O Grotesco acontece por catástrofe? Da experiência pessoal com Ternurinha ao Cabeção, de Maria Eugênia Tita

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034701262022136

Palavras-chave:

Grotesco, Riso, Risível, Maria Eugênia Tita, Cabeção

Resumo

Este artigo inicia apresentando um percurso de investigação acerca do grotesco, enfatizado na relação entre a atriz e sua personagem bufonesca Ternurinha. A perspectiva adotada para abordar o tema do grotesco é elaborada a partir do diálogo com a linguista estadunidense Mary Russo, com os professores e pesquisadores da área de comunicação da UFRJ Muniz Sodré e Raquel Paiva, e com o psicanalista suíço Carl Jung. Com base nesse diálogo, é indagado se o grotesco é necessariamente risível, e sobre ele, discute-se a pergunta da pesquisadora, professora e palhaça Ana Fuchs: “Do que estamos rindo?”. A última parte do artigo é dedicada ao Cabeção, personagem criado pela bailarina, pesquisadora e brincante Maria Eugênia Tita, trazido para exemplificar e auxiliar a refletir sobre os estados grotescos que podem ser percebidos a partir dele.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stefanie Liz Polidoro, UDESC

Stefanie é Professora/Pesquisadora Visitante no programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas/UFMA (Bolsa FAPEMA). Pós-doutoranda em Teatro no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas/UDESC. Doutora em Teatro pela UDESC, com investigação acerca do grotesco, da bufonaria e das possibilidades de simbolização de si a partir das criações performativas.  Mestra em Teatro pela UDESC, Graduada em Teatro pela UFRGS, com ênfase em Interpretação Teatral. Atualmente desenvolve "teatropalestras" com sua personagem bufonesca Ternurinha, discutindo temas como feminismos, democracia, necropolítica e capitalismo.

Referências

CABRAL, Muniz Sodré A.; SOARES, Raquel Paiva de A. O Império do Grotesco. RJ, Mauad, 2002;

FUCHS, Ana Carolina Müller. O Sorriso da Palhaça: pedagogias do riso e do risível / Ana Carolina Müller Fuchs. -- 2020. 295 f. Tese (doutorado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, BR-RS, 2020.

JUNG, Carlos.G. A vida simbólica. Petrópolis: Vozes, 1998, volume XVIII;

LOTTA, Gabriela; OLIVEIRA, Vanessa Elias de; PIRES, Roberto. Burocracia e políticas públicas no Brasil : interseções analíticas. – Brasília : Ipea : Enap, 2018.

PERES, Olivia; RICOLDI, Arlene. A quarta onda do feminismo? Reflexões sobre movimentos feministas contemporâneos. In.: ANPOCS. Portal das Ciências Sociais Brasileiras. 42 Encontro Anual da ANPOCS. Disponível em http://www.anpocs.com/index.php/encontros/papers/42-encontro-anual-da-anpocs/gt-31/gt08-27/11177-a-quarta-onda-do-feminismo-reflexoes-sobre-movimentos-feministas-contemporaneos?path=42-encontro-anual-da-anpocs/gt-31/gt08-27. Acessado em 10 de julho de 2022.

POLIDORO, Stefanie Liz. Eu-Ternurinha: o processo criativo e curativo da atriz-personagem a partir de seus excessos e vivências nas ruas, e o ativismo político e feminista que compõem suas teatropalestras. Tese (doutorado)- Universidade do Estado de Santa Catarina. Centro de Artes, Programa de Pós-Graduação em Teatro. Florianópolis, 2020.

RUSSO, Mary. O grotesco feminino: risco, excesso e modernidade. Trad. Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

TITA, Maria Eugênia. Palestra Olhares aos brincantes: possibilidades cênicas e pedagógicas a partir do universo tradicional brasileiro. Proferida no dia 24 de junho de 2022, via google meet.

Downloads

Publicado

2022-09-03

Como Citar

POLIDORO, S. L. O Grotesco acontece por catástrofe? Da experiência pessoal com Ternurinha ao Cabeção, de Maria Eugênia Tita. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Florianópolis, v. 1, n. 26, p. 136-154, 2022. DOI: 10.5965/2595034701262022136. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/moin/article/view/22425. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: O Riso e o grotesco no teatro de animação