A verdade da História no jornalismo e o lugar do jornalismo na história: apontamentos críticos de uma relação guiada pela noção de acontecimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180312292020e0208

Resumo

Este artigo procura problematizar uma possível aproximação entre a História e o jornalismo ao analisar como uma ideia particular de “verdade” se entrelaça à constituição de suas identidades e discursos. Desta forma, propomos realizar uma discussão teórico-metodológica que nos permita: 1) historicizar o conceito de “verdade” da/na História e como este se encontra circunscrito à própria ideia de verdade proferida pelo jornalismo enquanto instituição; 2) perceber como o jornalismo, ao se apropriar discursivamente desta “verdade”, procura circunscrever o seu lugar na história; 3) problematizar, pela noção de “acontecimento”, um ponto de interseção que se daria entre o jornalismo, a memória e a história, relação capaz de dotar as verdades do jornalismo de algumas características que lhe são próprias. Queremos discutir, com isso, de que forma o jornalismo procura se fazer histórico, relacionando a “verdade” de seus relatos e a autoridade de suas práticas à constante reapresentação dos acontecimentos no tempo.

Palavras-chave: História. Memória. Jornalismo. Verdade. Acontecimento

Biografia do Autor

André Bonsanto, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Bolsista de pós-doutoramento (PNPD/CAPES) no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Humanas da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Doutor em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Possui graduação em Comunicação e em História pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro)

Referências

ANTUNES, Elton. Videntes imprevidentes: temporalidade e modos de construção do sentido de atualidade em jornais diários impressos. 2007. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

ANTUNES, Elton. O jornalismo é história malfeita? In: LEAL, Bruno Souza et al. (orgs.). Para entender o jornalismo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

BARBOSA, Marialva. Meios de comunicação e usos do passado: temporalidade, rastros e vestígios e interfaces entre comunicação e história. In: RIBEIRO, Ana Paula Goulart; HERSCHMANN, Micael (orgs.). Comunicação e história: interfaces e novas abordagens. Rio de Janeiro: Mauad X: Globo Universidade, 2008.

BARBOSA, Marialva. Meios de comunicação: lugar de memória ou na história? Contracampo, Niterói, v. 35, n. 1, p.7-26, abril/jul. 2016.

BONSANTO, André. O presente da memória: uso do passado e as (re)construções de identidade da Folha de S. Paulo, entre o 'golpe de 1964' e a 'ditabranda'. Jundiaí: Paco Editorial, 2014a.

BONSANTO, André. Para além do rascunho: jornalistas “fazedores de história” e as rememorações do golpe de 1964, cinquenta anos depois. Revista Lumina, Juiz de Fora, v.8, n. 2, p. 1-17, dez, 2014b.

BONSANTO, André. A verdade dita é dura: “histórias da verdade” do/no jornalismo e a ditadura militar no Brasil. Tese de doutorado em Comunicação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

CASADEI, Eliza Bachega. Jornalismo e reconstrução do passado: os fatos históricos nas notícias de hoje. 2010. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

DOSSE, François. A história a prova do tempo: da história em migalhas ao resgate do sentido. São Paulo: UNESP, 2001.

DOSSE, François. A História. Bauru: EDUSC, 2003.

DOSSE, François. Renascimento do acontecimento: um desafio para o historiador: entre Esfinge e Fênix. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

DUBY, Georges. O domingo de Bouvines: 27 de julho de 1214. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

EDY, Jill. Journalistic Uses of Collective Memory. Journal of Communication, v. 49, n.2, p. 71-85, 1999.

FERRO, Marc. A história vigiada. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

FRANÇA, V. O acontecimento e a mídia. Galáxia, São Paulo, n. 24, p. 10-21, dez. 2012.

FRIAS FILHO, Otávio. [Entrevista cedida a] Alzira Alves de Abreu e Fernando Lattman-Weltman em 8 de dezembro de 1997. In: ABREU, Alzira Alves de et. al. Eles mudaram a imprensa. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. 2. ed. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001.

KITCH, Carolyn. Placing journalism inside memory – and memory studies. Memory Studies, v. 1, n. 3, p. 311-320, 2008.

MATHEUS, Letícia Cantarela. Comunicação, tempo, história. Tecendo o cotidiano em fios jornalísticos. 2010. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

MOUILLAUD, Maurice; PORTO, Sérgio Dayrell (orgs.). O jornal: da forma ao sentido. 2. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

NEIGER, Motti; MEYERS, Oren; ZANDBERG, Eyal. On media memory: editor’s introduction. In: NEIGER, Motti; MEYERS, Oren; ZANDBERG, Eyal (ed.). On media memory: collective memory in a new media age. New York: Palgrave Macmillan, 2011.

NERONE, John. History, Journalism, and the Problem of Truth. In: BRENNEN, Bonnie (ed.). Assessing evidence in a postmodern world: Diederich Studies in Communication and Media, n. 3. Milwaukee: Marquette University Press, 2013.

NORA, Pierre. Les Lieux de Mémoire: La République. Présentation. Entre mémoire et histoire. Paris: Gallimard, 1984.

NORA, Pierre. O retorno do fato. In: LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História: novos problemas. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1988.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

PONTES, Felipe Simão. Teoria e história do jornalismo: desafios epistemológicos. 2009. Dissertação (Mestrado em Jornalismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

PRINCÍPIOS editoriais. O Globo, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: http://memoriaglobo.globo.com/principios-editoriais/ Acesso em: 24 ago. 2019.

PROJETO editorial 1997: um panorama de mudanças na economia, na política e nas ideias. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 ago. 1997. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc170806.htm. Acesso em: 24 ago. 2019

QUÉRÉ, Louis. Entre facto e sentido: a dualidade do acontecimento. Trajecto - Revista de Comunicação, Cultura e Educação, Lisboa, n. 6, p. 59-75, 2005.

QUÉRÉ, Louis. A dupla vida do acontecimento: por um realismo pragmatista. In: FRANÇA, Vera; OLIVEIRA, Luciana de (orgs.). Acontecimento: reverberações. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. Os nomes da história: ensaio de poética do saber. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

RESENDE, Fernando. Jornalismo e suas Narrativas: as brechas do discurso e as possibilidades do encontro. Revista Galáxia, São Paulo, n. 18, p.31-43, dez. 2009.

RESENDE, Fernando. Falar para as massas, falar com o outro: valores e desafios do jornalismo. In: França, Vera; VAZ, Paulo. (orgs.) Comunicação midiática: instituições, valores, cultura. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart. A história do seu tempo. A imprensa e a produção do sentido histórico. 1995. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart. A mídia e o lugar da história. In: HERSCHMANN, Micael; PEREIRA, Carlos Alberto Messeder. Mídia, memória e celebridades: estratégias narrativas em contextos de alta visibilidade. 2. ed. Rio de Janeiro: E-Papers, 2005.

RICOEUR, Paul. História e verdade. Rio de Janeiro: Forense, 1968.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2007.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. São Paulo: Martins Fontes, 2010. Tomo I

SCHAFF, Adam. História e verdade. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SILVA, Sônia Maria de Meneses. A operação midiográfica: a produção de acontecimentos e conhecimentos históricos através dos meios de comunicação – a Folha de São Paulo e o golpe de 1964. 2011. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.

SODRÉ, Muniz. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis, Vozes, 2009.

THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

VEYNE, Paul. Como se escreve a história. Lisboa: Edições 70, 1987.

VEYNE, Paul. Acreditavam os gregos em seus mitos?: ensaio sobre a imaginação constituinte. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

WHITE, Hayden. Meta-história: a imaginação histórica do século XIX. São Paulo: Edusp, 1992.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: Edusp, 1994.

ZANDBERG, Eyal. The right to tell the (right) story: journalism, authority and memory. Media Culture Society, v. 32, n. 1, p. 5-24, 2010.

ZELIZER, Barbie. Covering the body: the Kennedy assassination, the media, and the shaping of collective memory. Chicago: University of Chicago Press, 1992.

ZELIZER, Barbie. Why memory's work on journalism does not reflect journalism's work on memory. Memory Studies. v. 1, n. 1, p. 79-87, 2008.

Downloads

Publicado

2020-04-27

Como Citar

BONSANTO, A. A verdade da História no jornalismo e o lugar do jornalismo na história: apontamentos críticos de uma relação guiada pela noção de acontecimento. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 12, n. 29, p. e0208, 2020. DOI: 10.5965/2175180312292020e0208. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180312292020e0208. Acesso em: 23 jul. 2021.