Eduardo Matarazzo Suplicy: história oral de vida política – highlights de memória.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180312312020e0205

Resumo

Este artigo é consequência de uma entrevista de história oral realizada com Eduardo Matarazzo Suplicy e da memória verbalizada do narrador. Adotando-se a memória de expressão oral como elemento central para a história oral, avança para os efeitos disciplinares capazes de emoldurar temáticas escolhidas pelo interlocutor. Por isso, atende à temporalidade mnemônica. Parte da memória ao apresentar a sua história de vida política como gênero narrativo em história oral. Consequência imediata da entrevista foi a análise, ou a história oral aplicada, que indicou três highlights de memória: 1) Highlight, atenção desperta – sobre olhar pela janela; 2) Highlight, formação acadêmica – a constituição do político; 3) Highlight, ativismo – a constituição da política. Contribui para se pensar a história oral como derivada da memória verbalizada, para repensar a memória de elites econômicas, políticas, intelectuais e para o tratamento de políticas públicas pela história oral. Além disso, inverte a ordem escrita de documentos, leis e outros suportes para dar lugar à oralidade do político.

Palavras-chave: História Oral. Memória de Expressão Oral. Elites. Políticas Públicas.

Biografia do Autor

Leandro Seawright, Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas pela Universidade de São Paulo, FFLCH/USP. Professor adjunto nos cursos de graduação em História (licenciatura e bacharelado) da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Federal da Grande Dourados e do Programa de Pós-Graduação em História (mestrado e doutorado) – FCH/UFGD. É coordenador do Laboratório de Estudos em História Oral, Memória e História Pública da UFGD e foi coordenador do Núcleo de Estudos em História Oral – NEHO/USP

Referências

ALBERTI, Verena. O acervo de história oral do CPDOC: trajetória de sua constituição. Rio de Janeiro: CPDOC, 1998.

ALEKSIÉVITCH, Svetlana Aleksandrovna. Vozes de Chernobyl: história de um desastre nuclear. Lisboa: Elsinore, 2016.

ANDERSON, Perry. O Brasil de Lula. Novos estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 91, p. 23-52, 2011.

ANTUNES, Ricardo. A rebeldia do trabalho (o confronto operário no ABC Paulista: as greves de 1978/80). Campinas: Editora da UNICAMP, 1988.

BIRDWHISTELL, Terry L. The elite speak: political oral history at the University of Kentucky Library. The Kentucky Review, Lexington, p. 94-104, 1983. Disponível em: https://uknowledge.uky.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1005&context=libraries_facpub. Acesso em: 18 jun. 2019.

BOBBIO, Norberto. Dicionário de política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Atelier Editorial, 2003.

BRASIL. Congresso Nacional. Relatório Final. Comissão mista especial destinada a estudar as causas estruturais e conjunturas das desigualdades sociais e apresentar soluções legislativas para erradicar a pobreza e marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais. Brasília: O Congresso, 1999.

BRITTO, Tatiana; SOARES, Fabio Veras. Bolsa família e renda básica de cidadania – uma passo em falso? In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA REDE MUNDIAL DE RENDA BÁSICA (BIEN), 13., 2010, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: USP, 2010, p. 1-34. https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/188905/Textos%20para%20Discuss%C3%A3o%2075.pdf?sequence=1. Acesso em: 04 fev. 2019.

CAMPO FILHO, Antonio Claret. Transferência de renda com condicionalidades e desenvolvimento de capacidades: uma análise a partir da integração dos programas Bolsa Família e Vida Nova n Município de Nova Lima. 2007. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Manguinhos, 2007.

CARDOSO, Fábio Luiz Lopes. Da renda mínima à renda básica de cidadania. 2013. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

CARVALHO, Laura. Valsa brasileira. São Paulo: Todavia, 2018.

CASTRO, Celso; D’Araújo, Maria Celina; SOARES, Glaucio Ary Dillon (orgs.). A volta aos quartéis: a memória militar sobre a abertura. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 19995

CASTRO, Celso; D’Araújo, Maria Celina; SOARES, Glaucio Ary Dillon (orgs.). Os anos de chumbo: a memória militar sobre a repressão. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

CASTRO, Celso; D’Araújo, Maria Celina; SOARES, Glaucio Ary Dillon (orgs.). Visões do golpe: a memória militar sobre 1964. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

CASTRO, Celso; D’Araújo. Ernesto Geisel. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1997.

ERLL, Astrid. Cultural memory studies: an introduction. In: ERLL, Astrid; NÜNNING, Ansgar (ed.). Cultural memory studies: an international and interdisciplinary handbook. Berlin: De Gruyter, 2008.

FICO, Carlos. Além do golpe: a tomada do poder em 31 de março de 1964 e a ditadura militar. Rio de Janeiro: Record, 2012.

FICO, Carlos. Como eles agiam. Rio de Janeiro: Record, 2001.

FICO, Carlos. História do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Contexto, 2015.

FICO, Carlos. Repressão e transição política no Brasil. In: ARAUJO, Maria Paula; FICO, Carlos; GRIN, Monica. Violência na história: memória, trauma e reparação. Rio de Janeiro: Ponteiro, 2012.

FITCH, Kate. Making history: Reflections on memory and “elite” interviews. Public Relations Inquiry, n. 2, p. 131-144, 2015.

GATTAZ, André; MEIHY, Meihy; SEAWRIGHT, Leandro. A história oral nos vãos da democracia. In: GATTAZ, André; MEIHY, José Carlos Sebe Bom; SEAWRIGHT, Leandro. História oral: a democracia das vozes. São Paulo: Pontocom, 2019. p. 9-16.

GIANELLO, José Roberto. De fábricas reunidas Pamplona a indústrias Reunidas F. Matarazzo (1916). Raízes, São Caetano do Sul, n. 25, p.6-9, 2002.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas – a esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. São Paulo: Ática, 1987.

HALBWACHS, Maurice. On collective memory. Chicago: The University of Chicago Press, 1992.

IANONI, Marcus. Políticas públicas e Estado: o plano real. Lua Nova, São Paulo, n. 78, p. 143-183, 2009.

IUMATTI, Paulo Teixeira. 50 anos de Brasiliense (1943 – 1993). São Paulo: Brasiliense, 1993.

KECK, Margaret E. A lógica da diferença: o partido dos trabalhadores na construção da democracia brasileira. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010.

KINGDON, John W. Agendas, alternatives and public policies. New York: Addison-Wesley Educational Publishers, 2003.

MAINWARING, Scott. Democracia presidencialista multipartidária: o caso do Brasil. Lua Nova, São Paulo, n. 28-29, p. 21-74, 1993.

MARTINS, José de Souza. Conde Matarazzo: o empresário e a empresa. São Paulo: Hucitec Editora, 1973.

MARTINS, José de Souza. Do PT das lutas sociais ao PT do poder. São Paulo: Contexto, 2016.

MARTUSCELLI, Danilo Enrico. O PT e o impeachment de Collor. Opinião Pública, Campinas, n. 2, p. 542-546, 2010.

MATTOS, Marcelo Badaró. O sindicalismo brasileiro após 1930. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2003.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; HOLANDA, Fabíola. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2013.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; RIBEIRO, Suzana. Guia Prático de história oral: para empresas, universidades, comunidades, famílias. São Paulo: Contexto, 2011.

MOTA, Carlos Guilherme; CAPELATO, Maria Helena. História da Folha de S. Paulo (1921 – 1981). São Paulo: Impress, 1980.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Sobre as origens e motivações do Ato Institucional 5. Revista Brasileira de História, São Paulo, n. 79, p. 195-216, 2018.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2014.

NAPOLITANO, Marcos. Representações Políticas no Movimento Diretas-Já. Revista Brasileira de História, São Paulo, n. 29, p. 207-219, 1995.

NASSIF, André. A valsa não totalmente afinada de Laura de Carvalho: um ensaio-resenha crítico da Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. CADERNOS do DESENVOLVIMENTO, Rio de Janeiro, n. 23, p. 11-35, 2018.

NORONHA, Eduardo. Ciclo de greves, transição política e estabilização: Brasil, 1978 – 2007. Lua Nova, São Paulo, n. 76, p. 119-168, 2009.

PARTIDO DOS TRABALHADORES. Circ. 047/CEN/92 – Decisões e informes de reunião extraordinária. São Paulo: O Partido, 25 maio 1992. Mimeografado.

PORTELLI, Alessandro. A filosofia e os fatos: narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Tempo, Rio de Janeiro, n. 2, p. 59-72, 1996.

RIDENTI, Marcelo. Intelectuais e romantismo revolucionário. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, n. 2, p. 13-19, 2001.

RIDENTI, Marcelo. As oposições à ditadura: resistência e integração. In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá; REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo (orgs.). A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

RIDENTI, Marcelo; AARÃO REIS, Daniel. História do marxismo no brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

SALLUM JR., Brasilio; CASARÕES, Guilherme Stolle Paixão. O impeachment do presidente Collor: a literatura e o processo. Lua Nova, São Paulo, n. 82, p. 163-200, 2011.

SEAWRIGHT, Leandro. A história oral como disciplina, a memória coletiva e a “costura artesanal”: religião, política. Revista Nupem, Campo Mourão, n. 17, p. 29-43, 2016.

SECCO, Lincoln. História do PT, 1978 – 2010. Cotia: Ateliê Editorial, 2011.

SINGER, André. A segunda alma do partido dos trabalhadores. Novos Estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 88, p. 89-111, 2010.

SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Castelo a Tancredo, 1964 – 1985. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Getúlio a Castello (1930-1964). São Paulo: Companhia das Letras, 1982.

STEFFENS, Marcelo Hornos. A Folha de S. Paulo fala sobre o março de 1964: Os editorais do jornal à “espera” do golpe civil-militar. In: NETO, Mário Danieli; STEFFENS, Marcelo Hornos; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (orgs.). Narrativas sobre tempos sombrios. São Paulo: Letra e Voz, 2017.

SUPLICY, Eduard Matarazzo; CURY, Samir. A renda mínima garantida como proposta para remover a pobreza no Brasil. Revista de Economia Política, São Paulo, n. 1, p. 101-119,1994.

SUPLICY, Eduardo M. [Entrevista cedida a] Leandro Seawright Alonso, São Paulo (SP), 28 jan. 2019.

SUPLICY, Eduardo Matarazzo. Compromisso. São Paulo: Brasiliense, 1978.

SUPLICY, Eduardo Matarazzo. Renda de cidadania: a saída é pela porta. São Paulo: Cortez, 2013.

SUPLICY, Eduardo Matarazzo; NETO, Bazileu Alves Margarido. Políticas Sociais: o programa comunidade solidária e o programa de garantia de renda mínima. Planejamento e políticas públicas – PPP/IPEA, Brasília, n. 12, p. 39-63, 1995.

SUPLICY, Eduardo Matarazzo; The effects of minidesvaluations on the brazilian economy. 1979. Tese (Doutorado em Economia) – Michigan State University, Michigan, 1973.

TATAGIBA, Luciana Ferreira. Dos significados da “ética na política”: articulação e discurso no contexto pró-impeachment. 1998. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, Campinas, 1998.VEIGA; Rui; FILHO, Vicente Dianezi. Um encontro no calçadão. Folha de S. Paulo, São Paulo, ano 57, n. 18.071, p. 3, p. 3, 24 set. 1978. Folhetim n. 88.

VICHNEWSKI, Henrique Telles. As indústrias Matarazzo no interior paulista: arquitetura fabril e patrimônio industrial (1920 – 1960). 2004. Dissertação (Mestrado em História) – Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

WALDEMARSON, Ylva. Openness and elite oral history: the case of Sweden. In: GÖTZ, Norbert; MARKLUND, Carl (orgs.). The paradox of openness: transparency and participation in nordic cultures of consensus. Leiden: Brill, 2015.

WEISSHEIMER, Marco Aurélio. Bolsa família: avanços, limites e possibilidades do programa que está transformando a vida de milhões de famílias no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2006.

Downloads

Publicado

2020-12-12

Como Citar

SEAWRIGHT, L. Eduardo Matarazzo Suplicy: história oral de vida política – highlights de memória. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 12, n. 31, p. e0205, 2020. DOI: 10.5965/2175180312312020e0205. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180312312020e0205. Acesso em: 19 set. 2021.