Ensino de filosofia e colonialidade: debates sobre a formação na educação superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723820442019326

Resumo

O objetivo deste artigo é debater a colonialidade do saber presente nos projetos pedagógicos e desenhos curriculares dos cursos de filosofia de duas universidades públicas situadas na Amazônia brasileira. Inicialmente, apresentam-se a metodologia, o referencial teórico e, por fim, tendo como foco discutir as bases conceituais, as concepções e as geopolíticas do conhecimento que estão incorporadas nos projetos pedagógicos, nas ementas de algumas disciplinas e nas falas dos (as) estudantes dos cursos de filosofia. Pergunta-se, como a colonialidade do saber está circulando nos documentos basilares do curso? Como ela se manifesta nas relações concretas em sala de aula? Como se expressa nas falas dos estudantes? Na primeira parte, apresenta-se, de forma mais descritiva, os objetivos, os perfis de egressos a serem formados, as concepções de filosofia imbricadas, as referências teóricas e legais presentes nos projetos pedagógicos. Conclui-se que os projetos pedagógicos, a disposição curricular e os ementários estão mergulhados na colonialidade do saber. As “vozes” que destoam do discurso moderno/colonial estão sendo colonizadas, como por exemplo, nas disciplinas que tendem a maior abertura epistemológica como Filosofia da Cultura e Filosofia Política, as quais ainda estão amarradas ao paradigma eurocêntrico, pois, a narrativa histórica, filosófica e pedagógica permanece atrelada à matriz monocultural do Eurocentrismo.

Palavras-chave: Educação. Colonialidade. Ensino de Filosofia. Decolonialidade.

 

Biografia do Autor

Sulivan Ferreira de Souza, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando do Programa de Pós-Graduação Conhecimento e Inclusão Social em Educação: Doutorado Latino Americano em Educação. Linha de Pesquisa: Educação, Cultura, Movimentos Sociais e Ações Coletivas. Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Pará (PPGED/UEPA), Linha de Pesquisa: Saberes Culturais e Educação na Amazônia. Atualmente é Bolsista de Doutorado do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq. Membro do Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Profissão Docente - GESTRADO/UFMG. Membro do Grupo de Estudos Decolonialismo e Educação (UFMG). Membro do Grupo de Estudos Africanos e Pós-Coloniais (FAFICH/UFMG). Pesquisador do Núcleo de Educação Popular Paulo Freire (UEPA), foi Bolsista de Mestrado do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq (2015-2017). É representante discente do Colegiado PPG Educação - FAE/UFMG. Foi Membro do grupo de Pesquisa Saberes e Práticas Educativas de Populações Quilombolas (Eduq). Foi Representante discente do Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Educação/UEPA (2015-2017). É Associado à ANPEd (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação). Licenciado Pleno em Pedagogia pela Universidade do Estado do Pará (2011/2014). Participou como Bolsista do Observatório Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente - Núcleo Pará (2011/2012), foi membro do Núcleo de Estudos e Extensão, Trilhas Investigativas e Práticas Sociais (NETRILHAS) no qual atuou como voluntário pelo Grupo de Trabalho : Estudos Sobre a Criança e o Adolescente(GECA/2011-2012), Participou do projeto UEPA nas Comunidades(2011-2012), Membro do Colegiado do Curso de Pedagogia (2012-2014) , Diretor do Centro Acadêmico de Pedagogia-CAPE/UEPA (2012/2014), foi integrante voluntário da Equipe de Educação em Saúde - Secretaria Municipal de Saúde de Belém - SESMA/DEVS/PMB (2013/2014) Fora também Monitor Bolsista de Filosofia (Departamento de Filosofia e Ciências Sociais/DFCS/ CSSE) realizando atividades de ensino (Filosofia da Educação, Introdução à Filosofia) e de pesquisa nas áreas de Filosofia da Educação, Filosofia e Currículo (2013/2015). Participou do grupo de pesquisa Afetividade, Inteligência e Moralidade - (AFIM). Interesse de pesquisa nas áreas de: Educação Popular, Educação Latino-Americana, Filosofia da Educação, Currículo, Epistemologia Educacional, Interculturalidade, Decolonialidade e o Pensamento Educacional na América Latina. Orcid.org/0000-0003-3391-0265 (ORCiD - Open Researcher and Contributor ID)

Ivanilde Apoluceno de Oliveira, Universidade do Estado do Pará

pós-doutoramento em educação na Pontificia Universidade Católica do Rio de Janeiro em junho de 2010. Concluiu o doutorado em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em 2002. Realizou, em 2001, doutorado sanduiche na UNAM e UAM-Iztapalapa no México, com estudos sobre ética com o filósofo Enrique Dussel. Realizou mestrado em Educação Popular na UFPB. É graduada em Filosofia pela UFPA. Atualmente é Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação e professora titular da Universidade do Estado do Pará. Coordena o Forpred Norte. É membro da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação. Coordena o Núcleo de Educação Popular Paulo Freire da UEPA. Coordena o Programa de Pós-Graduação em Educação da UEPA. É editora da Revista Cocar. Coordena a Cátedra Paulo Freire da Amazônia. É bolsista produtividade do CNPq Nível 2. Exerceu a vice-coordenação do Forpred Norte de outubro de 2015 a outubro de 2016. Exerceu a coordenação do FEPAE no período de outubro de 2014 a outubro de 2015. Exerceu a coordenação do Fórum de Editores de Periódicos em Educação do Norte e Nordeste no periodo de 2012 a 2013. Exerceu a vice-coordenação do Programa de Pós-Graduação em Educação da UEPA de 2010 a março de 2012.. Exerceu a coordenação do Programa de Pós-Graduação em Educação da UEPA (2003-2007), a Vice-coordenação do Fórum de Coordenadores dos Programas de Pós-Graduação em Educação das Regiões Norte e Nordeste (2005-2007), a direção do Centro de Ciências Sociais e Educação da Universidade do Estado do Pará (1996-1998), a vice-direção do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Estado do Pará (1990-1991) e a coordenação do Curso de Pedagogia da Universidade do Estado do Pará (1988-1990). Atua na área de Educação, com ênfase em Filosofia da Educação, Educação Popular e Educação Inclusiva. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: educação, educação especial, educação de jovens e adultos, inclusão, educação popular, filosofia, Filosofia da Educação e ética.

Downloads

Publicado

2019-10-14

Como Citar

SOUZA, S. F. de; OLIVEIRA, I. A. de. Ensino de filosofia e colonialidade: debates sobre a formação na educação superior. Revista Linhas, Florianópolis, v. 20, n. 44, p. 326 - 351, 2019. DOI: 10.5965/1984723820442019326. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723820442019326. Acesso em: 29 jul. 2021.