Pensar com os mitos: sobre ecologia nos boitatás de Franklin Cascaes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180314352022e0201

Resumo

Boitatá é um mito de origem tupi que protege os campos contra aqueles que os incendeiam. Nas décadas de 1960 e 1970, quando a Ilha de Santa Catarina passava por um forte processo de modernização, com impacto no meio ambiente, o artista folclorista, Franklin Cascaes (1908-1983) inventou aproximadamente 30 iconografias para o boitatá no grafite ou no bico-de-pena, invocando-o a restaurar a mitosfera ilhoa. Na ficção, as figuras de boitatá assumem o papel de porta-voz do discurso ambientalista do artista e de sua visão cosmológica do mundo. A partir da abordagem da relação entre “mito” e “natureza”, o artigo tem por objetivo mostrar como Cascaes pensava por imagem, inserindo-se no debate ecológico que eclodiu à época em esfera global. Essa preocupação se foi tornando cada vez mais forte até os dias atuais, tempo do Antropoceno, quando o ser humano passa a ser um agente geológico que afeta o planeta como um todo. Como conclusão, levanta-se o alerta, com base em referências teóricas, para o risco de criarmos uma humanidade de exclusão de todas as outras possíveis e de todos os outros seres que habitam a Terra.

Palavras-chave: Franklin Cascaes; Boitatá; folclore; mito; ecologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Bernardete Ramos Flores, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professora do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGH-UFSC). Pesquisadora do CNPq.

Referências

ARAÚJO, Adalice Maria de. Mito e magia na arte catarinense. Florianópolis: Estado de Santa Catarina: Secretaria de Educação e Cultura, 1977.

BASTOS, Ângela. Erosão na Praia da Armação pode provocar salinização da Lagoa do Peri. Diário Catarinense, Florianópolis, 28 maio 2010. Disponível em: https://peixesrecifaisdesc.wordpress.com/2010/05/29/erosao-na-praia-da-armacao-pode-provocar-salinizacao-da-lagoa-do-peri/. Acesso em: 28 maio 2020.

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987. v. 1. p. 114-119.

BERGAMÍN, José. A arte do birbiloque/a decadência do analfabetismo. Trad. Gênese de Andrade. São Paulo: Hedra, 2012.

BERNARDO, Luiz Miguel. História da luz e das cores. Porto: Editora UP, 2009. v. 1.

CAILLOIS, Roger. El mito y el hombre. Trad. Jorge Ferreiro. México: Fondo de Cultura Económica, 1993. p. 9.

CAPELA, Marciano. Las núpcias de filologia y mercúrio. Las bodas místicas. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 2016. v. I.

CASCAES, Franklin J. In: LUZ, J. L. Transcrição de entrevista de Franklin Joaquin Cascaes a Gelci José Coelho. 1996. Relatório de Estágio –Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1996.

CASCAES, Franklin J. Vida e arte: entrevista concedidas e textos organizados por Raimundo Caruso. 2. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1989.

CASCAES, Franklin. Caderno 1. [Florianópolis: s.n.], 1961.

CASCAES, Franklin. Caderno 17. [Florianópolis: s.n.], 1961.

CASCAES, Franklin. Caderno 40. [Florianópolis: s.n.], 1961.

CASCAES, Franklin. Caderno 52. [Florianópolis: s.n.], 1958.

CASCAES, Franklin. Caderno 60, [Florianópolis: s.n.], 1958?.

CASCAES, Franklin. Caderno 67. [Florianópolis: s.n.], 1970?.

CASCAES, Franklin. Caderno 86. [Florianópolis: s.n.], 1970?.

CASCAES, Franklin. Pasta 3, Folha avulsa 219. [Florianópolis: s.n.], 1972.

CASCAES, Franklin. Pasta 4, Folha avulsa 150. [Florianópolis: s.n.], 1970?.

CASCAES, Franklin. Pasta 9, Folha avulsa 258. [Florianópolis: s.n.], 1970?.

CASCAES, Franklin. Pasta 9, Folha avulsa 237. [Florianópolis: s.n.], 1974.

CASCAES, Franklin. Pasta 10, Folha avulsa 270. [Florianópolis: s.n.], 1973.

CASCAES, Franklin. Pasta 10, Folha avulsa 275. [Florianópolis: s.n.], 1970?.

CASCAES, Franklin. Pasta 16, Folha avulsa 411. [Florianópolis: s.n.], 1960?.

CASCAES, Franklin. Pasta 9, Folha avulsa 237. [Florianópolis: s.n.], 1974.

CASCAES, Franklin. Pasta 16, Folha avulsa 13. [Florianópolis: s.n.], 1970.

CASCUDO, Luís da Câmara. Boitata. In. Dicionário do Folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1954. v. 1, p. 108-109

CASTELLANO, Cristina. Breves notas sobre a biografia de uma coleção. In: GRAIPEL Jr., Hermes J. Franklin Cascaes: outros olhares. Florianópolis: Fundação Franklin Cascaes, 2011. p. 87-116.

CIDADE, Daniela Mendes. Cicatrizes na paisagem: o trabalho de Cláudia Zimmer entre o olhar e o lugar. Estúdio, Lisboa, v. 8, n. 18, jun. 2017. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1647-61582017000200008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 27 maio 2020.

COSTA, Cláudia Lima; FUNCK, Susana Bornéo. O antropoceno, o pós-humano e o novo materialismo: intervenções feministas. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 2, p. 903-907, mar./ago. 2017.

DIEGUES, Antonio Carlos. O mito da natureza intocada. São Paulo: Nupaub: Hucitec, 2008.

ELIADE, Mircea. O mito do eterno retorno. Trad. Manuela Torres. Lisboa: Edições 70, 1985.

ELIADE, Mircea. Imagens e símbolos. Trad. Maria Andozinda Oliveira Soares. Lisboa: Arcádia, 1979. p. 70.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. Trad. Pola Civelli. São Paulo: Perspectiva, 2016.

FLORES, Maria Bernardete Ramos. Se me deixam falar. In: A FARRA DO BOI: palavras, sentidos, ficção. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2007. p. 143-160.

FOLHA DE SÃO PAULO. Homens que gostam de fingir que são cães andam em matilhas em São Francisco. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/05/homens-que-gostam-de-fingir-que-sao-caes-andam-em-matilhas-em-san-francisco.shtml. Acesso em: 21 dez. 2020.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Limiar, aura e rememoração: ensaios sobre Walter Benjamin. São Paulo: Editora 34, 2014.

HUR, José Ben. Acréscimo de marinha e planejamento urbano: estudo de caso do aterro da Via Expressa Sul. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

IGOR, Renato. Prefeitura de Florianópolis dá 180 dias para Casan parar captação na Lagoa do Peri. NSC total, [Florianópolis], 14 set. 2020. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/colunistas/renato-igor/prefeitura-de-florianopolis-da-180-dias-para-casan-parar-captacao-na-lagoa. Acesso em: 21 dez. 2020.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

KRENAK, Ailton. A vida das famílias foi atropelada há cinco anos, diz Ailton Krenak sobre desastre no rio Doce. Folha uol, [s.l.], 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/10/a-vida-das-familias-foi-atropelada-ha-cinco-anos-diz-ailton-krenak-sobre-desastre-no-rio-doce.shtml. Acesso em: 23 nov. 2020.

LATOUR, Bruno. Diante de Gaia. Trad. de Maryalua Meyer. São Paulo: UBU, 2020.

LÉVY-BRUHL, Lucien. La mentalidad primitiva. Trad. de Gregorio Weiberg. Buenos Aires: Ediciones Leviatán, 1957.

LÉVY-STRAUSS, Claude e ERIBON, Didier. De perto e de longe. Trad. Léa Mello e Julieta Leite. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

MAFFESOLI, Michel. A conquista do presente. Trad. Márcia Cavalcante. Rio de Janeiro: Rocco, 1984.

MAGALHÃES, Couto de. O selvagem. Curso de língua geral segundo Ollendorf (1ª parte)/ Origens, costumes, região selvagem (2ª parte). Rio de Janeiro: Typographia da Reforma, 1876.

MITÓLOGO. In: Dicionário Grego-português: DGP. 2. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2010. p. 185.

MORIN, Edgar. El método III: el conocimiento del conocimiento. Trad. Ana Sánchez y Dora Sánchez García. Madrid: Cátedra, 1994.

PÁDUA. José Augusto. Vivendo no Antropoceno: incertezas, riscos e oportunidades. [S.l.: Museu do Amanhã, 20--]. Disponível em: https://museudoamanha.org.br/livro/10-vivendo-no-antropoceno.html. Acesso em: 29 maio 2020.

PATTANAIK, Devdutt. Mitologias Hindu: cuentos, símbolos, rituales. Buenos Aires: Kier, 2006.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad. Lilian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro. 3. ed. São Paulo: Global, 2015.

ROSA, Edson. História de Florianópolis: caieiras eram fornos que transformaram sambaquis em cal. Jornal NDmais, [Florianópolis], 18 out. 2015. Disponível em: https://ndmais.com.br/noticias/historia-de-florianopolis-caieiras-eram-fornos-que-transformaram-sambaquis-em-cal/. Acesso em: 25 maio 2020.

ROSA, Edson. Mesmo com barreira de pedras na Armação, mar avança no Morro das Pedras e ameaça Lagoa do Peri. Jornal NDmais, [Florianópolis], Sessão Cidade, 24 set. 2014. Disponível em: https://ndmais.com.br/noticias/mesmo-com-barreira-de-pedras-na-armacao-mar-avanca-no-morro-das-pedras-e-ameaca-lagoa-do-peri/. Acesso em: 20 maio 2020.

SANTOS, Paulo César dos. Espaço e memória: o aterro da Baía Sul e o desencontro marítimo de Florianópolis. 1997. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1997.

TORRES, Aline. O Sumiço do Berbigão, o molusco que é sucesso no litoral de SC e corre risco de extinção. Gazeta do Povo, [s.l.], Sessão Bom Gourmet. 26 mar. 2019. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/bomgourmet/produtos-ingredientes/berbigao-o-molusco-que-e-sucesso-no-litoral-de-sc-e-corre-risco-de-extincao/. Acesso em: 20 maio 2020.

TURIN, Rodrigo. Tempos precários: aceleração, historicidade e semântica neoliberal. Copenhague: Zazie Edições, 2019.

VÁRZEA, Virgílio. A Ilha. Florianópolis: Lunardelli, 1985.

WARBURG, Aby. A renovação da Antiguidade pagã. Trad. Markus Hediger. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

Downloads

Publicado

2022-04-30

Como Citar

FLORES, M. B. R. Pensar com os mitos: sobre ecologia nos boitatás de Franklin Cascaes. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 14, n. 35, p. e0201, 2022. DOI: 10.5965/2175180314352022e0201. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180314352022e0201. Acesso em: 21 maio. 2022.