Qual a sua flor? Experiências com a experiência estética, sua relação com awareness e seu papel para o estímulo do processo criativo autoral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267722021191

Palavras-chave:

Experiência Estética, Processo Criativo, Imaginação Simbólica, Awareness e Ajustamento Criativo

Resumo

Este artigo objetiva analisar a Experiência Estética de John Dewey (1859-1952) como um vetor para o processo criativo. Para isso, investiga junto a teoria deweyana caminhos por meio da gestalt-terapia para demonstrar isso. Seu objetivo consiste em ressaltar o seu papel fundamental para instigar a formação de linguagem autoral. Para tanto, o artigo apresentará autores para pensar a Experiência Estética atrelada a conceitos como: a Imaginação Simbólica com Gilbert Durand (1993), o conceito de awareness e ajustamento criativo com Jorge Ponciano (2011,1985). A pesquisa infere que a experiência estética é basilar para o processo criativo sendo um importante vetor para a awareness, e construção de linguagem autoral. Além disso, destaca que a experiência estética pode ser estimulada à distância, no contexto do Ensino Remoto Emergencial tendo um importante papel na participação dos alunos.

Biografia do Autor

Annelise Nani da Fonseca, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutora em Artes (ECA -USP). Mestre em Design (UAM), bacharel e licenciada em Artes Visuais, bacharel em Moda e Bacharel em Psicologia (UNICESUMAR). Professora no Departamento de Artes e Design (IAD) na UFJF. 

Referências

ALVEZ, Rubem. Conversa com o Sábio. Bons Fluídos. 01 de novembro de 2004. P.50-53. Disponível em: https://institutorubemalves.org.br/wp-content/uploads/2018/08/BONS-FLUIDOS-NOV-2004.pdf Acesso em:10/06/2021.

BARBOSA, Ana Mae. John Dewey e o Ensino da Arte no Brasil. São Paulo: Cortez, 2008.

D’ACRI, G.; LIMA, P.; ORGLER, S. Dicionário de gestalt-terapia: gestaltês. 2. ed. rev. e ampl., São Paulo: Summus, 2012.

DEWEY, John. Arte como Experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Edições 70. Lisboa,1993.

FIGUEROA, M. As técnicas em gestalt-terapia. In: FRAZÃO, L. M.; FUKUMITSU, K. O. (Orgs.). A clínica, a relação psicoterapêutica e o manejo em gestalt-terapia. São Paulo: Summus, 2015, p. 103-128. (Gestalt-terapia: fundamentos e práticas; 3).

FISCHER, Ernest. A Necessidade da Arte. Editora LTC: 2011.

FREIRE, Cristina. Poéticas do processo: arte conceitual no museu. São Paulo: Iluminuras, 1999.

FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler, em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 2011.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FRAZÃO, Lilian Meyer e FUKUMITSU, Karina Okajima. A Clínica, a relação psicoterapêutica e o manejo em Gestalt-terapia. São Paulo: Summus, 2015.

GINGER, S.; GINGER, A. Gestalt: uma terapia do contato. São Paulo: Summus, 1995.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processos de criação. Petrópolis: Editora Vozes, 1987.

PERLS, F. S. A abordagem gestáltica e testemunha ocular da terapia. Tradução de José Sanz. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC, 1977.

PERLS, F., HEFFERLINE, R. e GOODMAN, P. Gestalt-terapia. São Paulo: Summus, 1997.

RIBEIRO, Jorge Ponciano. Conceito de mundo e de pessoa em gestalt-terapia: revistando o caminho. São Paulo: Summus, 2011.

______. Gestalt-Terapia: Refazendo o Caminho. São Paulo: Summus, 1985.

YONTEF, Gary M. Processo, Diálogo, Awareness. São Paulo: Summus, 1998.

Downloads

Publicado

2021-10-31

Como Citar

FONSECA, A. N. da. Qual a sua flor? Experiências com a experiência estética, sua relação com awareness e seu papel para o estímulo do processo criativo autoral. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 7, n. 2, 2021. DOI: 10.5965/24471267722021191. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/20456. Acesso em: 20 jan. 2022.