O existencialismo, as artes e a pandemia: a obra de Alberto Giacometti, Eugène Ionesco e Albert Camus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267712021267

Resumo

O presente artigo pretende correlacionar os fundamentos do movimento filosófico do existencialismo das décadas de 40 e 50, com as obras artísticas de Alberto Giacometti, Eugène Ionesco e Albert Camus. A análise será ancorada pela escultura Nariz (1947), de Giacometti, pela peça teatral O Rinoceronte (1959), de Ionesco, e pelo livro O estrangeiro (1942), de Camus. Todas as obras serão interpretadas à luz do existencialismo e seu contraponto com a pandemia de Covid-19 que assola o planeta desde 2020.

Biografia do Autor

Bruno Henrique Fernandes Gontijo, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUCMinas

Especialização em História da Arte - MA (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas)

Graduação em Comunicação Social - Jornalismo (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas)

Downloads

Publicado

2021-06-02

Como Citar

Fernandes Gontijo, B. H. . (2021). O existencialismo, as artes e a pandemia: a obra de Alberto Giacometti, Eugène Ionesco e Albert Camus. Revista Apotheke, 7(1). https://doi.org/10.5965/24471267712021267