Manuais didáticos em questão: propostas de ensino da História da América (1971 e 2011)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180313322021e0205

Resumo

Analisa diferentes propostas para o ensino/aprendizagem de conteúdos de História da América presentes em dois manuais didáticos: o Cadernos MEC: História da América (1971) e História Geral e do Brasil (2011). A análise orienta-se pelo método regressivo (BLOCH, 2001), em busca de permanências e descontinuidades nas disciplinas escolares, de modo geral, e no Ensino de História, em particular. Além do intervalo de quarenta anos entre as publicações, os manuais se distanciam quanto aos aspectos pedagógicos e historiográficos: o Cadernos MEC: História da América varia entre indícios do ideário escolanovista e de uma perspectiva tradicional, com atividades pautadas no método mnemônico; a obra didática de Vicentino e Dorigo (2011) compõe-se de atividades que favorecem a autonomia intelectual dos estudantes, o que indica uma adequação do conteúdo pedagógico a princípios neoliberais, ao privilegiar o protagonismo de cada estudante em seu processo de aprendizagem. Quanto à concepção de História, o manual de 1971 apresenta algumas feições positivistas, com centralidade em datas e fatos de personagens de uma história predominantemente política. Na seção assessoria pedagógica da obra de 2011 há referências com possíveis interpretações derrotistas da América Espanhola, com foco na exploração e violência dos “vencedores sobre os vencidos”, contudo, os exercícios se alinham aos pressupostos da Nova História, o que permite a elaboração do conhecimento histórico pelos estudantes, por meio da análise interna e externa de fontes iconográficas, da interpretação de textos historiográficos e da multiplicidade de abordagens e de fontes históricas. Compreender quais sujeitos têm lugar nas expectativas curriculares é escolha crucial para a composição da tapeçaria a ser tecida pelo historiador (GINZBURG, 2007), mas também ajuda a pensar o papel dos manuais didáticos, como produtos que são, carregados de intenções.

Biografia do Autor

Miriã Lúcia Luiz, Universidade Federal do Espírito Santo

Possui graduação em Pedagogia (2004) e História (2009), mestrado (2010) e doutorado (2015) em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo. É membro do Núcleo Capixaba de Pesquisa em História da Educação (NUCAPHE). É professora Adjunto-A do Quadro Permanente da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Atua nas áreas de História da Educação, Ensino de História e Formação e prática de professores.

Rosianny Campos Berto, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (PPGE/Ufes); pesquisadora do Núcleo Capixaba de Pesquisa em História da Educação (NUCAPHE).

Referências

ABUD, Kátia. Currículos de história e políticas públicas: os programas de história do Brasil na escola secundária. In: BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes (org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2008. p. 28-41.

BEZERRA, Holien Gonçalves. Conceitos básicos: ensino de história: conteúdos e conceitos básicos. In: KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2005. p. 37-48.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. O percurso acidentado do ensino de história da América. In: IOKOI, Zilda Márcia Gricoli; BITTENCOURT, Circe Maria. Educação na América Latina. Rio de Janeiro: Expressão E Cultura; São Paulo: EDUSP, 1996. p. 203-218.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de história da América: reflexões sobre problemas de identidades. Revista Eletrônica da ANPHLAC, São Paulo, n. 4, p. 5-15, 2005. Disponível em: https://revista.anphlac.org.br/anphlac/article/view/1358. Acesso em: 7 maio 2020.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de história: fundamentos e métodos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Produção didática de história: trajetórias de pesquisas. Revista de História, São Paulo, n. 164, p. 487-516, jan./jun. 2011. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/19206/. Acesso em: 21 abr. 2020.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Ministério da Educação, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 3 abr. 2020.

BRASIL. Projeto de Lei 7180/2014. Câmara dos deputados. Altera o art. 3º da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, 2014. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=606722>. Acesso em: 7 abr. 2020.

BURKE, Peter. A escola dos Annales (1929-1989): a resolução francesa da historiografia. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1997.

CARVALHO, Carlos Delgado; RIEMER, Ana Maria Delgado de Carvalho. História da América: cadernos MEC. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura/Fundação Nacional de Material Escolar - Fename, 1971.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A caixa de utensílios e o tratado: modelos pedagógicos, manuais de Pedagogia e práticas de leitura de professores. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 4., 2006, Goiânia. Anais [...]. Goiânia: Sociedade Brasileira de História da Educação, 2006. 1 CD-ROM.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. 10. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Livro didático como assistência ao estudante. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 9, n. 26, p. 119-130, jan./abr. 2009. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/3682/3598. Acesso em: 3 mar. 2020.

ESPÍRITO SANTO. Secretaria da Educação. Ensino médio: área de Ciências Humanas. Secretaria da Educação. Vitória: SEDU, 2009. Disponível em: https://sedu.es.gov.br/Media/sedu/pdf%20e%20Arquivos/Curr%C3%ADculo/SEDU_Curriculo_Basico_Escola_Estadual_(FINAL).pdf. Acesso em: 3 mar. 2019.

FERNANDES, Luiz Estevam; MORAIS, Marcus Vinícius de. História da América: renovação da história da América. In: KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2005. p. 143-162.

FILGUEIRAS, Juliana Miranda. A produção de materiais didáticos pelo MEC: da campanha nacional de material de ensino à fundação nacional de material escolar. Rev. Bras. Hist., São Paulo, v. 33, n. 65, p. 313-335, 2013a. Disponível em: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/7531. Acesso em: 3 mar. 2019.

FILGUEIRAS, Juliana Miranda. Os cadernos MEC de história e matemática: dispositivos pedagógicos e constituição da cultura escolar. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 7., 2013, Cuiabá. Anais [...]. Cuiabá: Sociedade Brasileira de História da Educação, 2013b. 1 CD-ROM.

FONSECA, Thaís Nívea de Lima. História & ensino de história. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

FONSECA, Selva Guimarães. Didática e prática do ensino de história: experiências, reflexões e aprendizados. Campinas: Papirus, 2003.

GINZBURG, Carlo. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HUPP, Wallace Manoel. Leitura de imagens em livros didáticos de história: análise de propostas da produção do saber histórico escolar. Curitiba: Appris, 2014.

IBARRA, David. O neoliberalismo na América Latina. Rev. Econ. Polit., São Paulo, v. 31, n. 2, p. 238-248, jun. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31572011000200004. Acesso em: 3 mar. 2019.

KARNAL, Leandro. As Veias Fechadas da América Latina. [S.l.: s.n.], 2001. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/194094303/KARNAL-Leandro-Veias-Fechadas-Da-America-Latina. Acesso em: 19 mar. 2020.

LAVILLE, Christian. A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de história. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 19, n. 38, p. 125-138, 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01881999000200006. Acesso em: 3 mar. 2019.

LUIZ, Miriã Lucia. Dentro e fora da ordem: diretrizes curriculares para o ensino de História no Espírito Santo em tempos autoritários (1964-1985). 2015. 205 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015. Disponível em: https://educacao.ufes.br/pt-br/pos-graduacao/PPGE/detalhes-da-tese?id=8736. Acesso em: 2 mar. 2019.

MARINHO, Analice Alves. Por uma “América mais americana”: as representações da América espanhola em manuais didáticos para a formação de professores argentinos (1910-1913). Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 8, n. 2, p. 375-396, jul./dez. 2013. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/4857/3628. Acesso em: 2 mar. 2019.

MARTINS, Maria do Carmo. Currículo, cultura e ideologia na ditadura militar brasileira: demarcação do espaço de atuação do professor. In: CERRI, Luis Fernando (org.). O ensino de história e a ditadura militar. 2. ed. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 2007. p. 29-46.

MIMESSE, Eliane. A prática pedagógica dos professores de história no uso dos livros didáticos. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 35, p. 96-107, set. 2009. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639616. Acesso em: 2 marc. 2019.

MIRANDA, Sonia Regina; LUCA, Tania Regina de. O livro didático de história hoje: um panorama a partir do PNLD. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 24, n. 48, p. 123-144, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882004000200006. Acesso em: 2 mar. 2019.

MORENO, Jean Carlos. História na base nacional comum curricular. Déjà vu e novos dilemas no século XXI. História & Ensino, Londrina, v. 22, n. 1, p. 7-27, jan./jun. 2016. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/view/26158. Acesso em: abr. 2019.

MUNAKATA, Kazumi. O livro didático: alguns temas de pesquisa. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 12, n. 3 (30), p. 179-197, set./dez. 2012. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/38817. Acesso em: 7 marc. 2019.

MUNAKATA, Kazumi. Dois manuais de história para professores: histórias de sua produção. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 513-529, set./dez. 2004. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/27955. Acesso em: 2 abr. 2020.

OLIVEIRA, Susane Rodrigues de. Memórias, subjetivação e educação no tempo presente: como as representações de violência sexual são abordadas nos livros didáticos de História? Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 11, n. 28, p. 466-502, set./dez. 2019. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180311282019466. Acesso em: 2 mar. 2020.

REIS, Thiago. História da América na BNCC. Associação Nacional de História: Seção Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: https://anpuh.org.br/index.php/bncc-historia/item/3129-historia-da-america-e-a-bncc. Acesso em: 19 mar. 2020.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora Moreira dos Santos. História do ensino de história no Brasil: uma proposta de periodização. Revista História da Educação, Porto Alegre, v. 16, n. 37, p. 73-91, maio/ago., 2012. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/asphe/article/view/24245. Acesso em: 19 mar. 2019.

SILVA, Vitória Rodrigues e. O ensino de história da América no Brasil. Diálogos, Maringá: DHI/PPH/UEM, v. 8, n. 2, p. 83-104, 2004. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Dialogos/article/view/38105. Acesso em: 19 mar. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (UFES). Projeto pedagógico do curso de história. Vitória: Colegiado de História, 2018.

URBAN, Ana Claudia; SCHMIDT, Maria Auxiliadora Moreira dos Santos. A construção do código disciplinar da história da América no Brasil, no período da ditadura militar: os “cadernos MEC”. Revista de História da UEG, Anápolis, v. 3, n. 1, p. 1-14, jan./jun. 2014. Disponível em: https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/2130. Acesso em: 19 mar. 2020.

VALE, Nayara Galeno do. Delgado de Carvalho e o ensino de história: livros didáticos em tempos de reformas educacionais (1931-1946). 2011. 200 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: https://minerva.ufrj.br/F/IRR5R823QHIQTM3NBVPQEFLAPRQAGTLPIMSFX7P3C5ADBPVF8X-40896?func=find-b&find_code=WRD&request=Nayara+Galeno+do+Vale&local_base=UFR01. Acesso em: 19 mar. 2020.

VICENTINO, Claudio; DORIGO, Gianpaolo. História geral e do Brasil. São Paulo: Editora Scipione, 2011. v. 2.

WEISS, Arthur Bernardes. História do Brasil: caderno 3. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura: Departamento Nacional de Educação: Campanha Nacional de Material de Ensino, 1963.

Downloads

Publicado

2021-04-15

Como Citar

LUIZ, M. L.; BERTO, R. C. Manuais didáticos em questão: propostas de ensino da História da América (1971 e 2011). Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 13, n. 32, p. e0205, 2021. DOI: 10.5965/2175180313322021e0205. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180313322021e0205. Acesso em: 1 ago. 2021.