Rumo à complexidade: O treinamento como posicionamento ético

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103422021e0105

Palavras-chave:

Método Suzuki de Treinamento de Atores, Diálogos interculturais, Posicionamento ético

Resumo

Este artigo resultou da análise de alguns dos objetivos e dos fenômenos materiais e imateriais implicados no Método Suzuki de Treinamento de Atores, considerando suas dimensões simbólica, ritual e coletiva. Nesse sentido, objetivou-se dialogar com a relação entre o desaparecimento dessas instâncias, o desgaste da ideia de comunidade no mundo contemporâneo e a possibilidade de estabelecimento de uma postura ética por parte do artista da cena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Reis Monteiro dos Santos, Universidade Federal de São João del Rei

Doutorado em Artes da Cena pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Bacharel em Artes Cênicas pela mesma universidade.Professora doutora nos cursos de graduação em Teatro e no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas na Universidade Federal de São João Del Rei.

Referências

ALSCHITZ, Jurij. Treinamento para Sempre. Tradução de Elen Durando. São Paulo: Perspectiva, 2017.

ALSCHITZ, Jurij. A arte e a pedagogia de Jurij Alschitz: As artes do palco em função do ator. Diálogos da SP Escola de Teatro - Seminário Internacional de Teatro. São Paulo, 27 de jan. de 2012. Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=znEjhsyk8Z8. Acesso em: 20 de jun. 2021.

BRANDON, James Rodger. Training at The Waseda Little Theatre: The Suzuki Method. The Drama Review, v. 22, n. 4, NY: New York University Press, Dez. 1978.

BÜHLER, Walther. O metabolismo e a vida volitiva. Arte Médica Ampliada. v. 32. n. 3. Jul. Ago. Set. 2012. Disponível em:

http://abmanacional.com.br/arquivo/cc8b3f15cb109fb1391489699bc72141db87f955-32-3-metabolismo.pdf. Acesso em: 03 mai. 2021.

BULCÃO, Marly. Bachelard: a noção de imaginação. Revista Reflexão, Campinas, nos. 83/84, p.11-14, Jan. Dez. 2003. Recuperado de:

https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reflexao/article/view/3208. Acesso em: 07 mai. 2021.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos. Tradução de Vera da Costa e Silva. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1999.

FISCHER-LICHTE, Erika. The Transformative Power of Performance: A New Aesthetics. Tradução de Saskya Iris Jain. London/NY: Routledge, 2008.

FREITAS, Alexander. Água, ar, terra e fogo: arquétipos das configurações da imaginação poética na metafísica de Gaston Bachelard. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 20, n. 39, p. 39-70, Jan. Jun. 2006. Disponível em:

http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/296/433. Acesso em: 10 mai. 2021.

GREINER, Christine. Gênese e migração das principais teorias do corpo. In: O corpo – pistas para estudos indisciplinares. São Paulo: AnnaBlume, 2005, p. 15-48.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do Cansaço. Tradução de Enio Paulo Giachini. Petrópolis: Editora Vozes, 2017.

HAN, Byung-Chul. Do Desaparecimento dos Rituais: Uma Topologia do Presente. Tradução de Alberto Ciria. Edição digital: José Toribio Barba. Herder Editorial, SL, Barcelona, 2020.

ISOZAKI, Arata. Dionysus: the Teatro Olimpico and the Daendo Theater. 2014, p. 1-26. Acervo da autora. Cedido por Mattia Sebastian, Japão: Toga Mura. Ago. Set. 2014.

KOMPARU, Kunio. The Noh Theatre: Principles and Perspectives. New York/Tokyo, Kyoto: 133 WatherHill/Tankosha, 1983.

KUSANO, Darci Yasuco. O Que é Teatro Nô. São Paulo: Brasiliense, 1984.

KUSANO, Darci Yasuco. Os Teatros Bunraku e Kabuki: Uma Visada Barroca. São Paulo: Perspectiva, 1993.

LEPECKI, André. Planos de composição. Cartografia da Dança. São Paulo: Rumos Itaú Cultural, 2010.

LODI, Fabiano. A prática do treinamento como atividade sagrada na SCOT: Tadashi Suzuki e o teatro como modo de vida. Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v.2, n.25, p.34–48, 2015. Disponível em:

https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/1414573101242015034/5539. Acesso em: 25 maio 2021.

OKANO, Michiko. Ideograma como metáfora da cultura japonesa e seus processos de significação. 2002. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2002.

OKANO, Michiko. MA: entre-espaço da comunicação no Japão. Um estudo acerca dos diálogos entre Oriente e Ocidente. 2007. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

O’HANLON, Barney. SITI Company’s Training: Viewpoints & Suzuki Workshops. In: Caderno de notas da autora. Nova York, Mar. Abr. 2005.

OXFORD. Oxford Advenced Learner’s Dictionary of Current English. New York/United Kingdom: Oxford University Press, 2005.

QUILICI, Cassiano. O campo expandido: arte como ato filosófico. Sala Preta, São Paulo, v. 14(2), p. 12-21, 2014. Disponível em:

https://www.revistas.usp.br/salapreta/article/view/84758/91860. Acesso em: 25 mai. 2021.

QUILICI, Cassiano. O treinamento do ator/performer: perspectivas interculturais. In: O ator-performer e as poéticas da transformação de si. São Paulo: AnnaBlume, 2015, 173-182.

SHIRASUGI, Etsuo. Invisioning the inner body in Edo Japan. In: The imagination of the body and the history of bodily experience. International Symposium. International Research Center for Japanese Studies. Quioto: Edited by Kuriyama Shigehisa, 2000.

STEELE, Kameron H. Introduction. In: Culture is the Body: The Theatre Writings of Tadashi Suzuki. Tradução Kameron H. Steele. New York: Theatre Communications Group, 2015, xiii-xvi.

STEELE, Kameron. Mas allá de Suzuki. Workshop com Kameron Steele e Ivana Catanese. CELCIT (Org.). In: Caderno de notas da autora, Buenos Aires, 2016.

STEELE, Kameron. Oficina Método Suzuki. Corpos Poéticos – Encontro Internacional de Investigações Cênicas. Súbita Companhia (Org.). In: Caderno de notas da autora, Curitiba, 2019.

SUZUKI, Tadashi. The International Symposium on the Suzuki Method of Actor Training. Toga Art Park/Toyama, Japan: Japan Performing Arts Foundation, 2009/2011.

SUZUKI, Tadashi. Culture is the Body: The Theatre Writings of Tadashi Suzuki. Tradução Kameron H. Steele. New York: Theatre Communications Group, 2015.

TAVARES, Mônica. Das relações entre corporificação e descorporificação: a imagem como duplo digital. DATJournal v. 1, n. 2, 2016. P.91-105. Disponível em:

https://datjournal.anhembi.br/dat/article/view/31. Acesso em: 29 abr. 2021.

YAGYU, Alice Kiyomi. Hana, a flor: a arte do ator Nô. 1995. Dissertação (Mestrado em Artes) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

YUASA, Yasuo. The Body: Toward an Easter Mind-Body Theory. KASULIS, Thomas P. (Org.). Tradução de Nagatomo Shigenori; Thomas P. Kasulis. New York: State University of New York Press, 1987.

ZEAMI, Motokyo. On the Art of the Nô Drama: The Major Treatises of Zeami. Tradução J. Thomas Rimer; Yamazaki Masakazu. New York: Priceton University Press, 1984.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

SANTOS, J. R. M. dos. Rumo à complexidade: O treinamento como posicionamento ético. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 42, p. 1-19, 2021. DOI: 10.5965/1414573103422021e0105. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/20844. Acesso em: 27 nov. 2022.