O Futebol em Tempos de Conflito: os grandes clubes do Rio de Janeiro e a Segunda Guerra Mundial (1942-1945)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180313322021e0101

Resumo

Em agosto de 1942, o Brasil declarou guerra à Alemanha e Itália e, no período subsequente a essa declaração, houve intensa mobilização do Estado brasileiro para articular o front externo – com a estruturação da Força Expedicionária Brasileira (FEB) – e o interno –, com a mobilização maciça dos recursos civis para o esforço de guerra. A produção historiográfica sobre o período tem priorizado a discussão da atuação do Estado nesse processo, seja através da análise da participação brasileira no conflito, seja enfatizando o seu caráter autoritário e os mecanismos repressivos por ele utilizados para mobilizar e controlar a sociedade.  Estudos sobre a atuação de entidades da sociedade, que, com algum grau de autonomia e por interesses diversos, também atuaram no esforço de guerra, são relativamente escassos. Tendo como ponto de partida as relações entre Estado e sociedade durante o Estado Novo, este trabalho pretende analisar a mobilização dos principais clubes de futebol cariocas durante a Segunda Guerra Mundial, a partir de matérias publicadas pela imprensa do Rio de Janeiro e da documentação disponível no acervo dos clubes. Parte-se da hipótese de que houve, mesmo que de forma esparsa, certo grau de atuação autônoma de setores da sociedade carioca para o esforço de guerra.

Biografia do Autor

Adriano de Freixo, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Doutor em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Professor da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Vágner Camilo Alves, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Mestre em Relações Internacionais (IRI/ PUC-RJ, 1998), Doutor em Ciência Política (IUPERJ, 2005). Professor do INEST/UFF desde 2008. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos (PPGEST - INEST/UFF) no período 2009-2017. Diretor do INEST/UFF desde 2020.

Referências

A CAMPANHA da CBD pró-avião “Pax”. O Globo, Rio de Janeiro, p. 8, 14 maio 1942.

A COBRA está fumando – A homenagem dos esportes ao soldado expedicionário. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 10, 1 dez. 1944.

AGOSTINO, Gilberto. Vencer ou morrer: futebol, geopolítica e identidade nacional. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

ALVES, Vágner Camilo. O Brasil e a Segunda Guerra Mundial: história de um envolvimento forçado. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2002.

ALVES, Vágner Camilo. Da Itália à Coréia: decisões sobre ir ou não à guerra. Rio de Janeiro: IUPERJ; Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

AMADORES do Botafogo e Escola de Aeronáutica. Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, p. 4, 15 out. 1943.

A PRIMEIRA conferência cultural do Vasco da Gama. Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, p. 6, 15 abr. 1942.

ASAS para Defesa dos Céus do Brasil! Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, p. 1, 10 dez. 1942.

CAMPANHA em prol do avião “Pax”. Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, p. 6, 21 ago. 1942.

CANCELLI, Elizabeth. A leniência e Vargas: falas da história. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 33, n. 71, p. 448-468, set./dez. 2020.

CAPELATO, Maria Helena. Propaganda política e controle dos meios de comunicação. In: PANDOLFI, Dulce (org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1999. p. 167-178.

CARVALHO, Estevão Leitão de. A serviço do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Editora A Noite, 1952.

CARVALHO, Ney Oscar R. de; PEPE, Braz Francisco W.; MIRANDA, Luiz Felipe C. de. Botafogo, o Glorioso: uma história em preto e branco. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 1996.

COELHO NETTO, Paulo. História do Fluminense (1902-2002). Rio de Janeiro: Pluri, 2002.

COLABORA o Flamengo no esforço de guerra do Brasil. Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, p. 3, 13 dez. 1942.

CONN, Stetson; FAIRCHILD, Byron. A estrutura de defesa do hemisfério ocidental. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2000.

CORSI, Francisco Luiz. Estado Novo: política externa e projeto nacional. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

COUTINHO, Renato Soares. Um Flamengo grande, um Brasil maior: o Clube de Regatas do Flamengo e o imaginário político nacionalista popular (1933-1955). 2013. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2013.

COUTO, André Alexandre G. A hora e a vez dos esportes: a criação do Jornal dos Sports e a consolidação da imprensa esportiva no Rio de Janeiro (1931-1950). 2011. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2011.

COUTO, Euclides de Freitas. Da ditadura à ditadura: uma história política do futebol brasileiro (1930-1978). Niterói: EDUFF, 2014.

CRVG. C.R. Vasco da Gama e a F.E.B. Rio de Janeiro: Sociedade Gráfica Vida Doméstica, 1960.

CURSO de enfermeira socorrista no C.R. Flamengo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 3, 6 mai. 1943.

CYTRYNOWICZ, Roney. Guerra sem guerra: a mobilização e o cotidiano em São Paulo durante a Segunda Guerra Mundial. São Paulo: EDUSP, 2000.

DUARTE, Carlos Sérgio Sobral. A política externa brasileira de 1934 a 1942: diplomacia “pendular” ou hegemonia americana? Cadernos do IPRI, Brasília, n. 2, p. 17-27, 1989.

DRUMOND, Maurício. Os gramados do Catete: futebol e política na Era Vargas (1930-1945). In: SILVA, Francisco Carlos Teixeira; SANTOS, Ricardo Pinto. Memória social dos esportes: futebol e política: a construção de uma identidade nacional. Rio de Janeiro: Mauad, 2006. p. 107-132.

DRUMOND, Maurício. Nações em jogo: esporte e propaganda política em Vargas e Perón. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

DRUMOND, Maurício. Vargas, Perón e o esporte: propaganda política e a imagem da nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 22, n. 44, p. 398-421, jul./dez. 2009.

FERNANDES, Luís. O encontro de tradições: prefácio. In: REBELO, Aldo. Palmeiras x Corinthians 1945: o jogo vermelho. São Paulo: Editora UNESP, 2010. p. 17-20.

FERNANDEZ, Renato Lanna. Fluminense Foot-Ball Club: a construção de uma identidade clubística no futebol carioca (1902-1933). 2010. Dissertação (Mestrado em História, Política e Bens Culturais) – Centro de Pesquisa e Documentação, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2010.

FERRAZ, Francisco César Alves. A guerra que não acabou: a reintegração social dos veteranos da força expedicionária brasileira. Londrina: EDUEL, 2012.

FERRAZ, Francisco César Alves. Polêmicas Historiográficas sobre a participação da Força Expedicionária Brasileira na Segunda Guerra Mundial. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 23., 2013, Natal. Anais [...]. Natal: ANPUH, 2013.

FERREIRA JÚNIOR, Alcemar Uma Visceral Rebeldia: clientelismo e isenções no recrutamento da Força Expedicionária Brasileira (1943-1944). In: SANTOS, Claudia R. Andrade dos et al. Estudos: volume II. Curitiba: Série Grupo de Pesquisa – LEPH, 2007.

FORTES, Alexandre; RIBEIRO, Felipe. Trabalhadores e Segunda Guerra Mundial: debates introdutórios para um dossiê. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 11, p. 1-17, 2019.

FREIXO, Adriano de. Futebol: o outro lado do jogo. São Paulo: Desatino, 2014.

HILL, Cristopher. The changing politics of foreign policy. Nova York: Palgrave MacMillan, 2002.

IMPONENTES as solenidades no Estádio da Gávea. Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, p. 1-3, 13 out. 1943.

McCANN JR., Frank D. Aliança Brasil-Estados Unidos, 1937/1945. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1995.

MENESES, Filipe Ribeiro de. Salazar: biografia definitiva. São Paulo: Leya, 2011.

MESPLÉ, Antônio de Moraes. A Política externa brasileira numa era de conflito pela hegemonia mundial (1935-1942). Cadernos do IPRI, Brasília, n. 2, p. 29-45, 1989.

MOURA, Gerson. Autonomia na dependência: a política externa brasileira de 1935 a 1942. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

O ESPORTE e o exército. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 5, 11 jan. 1945.

OLIVEIRA, Dennison de. Aliança Brasil-EUA: nova história do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Curitiba: Juruá Editora, 2015.

PANDOLFI, Dulce Chaves; GRYNSZPAN, Mario. Da revolução de 30 ao golpe de 37: a depuração das elites. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 9, p. 7-23, 1997.

PANSARDI, Marcos Vinícius. Reinterpretando o Brasil: da revolução burguesa à modernização conservadora. Curitiba: Juruá Editora, 2009.

PARA o Natal do expedicionário. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p.10, 13 dez. 1944.

PAULO, Heloísa. Aqui também é Portugal: a colônia portuguesa do Brasil e o salazarismo. Quarteto Editora: Coimbra, 2000.

PREFIXO de Guerra. Um juramento de fé na vitória da liberdade e da justiça. Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, p. 4, 26 set. 1942.

RAHMEIER, Andrea Helena Petry. Relações diplomáticas e militares entre a Alemanha e o Brasil: da proximidade ao rompimento (1937-1942). 2009. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

RIO DE JANEIRO (Cidade). Prefeitura Municipal. Correio da Manhã: Compromisso com a verdade. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 2001. (Cadernos de Comunicação: Série Memória).

SALUN, Alfredo Oscar. Palestra Itália e Corinthians: quinta coluna ou tudo buona gente? 2007. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

SANDER, Roberto. O Brasil na mira de Hitler: a história do afundamento de navios brasileiros pelos nazistas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

SANTOS, João Manuel C. Malaia. Revolução vascaína: a profissionalização do futebol e a inserção sócio-econômica de negros e portugueses na cidade do Rio de Janeiro (1915-1934). 2010. Tese (Doutorado em História Econômica) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

SARMENTO, Carlos Eduardo. A regra do jogo: uma história institucional da CBF. Rio de Janeiro: CPDOC-FGV, 2006.

SCHNAIDERMAN, Boris. Guerra em surdina. São Paulo: Brasiliense, 1995.

SEITENFUS, Ricardo. A entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000.

SOUZA, Denaldo Alchorne de. O Brasil entra em campo!: construções e reconstruções da identidade nacional (1930-1947). São Paulo: Annablume, 2008.

STREAPCO, João Paulo França. Cego é aquele que só vê a bola: o futebol paulistano e a formação de Corinthians, Palmeiras e São Paulo. São Paulo: Edusp, 2016.

UM ESPETÁCULO de gala e sensação, esta noite, nas Laranjeiras. O Globo, Rio de Janeiro, p. 8, 20 jan. 1942.

VIGEVANI, Tullo. Questão nacional e política exterior: um estudo de caso: formulação da política internacional do Brasil e motivações da Força Expedicionária Brasileira. 1989. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo 1989.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Como Citar

de Freixo, A., & Camilo Alves, V. (2021). O Futebol em Tempos de Conflito: os grandes clubes do Rio de Janeiro e a Segunda Guerra Mundial (1942-1945). Revista Tempo E Argumento, 13(32), e0101. https://doi.org/10.5965/2175180313322021e0101