A biografia-monumento do Marechal Rondon: as representações de um herói nacional/regional entre as tramas da memória e ensino de História

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180314372022e0202

Resumo

Este artigo procura abordar a presença do Marechal Cândido Rondon, como personagem símbolo da integração nacional, “pai das comunicações” – representando o Brasil moderno que se desejava instituir e ensinar nos bancos escolares. A pesquisa também busca compreender como se dá a fabricação, primeiramente, do herói da narrativa histórica para, em seguida, pensar a sua própria condição de agente – em suas diferentes facetas e elaborações. E, por último, demonstrar os lugares de memória, a história escrita e ensinada sobre o Marechal Rondon.

Palavras-chave: Marechal Rondon; narrativas; memórias; ensino de história; Mato Grosso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nileide Dourado, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).
Professora do Departamento de História e do Mestrado Profissional em Ensino de História (PROFHistória) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Renilson Rosa Ribeiro, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Doutor em História pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
Professor do Departamento de História, do Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem (PPGEL) e do Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Referências

ALBUQUERQUE JUNIOR, D. M. A invenção do Nordeste e outras artes. 2. ed. Recife: FJN: Ed. Massangana; São Paulo: Cortez, 2001.

AMEDI, N. C.; RIBEIRO, R. R. “Denodados heróis, civilizadores do sertão...”: o mito fundador bandeirante na constituição da história de Cuiabá – Mato Grosso, século XX. Revista Eletrônica Documento/Monumento, Cuiabá, v. 9, p. 153-180, 2013.

ARRUDA, L. C. Posto fraternidade indígena: estratégias de civilização e táticas de resistencia (1913-1945). 2003. Dissertação (Mestrado em História) − Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2003.

BIGGIO, E. S. Linhas telegráficas e integração de povos indígenas: as estratégias políticas de Rondon (1889-1930). Brasília: Funai: CGDOC, 2003.

BOSCHI, C. C. Por que estudar a história? São Paulo: Ática, 2007.

CALLARI, C. R. Os Institutos Históricos: do patronato de D. Pedro II à construção de Tiradentes. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, n. 40, p. 59-82, 2001.

CARVALHO, J. M. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

CORRÊA FILHO, V. Rondon. RIHGB, Rio de Janeiro, v. 266, p. 155-158, jan./mar. 1965.

CORRÊA FILHO, V. Vultos da geografia do Brasil: Rondon. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 2, p. 105-108, 1961.

DIACON, T. A. Rondon: o marechal da floresta. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

ENDERS, A. Os vultos da nação: fábrica de heróis e formação dos brasileiros. Rio de Janeiro: FGV, 2014.

FERNANDES, R. O. O Parlamento brasileiro e a construção da memória nacional: os monumentos históricos em praça pública (1891-1986). In: XXVIII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA. 2015, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: Anpuh Brasil, 2015. p. 1-16.

FERNANDES, R. O. “Sem história não há pátria!”: Viriato Corrêa e a literatura escolar para o ensino de história. XXV Simpósio Nacional de História. 2009, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: UFC; Anpuh Brasil, 2009. p. 1-9.

FERREIRA, A. C. A epopeia bandeirante: letrados, instituições, invenção histórica (1870-1940). São Paulo: Unesp, 2002.

FONSECA, T. N. L. Da infâmia ao altar da pátria: memória e representações da Inconfidência Mineira e de Tiradentes. 2001. Tese (Doutorado em História Social) − Universidade de São Paulo. São Paulo, 2001.

FONSECA, T. N. L. Históra e ensino de história. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

FONSECA, T. N. L. Ver para compreender: arte, livro didático e a história da nação. In: SIMAN, L. M. C.; FONSECA, T. N. L. (org.). Inaugurando a história e construindo a nação: discursos e imagens no ensino de História. Belo Horizonte: Autêntica, 2001b. p. 91-121.

FURTADO, J. P. O manto de Penélope: história, mito e memória da Inconfidência Mineira de 1788-9. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GALETTI, L. S. G. Sertão, fronteira, Brasil: imagens de Mato Grosso no mapa da civilização. Cuiabá: EdUFMT: Entrelinhas, 2012.

GAMA, L. C. As várias vidas do mártir: as representações sobre Tiradentes no discurso historiográfico e didático de monarquistas e republicanos. Cuiabá: EdUFMT Digital, 2020.

GOMES, A. C.; KORNIS, M. A. Com a história no bolso: moeda e a República no Brasil. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL “O outro lado da moeda”. 2001, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: MHN, 2002. p. 107-134.

GOMES, A. M. C. (org.). Escrita de Si, escrita da história. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

HAAG, C. Ciência para criar uma nação. Pesquisa Fapesp, São Paulo, n. 195, p. 74-79, maio 2012.

KURY, L. Marchar com fé. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, p. 26-30, ago. 2006.

IHGSP. Recepção e posse do General Rondon: discursos proferidos na sessão extraordinária de 25 de março de 1939. Separata da Revista do IHGSP, São Paulo, v. XXXVI, p. 27-47, 1939.

JANCSÓ, I. Oxente, sou professor [Entrevista cedida ao periódico]. Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio Janeiro, n. 43, p. 48-53, abr. 2009.

LAVILLE, C. A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de história. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 19, n. 38, p. 125-138, 1999.

LEOTTI, O. Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso – IHGMT: relações de poder, escrita, política, cientificidade e a invenção do mato-grossense moderno (1895 a 1934). 2013. Tese (Doutorado em História) − Universidade Estadual Paulista, Assis, 2013.

LEÃO, J. A fotografia e o cinema na Comissão das Linhas Telegráficas. RIHGMT, Cuiabá, n. 65, p. 69-76, 2007.

LIMA JUNIOR, L. G. S. Por uma geodésia dos acontecimentos: a operação cartográfica na obra de Candido Rondon (1890-1952). 2010. Dissertação (Mestrado em História) − Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2010.

LIMA, A. C. S. Pacificador ou mediador? Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, p. 40-45, ago. 2006.

LIMA, A. C. S. Um grande cerco de paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1995.

LIMA, N. T.; SÁ, D. M. No rastro do desconhecido. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, p. 18-25, ago. 2006.

LIMA, N. T. Um sertão chamado Brasil: intelectuais e representação geográfica da identidade nacional. Rio de Janeiro: Revan: Iuperj-Ucam, 1999.

MACIEL, L. A. A nação por um fio: caminhos, práticas e imagens da “Comissão Rondon”. São Paulo: Educ: Fapesp, 1998.

MACIEL, L. A. O sertão domesticado. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, p. 34-39, ago. 2006.

MAGALHÃES, B. Mato Grosso: de Pascoal Moreira Cabral a Cândido Rondon. RIHGB, Rio de Janeiro, v. 206, p. 102-157, jan./mar. 1950.

MAGALHAES, S. M. C. Pedagogia do guerreiro. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, p. 24-25 set. 2015.

MENDES, L. C. C.; RIBEIRO, R. R. Fronteira e integração territorial na escrita da história didática oitocentista. Clio. Série História do Nordeste, Recife, v. 34, p. 73-95, 2016.

MICELI, P. C. O mito do herói nacional. São Paulo: Contexto, 1988.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 7-28, dez. 1993.

OLIVEIRA, L. L. As festas que a República manda guardar. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, p. 172-189, 1989.

OLIVEIRA, M. G. Escrever vidas, narrar a história: a biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: FGV: Edur: Anpuh Rio de Janeiro, 2011.

QUEM são os heróis e vilões de nossa história. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, jun. 2008.

RIBEIRO, R. R. Entre Palmares e Vila Rica: os percursos da memória de Zumbi e Tiradentes nos livros didáticos de história do Brasil (séculos XIX e XX). In: NOGUEIRA, A. G. R.; SILVA FILHO, A. L. M. (org.). História e historiografia: perspectivas e abordagens. Recife: Editora Universitária UFPE, 2014. p. 264-285.

RIBEIRO, R. R. O Brasil inventado pelo visconde de Porto Seguro: Francisco Adolfo de Varnhagen, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e a invenção do Brasil Colonial no Brasil Império (1838-1860). Cuiabá: Entrelinhas, 2015.

RIBEIRO, R. R. Os superbrasileiros. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, p. 82-85, set. 2008.

ROMANCINI, S. R.; SILVA, A. M.; SOUZA, J. B. Rondon e seus espaços na cidade contemporânea. RIHGMT, Cuiabá, n. 65, p. 95-101, 2007.

RONDON, C. M. S. Rondon conta sua vida: por Esther Viveiros. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1958.

SÁ, L. V. Rondon: o agente público e político. 2001. Tese (Doutorado em História Social) − Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SIQUEIRA, E. M. Cronologia de Rondon. RIHGMT, Cuiabá, n. 66, p. 11-36, 2007.

SOUSA, B. J. Saudação a Cândido Mariano da Silva Rondon. RIHGB, Rio de Janeiro, v. 174, p. 863-865, 1939.

TACCA, F. A imagética da Comissão Rondon: etnografias fílmicas estratégicas. Campinas: Papirus, 2001.

VITILLO, W. Rondon, o desbravador do Brasil. São Paulo: Cortez, 2013.

Downloads

Publicado

2022-12-19

Como Citar

DOURADO, N.; RIBEIRO, R. R. A biografia-monumento do Marechal Rondon: as representações de um herói nacional/regional entre as tramas da memória e ensino de História. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 14, n. 37, p. e0202, 2022. DOI: 10.5965/2175180314372022e0202. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180314372022e0202. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Seção Temática: Os desafios de ensinar e aprender história no tempo presente