“Um solo bendito consagrado à Santa Mãe de Deus”: o Santuário de Fátima da Serra Grande e a construção de uma cultura política romeira no tempo presente (São Benedito, Ceará)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180315392023e0105

Palavras-chave:

religiosidade, romaria, Santuário de Fátima, História do Tempo Presente

Resumo

O escopo deste artigo é o Santuário de Fátima da Serra Grande na cidade de São Benedito no estado do Ceará. Tenho como fito pensar os usos do passado na construção de uma cultura política romeira no tempo presente, a partir da análise histórica de documentos, como informativos e revistas virtuais publicadas pelo santuário. O Santuário de Fátima da Serra Grande tem se tornado um dos mais relevantes centros de romaria do Nordeste brasileiro. Oriundo da iniciativa do clero e de leigos cearenses, o edifício religioso foi construído ao longo dos dois primeiros decênios do século XXI e, desde então, tem se destacado com a recepção de elevados contingentes de romeiros. Os registros narrativos produzidos pelo santuário permitem vislumbrar as ações do clero na invenção do passado recente, vinculando à mística das aparições portuguesas, bem como evidenciam a devoção dos leigos e as narrativas de milagres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BÉDARIDA, François. Tempo presente e presença da história. In: FERREIRA, Marieta de Morais; AMADO, Janaína (Orgs). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996, p. 219-229.

BERSTEIN, Serge. A cultura política. In: J. P. Riox: J. F. Sirinelli. Por uma História Cultural. Lisboa, Estampa, 1998, p. 349-363.

BEZERRA, Miquéias de Medeiros. “Revolvendo as cinzas do passado”: a construção do espaço sacroprofânico nos santuários aos Protomártires do Brasil, pela Arquidiocese de Natal (1988-2017). 150f. Dissertação (Mestrado em História). UFRN, 2021.

CORSO, João Paulo. As romarias da terra: a trajetória de uma prática. In: CORSO, João Paulo. Religião, religiosidade, instituições religiosas, ritos e práticas. Ponta Grossa/PR: Texto e Contexto, 2020, p. 26-51.

CUBAS, Caroline Jaques. Religião, tempo e memória: interfaces para a História do Tempo Presente. Tempo e Argumento. N. 107, 2021, p. 1-22.

FARIAS, Mayara Ferreira de. Turismo religioso na cidade da Santa: a percepção da comunidade sobre a construção do complexo turístico e religioso no Alto de Santa Rita, Santa Cruz/RN. Natal, 113 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia). UFRN, 2013.

FOGELMAN, Patricia; CEVA, Mariela; TOURIS, Claudia (Orgs). El culto mariano en Luján y San Nicolás: religiosidad e historia regional. Buenos Aires: Biblos, 2013.

FRANÇA, Maria Cecília. Pequenos centros paulistas de função religiosa. São Paulo: EDUSP, 1975.

INFORMATIVO. Santuário de Nossa Senhora de Fátima. Informativo Santuário de Fátima da Serra Grande. Ano 01, n. 1, 2012, p. 2.

INFORMATIVO. Ano da Fé, uma peregrinação aos desertos sem fé do mundo. Informativo Santuário de Fátima da Serra Grande. Ano 01, n. 1, 2012, p. 1

INFORMATIVO. Casa da Mãe de Deus. Informativo Santuário de Fátima da Serra Grande. Ano 01, n. 1, 2012, p. 2.

INFORMATIVO. Testemunhos. Informativo Santuário de Fátima da Serra Grande. Ano 01, n. 1, 2012, p. 3.

INFORMATIVO. Testemunhos. Informativo Santuário de Fátima da Serra Grande. Ano 02, n. 1, 2013, p. 3.

INFORMATIVO. Notícias do Santuário. Santuário em festa: 10 anos da construção da Casa da Mãe de Fátima. Informativo Santuário de Fátima da Serra Grande. Ano 05, n. 1, 2016, p. 3.

IRINEU, Antonio. Mãe da Misericórdia. Mãe de Fátima. Maio, 2016, p. 5-6.

IRINEU, Antonio. Mensagem de Fátima: sinal de Esperança e misericórdia para o nosso tempo. Mãe de Fátima. Maio, 2017, p. 4.

JACINTO, Dom. Devoção a Virgem de Fátima no Ceará. 2006. Disponível em: https://santuariodefatima.org.br/historia-do-santuario/ Consultado em: 20 de novembro de 2022.

MÃE DE FÁTIMA. Editorial. Revista Mãe de Fátima. N. 1, 2013, p. 3-5.

MÃE DE FÁTIMA. Tradição e devoção. A mística do dia 13. Revista Mãe de Fátima. N. 1, 2013, p. 6.

MÃE DE FÁTIMA. Celebração da Dedicação do Santuário. Revista Mãe de Fátima. N. 3., 2014, p. 4.

MÃE DE FÁTIMA. História. História de fé. Revista Mãe de Fátima. N. 1, 2013, p. 3.

MÃE DE FÁTIMA. Festa de Nossa Senhora de Fátima: “Eis aqui a tua Serva, Senhor”. Revista Mãe de Fátima. N. 4, 2015, p. 5.

MÃE DE FÁTIMA. Maio, mês da Virgem Maria, Mãe da misericórdia encarnada. Revista Mãe de Fátima. N. 6, 2016, p. 4.

MÃE DE FÁTIMA. Neste ano jubilar, no centenário das aparições de Nossa Senhora em Fátima, Alcance indulgência plenária segundo papal. Revista Mãe de Fátima. N. 7, 2017, p. 5.

MOURA, Carlos André Silva de. Aparições e Devoções Marianas: a formação de uma cultura visionária em Portugal e seus usos no projeto de Restauração Católica (1917-1950). Tempo e Argumento. v. 14, 2022, p. 01-28.

PAZ, Renata Marinho. Para onde sopra o vento: a igreja católica e as romarias de Juazeiro do Norte. 1 ed. Fortaleza: IMEPH, 2011.

RÉMOND, René. Por uma história política. Rio de Janeiro, FGV, 2003.

ROSENDAHL, Zeny. Hierópolis: o sagrado e o urbano. 2.ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

ROUSSO, Henry. A última catástrofe: a história, o presente, o contemporâneo. Trad. Fernando Coelho e Fabrício Coelho. Rio de Janeiro: FGV, 2016.

SANTOS, Magno Francisco de Jesus. A peregrinação à Divina Pastora. Aracaju: EDISE, 2015b.

SANTOS, Magno Francisco de Jesus. “Bendita e Louvada seja”: política cultural e registro das romarias como patrimônio imaterial em Sergipe. Revista Brasileira de História das Religiões. Ano VIII, nº 24, 2016.

SANTOS, Magno Francisco de Jesus. No sertão e capital, salve Aparecida: peregrinações em Sergipe no tempo presente. Estudos Históricos. Vol. 28, n. 55, 2015a, p. 169-187.

SANTOS, Magno Francisco de Jesus. Polissemias do Patrimônio: políticas públicas estaduais do registro das festas católicas (Bahia, Sergipe e Rio Grande do Norte). Revista Memória em rede. V. 9, n. 16, 2017a, p. 43-66.

SANTOS, Magno Francisco de Jesus. Romarias in lives: ciberdevoções e santuários em tempos de pandemia. Horizonte. V. 18, n. 57, 2020, p. 1305-1333.

SANTOS, Magno Francisco de Jesus. “O mais célebre santuário do mundo”: romarias e espaço sagrado no Santo Juazeiro (1920-1936). Revista Brasileira de História das Religiões. Vol. 14, n. 40, 2021, p. 273-298.

SANTOS, Magno Francisco de Jesus. “Só aqui no Icó nós temos, uma festa bonita assim”: sacralização do espaço e da memória na festa do Senhor do Bonfim de Icó/CE. Revista Brasileira de História das Religiões. V. 10, n. 30, 2017b, p. 259-284.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Trad. Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SBARDELOTTO, Moisés. E o verbo se fez rede: religiosidades em reconstrução no ambiente digital. São Paulo: Paulinas, 2017.

SOUZA, José Arilson Xavier de. A Resignificação religiosa do turismo regional: um estudo geográfico-cultural do Santuário de Fátima da Serra Grande. 166f. Dissertação (Mestrado em Geografia). UFC, 2009.

TOURIS, Cláudia. Los curas villeros em la Argentina actual: entre la herencia católica tercermundista y el Papa Francisco. Tempo &Argumento. 2021, p. 1-20.

Downloads

Publicado

2023-09-01

Como Citar

DE JESUS SANTOS, Magno Francisco. “Um solo bendito consagrado à Santa Mãe de Deus”: o Santuário de Fátima da Serra Grande e a construção de uma cultura política romeira no tempo presente (São Benedito, Ceará). Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 15, n. 39, p. e0105, 2023. DOI: 10.5965/2175180315392023e0105. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180315392023e0105. Acesso em: 2 mar. 2024.