012.

RAMOS, M. A. da S. O ensino da Regência Coral. 2003. 107 f. Tese (Livre Docência) –Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

TAGG, Philip. Everyday Tonality II - towards a tonal theory of what most people hear. New York & Huddersfield: The Mass Media Scholar´s Press, 2014.

WILLIAMS, R. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

______. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

Downloads

Publicado

2020-12-16

Como Citar

Menezes Junior, C. R. F., & Ramos, M. A. da S. (2020). Experimentação e ressignificação de elementos composicionais do Clube da Esquina no processo de criação de dois arranjos vocais. Orfeu, 5(3). https://doi.org/10.5965/2525530405032020249