A Velha (da) História: infância e ditadura na Corda Bamba (Lygia Bojunga, 1979)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180314362022e0101

Resumo

Neste artigo, procuramos refletir sobre relações de experiência e dominação no livro Corda Bamba de Lygia Bojunga, publicado em 1979. Com enredo que acompanha as contradições do lento processo de se forjar da infância e das sensibilidades, a autora evidencia dimensões importantes da luta política na sociedade de classes carioca, destacando limites e obstáculos demarcados por sutis contrapoderes sociais. O circo, mundo de possibilidades, aparece nesse romance como espaço de novidades, em contraposição às repetições dominantes do mundo dos poderosos, especialmente ameaçador para quem conta histórias naqueles anos de ditadura civil-militar (1964-1985). O futuro é elemento articulador de esperanças nessa literatura: as maldades sofridas pela Velha da História são redimidas pela aposta corajosa que a menina Maria faz em suas próprias memórias.       

Palavras-chave: Literatura, Lygia Bojunga, Corda Bamba, infância, ditadura civil-militar de 1964.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nelson Tomelin Junior, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo. Professor do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Maria do Rosário da Cunha Peixoto, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo. Professora do Departamento de História e do Programa de Estudos Pós-Graduados em História da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Orcid: https://orcid.org/0000-0003-4113-8922.

Vanessa Miranda, Universidade Federal de Tocantins (UFT)

Doutora em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professora substituta do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Tocantins (UFT) e Psicóloga da Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas (SES/Amazonas). Orcid:  https://orcid.org/0000-0001-7570-3155.

Referências

AARÃO REIS, Daniel. Ditadura, anistia e reconciliação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 23, n. 45, p. 171-186, jan./jun. 2010.

ALLIER MONTAÑO, Eugenia; CRENZEL, Emílio (coords.). Las luchas por la memoria en América Latina: historia reciente y violencia política. México: Bonilla Artigas Editores: UNAM, Instituto de Investigaciones Sociales, 2015.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Anistia, como vens, como te imaginava. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 28 jun. 1979. Disponível em: https://news.google.com/newspapers?nid=0qX8s2k1IRwC&dat=19790628&printsec=frontpage&hl=pt-BR. Acesso em: 28 dez. 2021.

BACZKO, Bronislaw. A imaginação social. In: LEACH, Edmund et al. Anthropos-homem. Lisboa: Imprensa Nacional: Casa da Moeda, 1985. p. 296-332.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOJUNGA, Lygia. Corda bamba. Rio de Janeiro: Agir, 1993.

BRASIL. Lei da anistia. Lei n. 6.683, de 28 de agosto de 1979. Brasília: Planalto, 1979.

BRESCIANI, Maria Stella; NAXARA, Márcia Regina Capelari (orgs.). Memória e (res)sentimentos: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Ed. Unicamp, 2001.

CANDIDO, Antonio. A verdade da repressão (Jornal Opinião, n. 11, 15-22 de janeiro de 1972). In: CANDIDO, Antonio. Teresina etc. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2007. p. 105-109.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

CASTRO, Josué de. Geografia da fome: a fome no Brasil. Rio de Janeiro: Edições Cruzeiro, 1946.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1996.

CHARTIER, Roger. Prefácio. In: LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira: uma nova outra história. Curitiba: PUCPress: FTD, 2017. p. 07-09.

CHAUI, Marilena. Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1986.

CHAUI, Marilena. Sobre o medo. In: NOVAES, Adauto (org.). Os sentidos da paixão. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 33-82.

CHESNEAUX, Jean. Devemos fazer tabula rasa do passado? sobre a história e os historiadores. São Paulo: Ática, 1995.

COSTA, Hélio. O novo sindicalismo e a CUT: entre continuidades e rupturas. In: FERREIRA, Jorge; REIS, Daniel Aarão (orgs.). Revolução e democracia (1964...). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 597-635. (As Esquerdas no Brasil, v. 3)

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves; FERREIRA, Marieta de Moraes (orgs.). História do tempo presente. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014.

ESPINOSA. Ética. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

FICO, Carlos. Brasil: a transição inconclusa. In: FICO, Carlos; ARAÚJO, Maria Paula; GRIN, Mônica (orgs.). Violência na história: memória, trauma e reparação. Rio de Janeiro: Ponteio, 2012. p. 25-38.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 1968.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2009.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere: temas de cultura, ação católica, americanismo e fordismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

GRECO, Heloisa Amélia. Dimensões fundacionais da luta pela anistia. 2003. Tese (Doutorado em História) − Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da Unesco no Brasil, 2003.

IGNATIEFF, Michael. Instituições totais e classes trabalhadoras: um balanço crítico. Revista Brasileira de História, São Paulo: ANPUH, v. 7, n. 14, p. 185-193, mar./ago. 1987. Dossiê Instituições.

JELIN, Elizabeth. ¿De qué hablamos cuando hablamos de memorias? In: JELIN, Elizabeth. LOS TRABAJOS DE LA MEMORIA. Madrid: Siglo XXI, 2002. p. 17-37. (Coleção Memorias de la represión).

LAJOLO, Marisa; CECCANTINI, João L. (orgs.). Monteiro Lobato, livro a livro. São Paulo: Editora da Unesp: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008.

LEFORT, Claude. A invenção democrática: os limites da dominação totalitária. São Paulo: Brasiliense, 1983.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Hucitec: Unesp, 1998.

MATOS, Maria Izilda Santos de; SOIHET, Rachel. O corpo feminino em debate. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

MILLETT, Kate. Política sexual. Lisboa: Dom Quixote, 1974.

MUNAKATA, Kazumi. O lugar do movimento operário. História & Perspectiva, Uberlândia: UFU, v. 43, p. 9-40, jul./dez. 2010.

PAOLI, Maria Célia; SADER, Eder; TELLES, Vera da Silva. Pensando a classe operária: os trabalhadores sujeitos ao imaginário acadêmico. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 3, n. 6, p. 129-149, set. 1983.

PAOLI, Maria Célia. Memória, história e cidadania: o direito ao passado. In: SÃO PAULO (cidade). Secretaria Municipal de Cultura. Departamento de Patrimônio Histórico. O direito à memória: patrimônio histórico e cidadania. São Paulo: DPH, 1992. p. 25-28.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Sensibilidades: escrita e leitura da alma. In. PESAVENTO, Sandra Jatahy; LANGUE, Frédérique (orgs.). Sensibilidades na história: memórias singulares e identidades sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007. p. 09-21.

PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha. E as palavras têm segredos... Literatura, utopia e linguagem na escritura de Ana Maria Machado. In: MACIEL, Laura Antunes; ALMEIDA, Paulo Roberto de; KHOURY, Yara Aun (orgs.). Outras histórias: memórias e linguagens. São Paulo: Olho d’água, 2006. p. 156-176.

PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha. Lygia Bojunga Nunes: o prazer e o sofrimento de ser menina/mulher: infância e gênero: um desafio para a literatura infantil? In: MATOS, Maria Izilda Santos de; CASTELO BRANCO, Pedro Vilarinho (orgs.). Cultura, corpo e educação: diálogos de gênero. São Paulo, Intermeios; Teresina, EDUFPI, 2015. p. 169-185. (Coleção Entregêneros)

REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá. A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do Golpe de 1964. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

SADER, Eder. Quando novos personagens entraram em cena: experiências e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo (1970-1980). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SANDRONI, Laura. A estrutura do poder em Lygia Bojunga Nunes. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 3, p. 11-25, out./dez. 1980.

SARLO, Beatriz. Paisagens imaginárias: intelectuais, artes e meios de comunicação. São Paulo: Edusp, 1997.

SILVA, Marcos. Ditadura relativa e negacionismos: Brasil, 1964 (2016, 2018...). São Paulo: Maria Antônia Edições, 2021.

THOMPSON, Edward P. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

THOMPSON, Edward P. A miséria da teoria ou um planetário de erros (uma crítica ao pensamento de Althusser). Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

WILLIAMS, Raymond. Base e superestrutura na teoria cultural marxista. Revista USP, São Paulo, n. 65, p. 210-224, mar./maio 2005.

WILLIAMS, Raymond. O campo e a cidade na história e na literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

WILLIAMS, Raymond. Recursos da esperança: cultura, democracia, socialismo. São Paulo: Unesp, 2015.

ZILBERMAN, Regina; MAGALHÃES, Ligia C. Literatura infantil: emancipação e autoritarismo. São Paulo: Ática, 1984.

Downloads

Publicado

2022-09-16

Como Citar

TOMELIN JUNIOR, N.; PEIXOTO, M. do R. da C.; MIRANDA, V. A Velha (da) História: infância e ditadura na Corda Bamba (Lygia Bojunga, 1979). Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 14, n. 36, p. e0101, 2022. DOI: 10.5965/2175180314362022e0101. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180314362022e0101. Acesso em: 29 set. 2022.