Delatores e práticas de delação no limiar da Ditadura Militar do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180313322021e0201

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar a atuação dos delatores voluntários e dos informantes colaboracionistas durante a Ditadura Militar no Brasil (1964-1985). Para isso, utilizamos as cartas e os bilhetes enviadas por cidadãos comuns aos órgãos de segurança e para a polícia política, delatando militantes políticos, vizinhos, colegas de trabalho e amigos. A documentação analisada encontra-se no Fundo DOPS, arquivada no Departamento Estadual de Arquivo Público do Paraná (DEAP). Constatamos que a prática da delação era bastante comum durante a Ditadura Militar e que os delatores tiveram papel importante, contribuindo com os órgãos de segurança do regime militar, no processo de vigilância e de controle social da população brasileira.

Biografia do Autor

Angelo Priori, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Doutor em História e Sociedade pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professor do Programa de Pós-Graduação em História da  Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Leandro Brunelo, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Doutor em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM)
Professor da Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Referências

ALVARENGA, Selma Carmen Alcântara. A atuação da Igreja Católica no processo de organização dos sindicatos de trabalhadores rurais do Norte do Paraná (1962-1969): o caso da Frente Agrária Paranaense. 2008. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2008.

AMANCIO, Silvia Maria. Ontem, luta pela terra; hoje, monumento histórico: a revolta dos posseiros do Sudoeste do Paraná em suas variadas versões. 2009. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2009.

ANSART, Pierre. História e memória dos ressentimentos. In: BRESCIANI, Stela; NAXARA, Márcia (org.). Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. 2. ed. Campinas: Ed. Unicamp, 2004, p. 15-36.

APOLONIO, Luís. Manual de polícia política e de ordem social. São Paulo: Acadepol, 1954.

ARENDT, Hannah. Responsabilidade e julgamento. São Paulo: Cia das Letras, 2004.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. 1. ed. São Paulo: Cia das Letras, 2007.

ARNS, Paulo Evaristo. Brasil: nunca mais: Um relato para a história. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1985.

ASSUNÇÃO, Rosangela Pereira de Abreu. DOPS/MG: Imaginário anticomunista e policiamento político (1935-1964). 2006. 175 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

BAUMAN, Zygmunt. Medo líquido. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

BOXER, Charles Ralph. Os holandeses no Brasil: 1624-1654. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1961. (Coleção Brasiliana, n. 312).

BREPOHL, Marion. Censura e repressão (1964-1982): lembrar, mas do quê? Revista da Anistia e de Justiça de Transição, Brasília, n. 5, p. 138-148, 2012.

BRITO, Angélica. “A cruz vencerá o comunismo”: o discurso anticomunista do jornal Folha do Norte do Paraná (1962-1965). 2015. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2015.

BRUNELO, Leandro. Universos opostos: o embate político entre os militantes do PCB e a DOPS/PR durante o regime militar. Histórica – Revista Eletrônica do Arquivo Público do Estado de São Paulo. São Paulo, n. 34, 2009. Disponível em: http://www.historica.arquivoestado.sp.gov.br/materias/anteriores/edicao34/materia04/. Acesso em: 19 maio 2020.

CAMPOS, Marcos Adriani Ferrari. Resistência e repressão no oeste paranaense: o caso da VAR-Palmares em Nova Aurora em 1970. Marechal Cândido Rondon, 2014. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2014.

CANCELLI, Elizabeth. O mundo da violência: a polícia da era Vargas. 2. ed. Brasília: Ed. UnB, 1994.

CENARRO, Ángela. Matar, vigilar y delatar: la quebra de la sociedade civil durante la guerra y la pós-guerra em España (1936-1948). Historia social, Valência, n. 44, p. 65-86, 2002.

CERVANTES, Miguel de. Don Quijote. Madrid: [S.l.], 1999. E-book. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/gu000031.pdf. Acesso em: 27 fev. 2021.

CORDEIRO, Janaina Martins. Delações e vida cotidiana no Brasil durante a ditadura civil-militar. Locus - Revista de história, Juiz de Fora, v.25, n. 2, p.223-238, 2019.

CURCÓ, Conxita Mir. Repressió militar i societat civil a la Catalunya rural durante l franquisme. L´Avenç, Barcelona, n. 251, p. 1395-1397, oct. 2000a.

CURCÓ, Conxita Mir. Vivir es sobrevivir: la repressión franquista en la Cataluña rural de pós-guerra. Lleida: Milenio, 2000b.

DEAP. Departamento Estadual de Arquivo Público do Estado do Paraná. Fundo DOPS. Pastas Temáticas números 212.94, 264.29, 797.94, 798.94, 799.94, 1084.131, 1143a.137, 1782.213 e 1870.213.

DEAP. Departamento Estadual de Arquivo Público do Estado do Paraná. Fundo DOPS. Fichas nominais números 02.809, 41.463, 45.992, 45.994 e 46.563.

DEAP. Departamento Estadual de Arquivo Público do Estado do Paraná. Fundo DOPS. Pastas individuais números 2193.400 e 2194.400.

–DELUMEAU, Jean. História do medo no ocidente (1300-1800). São Paulo: Companhia do Bolso, 2009.

FABRE, Jaume. La delació dins la repressió franquista de postguerra. L´Avenç, Barcelona, n. 75, p. 30-39, oct. 1984.

FICO, Carlos. “Prezada censura...”: cartas ao regime militar. Topoi. Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 251-286, 2002.

FICO, Carlos. Além do golpe: versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. 2. Ed. Rio de Janeiro: Record, 2012.

FITZPATRICK, Sheila; GELLATELY, Robert (orgs). Accusatory practices: denunciation in modern european history (1789-1989). Chicago: The University of Chicago Press Book, 1996a.

FITZPATRICK, Sheila; GELLATELY, Robert. Introduction to the practices of denunciation in modern european history. The Journal of Modern History, Chicago, v. 68, n. 4, p. 747-767, 1996b.

FLORINDO, Marcos Tarcísio. O serviço reservado da delegacia de ordem política e social de São Paulo na era Vargas. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

GABEIRA, Fernando. O que é isso companheiro? São Paulo: Cia das Letras, 2009.

GELLATELY, Robert. Apoiando Hitler: consentimento e coerção na Alemanha Nazista. Rio de Janeiro: Record, 2011.

HELLER, Milton Ivan. Depoimento 1: visão crítica sobre o Partido. In: CODATO, Adriano; KIELLER, Marcio. Velhos vermelhos: história e memória dos dirigentes comunistas no Paraná. Curitiba: Ed.UFPR, 2008, p. 87-102.

HERLER, Thomaz Joezer. Formação e trajetória do primeiro MR-8: possibilidades e limites de construção de uma vanguarda revolucionária político-militar (1964-1969). Marechal Cândido Rondon, 2015. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2015.

IPÓLITO, Verônica Karina. O vermelho que violenta a ordem: os comunistas sob o olhar do DOPS no Paraná. 2016. 253 f. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Ciências e Letras / Universidade Estadual Paulista - Unesp, Assis, 2016.

JOLY, Laurent (org.). Introduction. In: La délation dans la France des années noires. Paris: Perrin, 2012.

KEHL, Maria Rita. Ressentimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

KOLING, Paulo José. A revolta de 1957 no Sudoeste do Paraná: a luta pela terra entre memórias e comemorações. Guarapuava: Ed. Unicentro, 2018.

LAURO, Claudia Rosa. Miedo. In: COLLING, Ana Maria; TEDESCHI, Losandro Antônio (org.). Dicionário crítico de gênero. 2. ed. Dourados: Ed. UFGD, 2019.

LVOVICH, Daniel. Sospechar, delatar, incriminar: las denuncias contra el enemigo político en la última ditadura militar Argentina. Ayer, Buenos aires, v. 107, n. 3, p. 73-98, 2017.

MACHADO, Paulo Pinheiro. Lideranças do Contestado. Campinas: Ed. Unicamp, 2004.

MAGALHÃES, Marion Brepohl. A lógica da suspeição: sobre os aparelhos repressivos à época da ditadura militar no Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 17, n. 23, p. 203-220, 1997.

MAGALHÃES, Marion Brepohl. Marion. Les pouvoirs insidieux des hommes ordinaires pendant la Dictature militaire au Brésil. Droit et cultures: Revue Internationale Interdisciplinaire, Paris, v. 57, n. 1, p. 217-224, 2009. Disponível em: http://journals.openedition.org/droitcultures/1366. Acesso em: 06 jan. 2019.

MANSAN, Jaime Valim. Subversivos: ditadura e controle social na educação superior do Brasil (1964-1988). 2014. 396 f. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

MEIRELES, Cecília. Romanceiro da inconfidência. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

MONTEIRO, Cláudia. “Fora dos trilhos”: a experiência da militância comunista na rede de Viação Paraná-Santa Catarina (1934-1945. 2007. 135 f. Dissertação (Mestrado em História) – IFCH/Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva, 2002.

O QUE é isso companheiro? Direção: Bruno Barreto. Rio de Janeiro: L. C. Barreto Ltda, 1997. 1 DVD (106 min.).

PEREIRA, Márcio José. Sentimentos, ressentimentos e violência: a ação da Polícia Política no Paraná em relação aos indivíduos de origem germânica (1942-1945). 2017. 283 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

PRADELA, Luana Milani. Os grupos dos onze no Paraná: Trajetórias. 2019. 179 f. Dissertação (Mestrado em História) – Unioeste, Campus de Marechal Cândido Rondon, Marechal Cândido Rondon, 2019.

PRIORI, Angelo. O levante dos posseiros: a revolta camponesa de Porecatu e a ação do PCB no campo. Maringá: Eduem, 2012.

PRIORI, Angelo. O protesto do trabalho: história das lutas sociais dos trabalhadores rurais do Paraná (1954-1964). Maringá: Eduem, 1996.

PRIORI, Angelo. Polícia política e ordenamento jurídico (Paraná: 1930-1964). In: MUNIZ, Altemar da Costa; MARTINS, Luis Carlos dos Passos. História política: interfaces e diálogos. Fortaleza: Ed. UECE ; Porto Alegre: EdiPucRS, 2016, p. 205-230.

PRIORI, Angelo; MATHIAS, Meire; FIORUCCI, Rodolfo (org.). O anticomunismo e a cultura autoritária no Brasil. Curitiba: Prismas, 2017.

QUINALHA, Renan Honório. Contra a moral e bons costumes: a política sexual da ditadura brasileira (1964-1985). 2017. 329 f. Tese (Relações Internacionais) – Instituto de Relações Internacionais, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

REGGIANI, João Paulo de Medeiros. Repressão aos “Grupo dos Onze” na região Norte do Estado do Paraná (1963-1964). 2015. 138 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2015.

REIS FILHO, Daniel Aarão et. al. Versões e ficções: o sequestro da história. São Paulo: FPA, 1997.

RODEGHERO, Carla Simone. O diabo é vermelho: imaginário anticomunista e Igreja Católica no Rio Grande do Sul. 2. ed. Passo Fundo: Editora da UPF, 2003.

RODRIGUES, João Gaspar. A prática da delação e sua funcionalidade em ambiente democrático. De Jure, Belo Horizonte, n. 26, p. 77-107, 2016.

ROLIM, Rivail Carvalho. A reorganização da polícia no Estado do Paraná nos anos 1950. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 5, n. 1, p. 153-166, 2000.

SAMWAYS, Daniel Trevisan. Imaginários sociais, sentimentos reais: medo e paranoia no discurso anticomunista do Serviço Nacional de Informações (1970-1973). 2014. 250 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

SCHELER, Max. L’homme du ressentiment. Paris: Gallimard, 1958.

SILVA, Carla Luciana; BATISTA, Alfredo (org.). Combatentes: tempo de falar: depoimentos da audiência pública da comissão estadual da verdade do Paraná. Cascavel: Edunioeste, 2016.

SILVA, Marcília Gama. Informação, repressão e memória: a construção do estado de exceção no Brasil na perspectiva do DOPS/PE (1964-1985). 2007. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

SILVA, Rodrigo Pereira. Os informantes da polícia política e a questão do anticomunismo durante a ditadura civil-militar (Paraná, 1964-1985). 2017. 116 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2017.

SOUSA, Reginaldo Cerqueira. República das mulheres de virtude: um estudo sobre as bases sociais de apoio ao governo dos militares (1964-1985). 2016. 219 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

SOUZA, Sérgio Alves. Duas vezes Calabar: 1632/1973. Projeto História. São Paulo, v. 29, n. 2, p. 499-512, 2004.

Downloads

Publicado

2021-03-22

Como Citar

PRIORI, A.; BRUNELO, L. Delatores e práticas de delação no limiar da Ditadura Militar do Brasil. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 13, n. 32, p. e0201, 2021. DOI: 10.5965/2175180313322021e0201. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180313322021e0201. Acesso em: 1 ago. 2021.