Memórias coletivas em disputa: o embate entre memórias e estratégias identitárias em entrevistas jornalísticas

Autores

  • Agnes Francine de Carvalho Mariano Universidade Federal de Ouro Preto. Professora da graduação em Jornalismo e do Programa de pós-graduação em Comunicação e Temporalidades. http://orcid.org/0000-0003-2537-364X

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180312292020e0301

Resumo

O debate parte da premissa de que memórias constroem identidades, assim como são atravessadas por estratégias identitárias. Buscaremos aqui percorrer estudos sobre as relações entre a memória e a identidade, iluminando aspectos como diferentes manifestações da memória e relações entre memória e pertencimentos grupais, para chegarmos ao tema da circulação de diferentes memórias numa sociedade, podendo resultar em disputas de memórias. Como exemplo, observaremos trechos de uma entrevista em que o então candidato à vice-presidência general Hamilton Mourão e a jornalista Miriam Leitão expressam diferentes memórias a respeito do regime militar no Brasil. O que nos conduz a analisar riscos e vantagens das memórias abertas, que aceitam a existência de outras memórias, e fechadas, que buscam silenciar memórias divergentes.

Biografia do Autor

Agnes Francine de Carvalho Mariano, Universidade Federal de Ouro Preto. Professora da graduação em Jornalismo e do Programa de pós-graduação em Comunicação e Temporalidades.

Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Professora do Programa de pós-graduação em Comunicação e Temporalidades da Universidade Federal de Ouro Preto.

Referências

AZEVEDO E SILVA, Fernando; BARBOSA JUNIOR, Ilques; PUJOL, Edson Leal; BERMUDEZ, Antonio C. M. Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964. Ministério da Defesa, Brasília, 27 mar. 2019. Disponível em: <https://www.defesa.gov.br/noticias/54245-ordem-do-dia-alusiva-ao-31-de-marco-de-1964>. Acesso em: 20 abr. 2019.

CANDAU, Joël. A memória e o princípio de perda. Diálogos, Maringá, v. 16, n. 3, p. 843-872, set./dez. 2012. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Dialogos/article/view/36074>.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2012b.

AZEVEDO E SILVA, FERNANDO; BARBOSA JUNIOR, ILQUES; PUJOL, EDSON LEAL; BERMUDEZ, ANTONIO C. M. Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964. Ministério da Defesa, Brasília, 27 mar. 2019. Disponível em: <https://www.defesa.gov.br/noticias/54245-ordem-do-dia-alusiva-ao-31-de-marco-de-1964>. Acesso em: 20 abr. 2019.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

MELUCCI, Alberto. O jogo do eu: a mudança de si em uma sociedade global. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2004.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

ROUSSO, Henry. A memória não é mais o que era. In: AMADO, J.; FERREIRA, M. (Orgs.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. p. 93-101.

THOMSON, Alistair; FRISCH, Michael; HAMILTON, Paula. Os debates sobre memória e história: alguns aspectos internacionais. In: AMADO, J.; FERREIRA, M. (Orgs.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. p. 65-91.

Downloads

Publicado

2020-04-20

Como Citar

MARIANO, A. F. de C. Memórias coletivas em disputa: o embate entre memórias e estratégias identitárias em entrevistas jornalísticas. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 12, n. 29, p. e0301, 2020. DOI: 10.5965/2175180312292020e0301. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180312292020e0301. Acesso em: 27 jul. 2021.