A compasso e taquara: o domínio da vida e a ruína da biodiversidade no Parque Florestal Manoel Enrique da Silva (Irati-PR): 1950-1960

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180315382023e0105

Palavras-chave:

colonialidade, silvicultura científica, monocultura

Resumo

A partir do conceito de colonialidade (a parte invisível e constitutiva da modernidade), tal como discutido desde o final dos anos 1980 e início dos anos 1990, por Aníbal Quijano, este texto procura discutir como se deu a colonialidade do poder, do saber, do ser e da natureza no processo de constituição do Parque Florestal Manoel Enrique da Silva, atual Floresta Nacional de Irati. Como fontes, temos os relatórios produzidos pelo seu silvicultor Ernesto da Silva Araújo entre 1950 e 1960, e 12 formulários impressos (FINPI), para preenchimento de informações a respeito dos talhões plantados no Parque entre 1950 e 1957 com Araucaria angustifolia (pinheiro-brasileiro ou pinheiro-do-paraná). No texto, mostramos como a silvicultura científica pretendeu, nem sempre com sucesso, ordenar um espaço tido pelo silvicultor como primitivo. Nos processos de plantação de Araucária, a natureza foi reduzida ao valor terra, e sua diversidade foi limitada a apenas uma espécie, sendo a monocultura a base fundamental desse modelo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ancelmo Schorner, Universidade Estadual Centro-Oeste do Paraná

Doutor em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual Centro-Oeste do Paraná (UNICENTRO)

Referências

ACHINTE, Adolfo Albán; ROSERO, José Rafael. Colonialidad de la naturaleza: ¿imposición tecnológica y usurpación? Interculturalidad, desarrollo y re-existencia. Nómadas, Bogotá, n. 45, p. 27-41, oct. 2016. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0121-75502016000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 jun. 2020.

ALIER, Joan Martínez. O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagens de valoração. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2018.

ANDRADE, Edmundo Navarro de. Problema florestal no Brasil. São Paulo: O Estado de São Paulo, 1923.

ASSIS, Wendell Ficher Teixeira. Do colonialismo à colonialidade: expropriação territorial na periferia do capitalismo. Caderno CRH, Salvador, v. 27, n. 72, p. 613-627, set./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-49792014000300011&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 14 jun. 2020.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, maio/ago. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522013000200004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 mar. 2020.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 87-95.

CORONIL, Fernando. Naturaleza del poscolonialismo: del eurocentrismo ao globocentrismo. In: LANDER, Edgardo (org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales, Buenos Aires: CLACSO, 2000. p. 54-68.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

FINPI (FORMULÁRIOS impressos pelo INP para preenchimento de informações: Espécie, Área, Número de covas ou Mudas, Época do plantio definitivo, Procedência da Semente ou muda, Natureza da cobertura do solo e Tipo de solo e Operações). Localização: CEDO C-UNICENTRO/I. Código de Referência: BR.PRUNICENTRO.PB001.10-4/1.36. Série Silvicultura. Caixas 1, 2, 3 e 4.

GIRALDO, Omar Felipe. Hacia una ontología de la Agri-Cultura en perspectiva del pensamiento ambiental. Polis, Santiago, n. 34, p. 95-115, 2013. Disponível em: https://journals.openedition.org/polis/8773. Acesso em: 17 abr. 2020.

HENNING, Paula Corrêa. Resistir ao presente: tensionando heranças modernas para pensar a Educação Ambiental. Ciência & Educação, Bauru, v. 25, n. 3, p. 763-781, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132019000300763&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 maio 2020.

IORIS, Edviges Marta. Uma floresta de disputas: conflitos sobre espaços, recursos e identidades sociais na Amazônia. Florianópolis: Editora da UFSC, 2014.

LEFF, Enrique. Racionalidad ambiental: la reapropiación social de la naturaleza. México: Siglo XXI Editores, 2004.

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do Ser e a geopolítica do conhecimento. modernidade, império e colonialidade. Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], n. 80, p. 71-114, mar. 2008. Disponível em: http://journals.openedition.org/rccs/695. Acesso em: 07 jun. 2020.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (orgs.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Pontificia Universidad Javeriana/Siglo del Hombre, 2007. p.127-167.

MIGNOLO, Walter. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 94, p. 2-18, jun. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092017000200507&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 jun. 2020

MUNHOZ, Cibele; BRANDALISE, Ademar Luis; ULHOA, Ricardo Augusto (coord.). Plano de manejo da Floresta Nacional de Irati. In: ICMBIO, Fernandes Pinheiro, dez. 2013. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/docs-planos-de-manejo/flona_irati_vol1_pm.pdf. Acesso em: 14 maio 2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. In: CLACSO, Buenos Aires, p. 285-327, 2014. (Colección Antologías). Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20140506032333/eje1-7.pdf. Acesso em: 30 maio 2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidad/racionalidad. Perú Indígena, Lima, v. 13, n. 29, p. 11-20, 1992. Disponível em: https://www.lavaca.org/wp-content/uploads/2016/04/quijano.pdf. Acesso em: 17 mar. 2020.

QUINTERO, Pablo; FIGUEIRA, Patrícia; ELIZALDE, Paz Concha. Uma breve história dos estudos decoloniais. In: MASP/AFTERAL, n.3, 2019. Disponível em: https://masp.org.br/uploads/temp/temp-QE1LhobgtE4MbKZhc8Jv.pdf. Acesso em: 1 jun. 2020.

[RELATÓRIO de Ernesto da Silva Araújo, silvicultor, à Delegacia Regional do INP em Curitiba]. Curitiba: Instituto Nacional do Pinho, 1953. Disponível em: http://cedoc.unicentro.br/uploads/r/centro-de-documenta-o-e-mem-ria-da-unicentro-pr-campus-de-irati-95/5/5/5595/1_1c.38.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

[RELATÓRIO de Ernesto da Silva Araújo, silvicultor, à Delegacia Regional do INP em Curitiba]. Curitiba: Instituto Nacional do Pinho, [março] 1954. Disponível em: http://cedoc.unicentro.br/uploads/r/centro-de-documenta-o-e-mem-ria-da-unicentro-pr-campus-de-irati-95/5/5/5599/1_1d.38.pdf. Acesso em: 20 maio 2020.

[RELATÓRIO de Ernesto da Silva Araújo, silvicultor, à Delegacia Regional do INP em Curitiba]. Curitiba: Instituto Nacional do Pinho, 1960. Disponível em: http://cedoc.unicentro.br/index.php/relat-rio-de-ernesto-da-silva-ara-jo-silvicultor-do-parque-florestal-dr-manoel-enrique-da-silva-referente-ao-ano-de-1960-1. Acesso em: 24 maio 2020.

[RELATÓRIO de Fernão de Lignac Paes Leme, silvicultor, à Delegacia Regional do INP em Curitiba]. Curitiba: Instituto Nacional do Pinho, 1961. Disponível em: http://cedoc.unicentro.br/uploads/r/centro-de-documenta-o-e-mem-ria-da-unicentro-pr-campus-de-irati-95/5/6/5619/1_1i.38.pdf Acesso em: 24 maio 2020.

SILVA, Franklin Leopoldo e. Conhecimento e razão instrumental. Psicologia USP, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 11-31, 1997. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/psicousp/article/view/107575. Acesso em: 22 abr. 2020.

TSING, Anna Lowenhaupt. Viver nas ruinas: paisagens multiespécies no Antropoceno. Brasília: IEB Mil Folhas, 2019.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 131-152, jul./dic. 2008. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=39600909. Acesso em: 19 mar. 2020.

WORSTER, Donald. Transformações da terra: para uma perspectiva agroecológica na história. Ambiente e Sociedade, Campinas, v. 5, n. 2, p. 23-44, ago./dez. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2003000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 maio 2020.

ZANETTI, Eder. História florestal. Jornal Dia de Campo, [s.l.], 2014.Disponível em: http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=30362&secao=Artigos%20Especiais. Acesso em: 31 maio 2020.

Publicado

2023-04-24

Como Citar

SCHORNER, Ancelmo. A compasso e taquara: o domínio da vida e a ruína da biodiversidade no Parque Florestal Manoel Enrique da Silva (Irati-PR): 1950-1960. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 15, n. 38, p. e0105, 2023. DOI: 10.5965/2175180315382023e0105. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180315382023e0105. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos