O dentro, o fora e o vão no meio: epistemologias libertárias e práticas cênicas abolicionistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101502024e0109

Palavras-chave:

abolicionismo penal, gênero, artivismo, prisão

Resumo

O referido artigo é um compilado de três entrevistas realizadas com artistas e pesquisadoras latino-americanas: Sayak Valência, Lia Garcia e Maria Galindo. O texto organiza as três entrevistas em uma única dramaturgia com o intuito de estabelecer um debate acerca das intersecções presentes entre artes cênicas, abolicionismo prisional e dissidência de gênero/sexualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Murilo Moraes Gaulês, Universidade de São Paulo

Doutorado em Artes/Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Mestre em Artes/Educação pela USP. Especialização em Psicopedagogia e Arteterapia pela Faculdade Paulista de Artes/SP. Licenciatura em Educação Artística pela Faculdade Paulista de Artes. Bacharelado em Artes Cênicas pela Faculdade Paulista de Artes

Maria Galindo Neder, Colectivo Mujeres Creando

Ativista boliviana, militante anarcofeminista, psicóloga e comunicadora, cofundadora das Colectivo Mujeres Creando em 1992, o qual segue liderando.

Lia Garcia, Arquivo Trans Marikitas Youth Literature

Pedagoga, escritora e performer, aprendiz ativista feminista e trans. Cofundou a rede de jovens trans em 2016, e em 2019, o arquivo LGBTIQ + Trans Marikitas Youth Literature. O ativismo de Lia passa pela junção entre arte e poesia expandida.

Sayak Valencia, El Colegio de la Frontera Norte

Doutorado em Filosofia pela Universidad Complutense de Madrid (2010). Professora investigadora Titular da El Colegio de la Frontera Norte

Referências

BRECHT, Bertold. Escritos sobre Teatro. Buenos Aires: Nueva Vision, 1970.

CONCÍLIO, Vicente. Teatro e prisão: dilemas da liberdade artística. São Paulo: Hucitec, 2008.

DAVIS, Angela Y. Estarão as prisões obsoletas? Rio de Janeiro: Difel, 2018.

FEDERICI, Silvia. O Ponto Zero da Revolução: Trabalho Doméstico, Reprodução e Luta Feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FEINMANN, José Pablo. Crítica del neoliberalismo. Buenos Aires: Editorial Planeta, 2016.

FO, Dario. Manual mínimo do ator. São Paulo: Editora Senac,1998.

FOUCAULT, M. Las redes del poder. 2014. Buenos Aires: Prometeo, 2014.

GAYON, Mariana Berlanga. El espectáculo de la violencia o la política del miedo: De los feminicidios a la violencia generalizada en México. 2020. Bahia Cadernos do GIPE-CIT n.41, p. 68-81, 2020.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1 edições, 2018.

MOMBAÇA, Jota. O mundo é meu trauma. PISEAGRAMA, Belo Horizonte, n. 11, p.20-25, 2017.

NARVAES, Viviane Becker. O Teatro do Sentenciado de Abdias Nascimento: classe e raça na modernização do teatro brasileiro. 2020. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) - Universidade de São Paulo, 2020.

NASCIMENTO, Abdias. Submundo. Cadernos de um sentenciado. São Paulo: Companhia das Letras, 2023.

NJERI, Aza. 13 de maio: a importância do teatro negro na abolição da escravidão. Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: https://rioencena.com/13-de-maio-a-importancia-do-teatro-negro-na-abolicao-da-escravidao/. Acesso em: 25 jan. 2024.

NJERI, Aza. O teatro na abolição. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: https://rioencena.com/o-teatro-na-abolicao/. Acesso em: 25 jan.2024.

OROZCO, Amaya Perez. Perspectivas feministas en torno a la economía. El caso de los cuidados. Madri: Consejo Económico y Social, 2006.

Publicado

2024-04-28

Como Citar

GAULÊS, Murilo Moraes; NEDER, Maria Galindo; GARCIA, Lia; VALENCIA, Sayak. O dentro, o fora e o vão no meio: epistemologias libertárias e práticas cênicas abolicionistas. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 50, p. 1–23, 2024. DOI: 10.5965/1414573101502024e0109. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/25139. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático: Justiça Epistêmica em Artes Cênicas