Variações do mesmo tema sem sair do tom: imprensa, Comissão Nacional da Verdade e a Lei da Anistia

Autores

  • Fernando Perlatto Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180311272019078

Resumo

Este artigo objetiva investigar o papel da imprensa no debate público em torno da Comissão Nacional da Verdade (CNV), a partir da análise dos editoriais publicados sobre o tema pelos jornais Folha de São Paulo, O Globo e O Estado de São Paulo. Busco compreender de que maneira esses jornais participaram das controvérsias públicas sobre as “memórias conflitantes” da ditadura e da transição democrática, enquadrando determinadas interpretações e representações sobre esse passado. Apesar de algumas diferenças, é possível perceber um posicionamento comum dos editoriais desses jornais, que se aproximam no sentido de enquadrar o debate público sobre a CNV com o intuito de defender a Lei da Anistia, de 1979, se contrapondo à sua revisão e à punição daqueles que praticaram violações aos direitos humanos como agentes do Estado.

Palavras-chave: Comissão Nacional da Verdade. Memórias. Imprensa. Enquadramento. Lei da Anistia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Perlatto, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Professor do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Referências

AARÃO REIS FILHO, Daniel. Ditadura, anistia e reconciliação. Estudos Históricos, v. 23, p. 171-186, 2010.

AQUINO, Maria Aparecida. Censura, imprensa, estado autoritário, 1968-1978: o exercício cotidiano da dominação e da resistência. Bauru: Edusc, 1999.

BARAHONA DE BRITO, Alexandra. Justiça de transição em câmara lenta: o caso do Brasil. In: Antonio Costa Pinto & Francisco Palomanes Martinho (Orgs.). O Passado que não Passa. A Sombra das Ditaduras na Europa do Sul e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013, p. 235-250.

BAUER, Caroline Silveira. Como será o passado? História, historiadores e a Comissão Nacional da Verdade. Jundiaí: Paco Editorial, 2017.

BIROLI, Flávia. Representações do golpe de 1964 e da ditadura na mídia: sentidos e silenciamentos na atribuição de papeis à imprensa, 1984-2004. Varia História, v. 25, p. 269-291, 2009.

BRASIL, Lei n. 12.528 de 18 de novembro de 2011. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12528.htm>. Acesso em: 10 mai. 2018.

BRASIL, Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Brasília: CNV, 2014. Disponível em: < http://www.cnv.gov.br/images/pdf/relatorio/Capitulo%2018.pdf>. Acesso em: 05 jun. de 2018.

CAPELATO, Maria Helena. Imprensa como fonte para a História do Tempo Presente. In: Marieta de Moraes Ferreira; Lucília de Almeida Neves Delgado (Orgs.). História do Tempo Presente. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2014, p. 299-315.

CARVALHO, Alessandra. “Contando a história” da ditadura civil-militar: grande imprensa e a construção da memória no Brasil democrático. In: Samantha Viz Quadrat & Denise Rollemberg (Orgs.). História e memória das ditaduras do século XX. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2015, p. 394-424.

DEARING, James W. & ROGERS, Everett M. Agenda-setting. Thousand Oaks: Sage, 1996.

FERES JR. João et. all. Administrando o debate público: O Globo e a controvérsia em torno das cotas raciais. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11, p. 7-31, 2013.

FICO, Carlos “Prezada Censura”. Cartas ao regime militar”. Topoi, Rio de Janeiro, n.5, 2002, p.251-86.

_____. História do tempo presente, eventos traumáticos e documentos sensíveis: o caso brasileiro. Varia História, vol. 28, 2012, p.43-59.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

_____. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. São Paulo: Contraponto, 2014.

KUSHNIR, Beatriz. Cães de guarda: jornalistas e censores, do AI-5 à Constituição de 1988. São Paulo: Boitempo, 2004.

LEE, Phillip & NINAN, Pradip (eds.). Public Memory, public media, and the politics of justice. New York: Palgrave Macmillan, 2012.

MACIEL, Suellen N. P. Disputas da memória: uma reflexão inicial sobre a lei de criação da Comissão Nacional da Verdade. In: Lucília de Almeida Neves Delgado & Marieta de Moraes Ferreira (Orgs.), História do Tempo Presente. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014, p. 116-133.

McCOMBS, Maxwell & SHAW, Donald. The agenda-setting function of mass media. The Public Opinion Quarterly, v. 36, n. 2, p. 176-187, 1972.

MIGUEL, Luis Felipe & BIROLI, Flávia. A produção da imparcialidade: a construção do discurso universal a partir da perspectiva jornalística. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 25, p. 59-76, 2010.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Entre a liberdade e a ordem: o jornal O Estado de São Paulo e a ditadura (1969-1973). Estudos Ibero-Americanos, v. 43, p. 367-379, 2017.

NAPOLITANO, Marcos. A imprensa e a construção da memória do regime militar brasileiro (1965-1985). Estudos Ibero-Americanos, v. 43, p. 346-366, 2017.

NEIGGER, Motti et. all (eds.). On media memory: collective memory in a new media age. Hampshire: Palgrave Macmillan, 2011.

NEVES, Rafael. Uma Comissão da Verdade no Brasil? Desafios e perspectivas para integrar direitos humanos e democracia. Lua Nova, n. 85, p. 155-185, 2012.

PEREIRA, Matheus. Nova Direita? Guerras de memória em tempos de Comissão da Verdade (2012-2014). Varia História, v. 31, p. 863-902, 2015.

PERLATTO, Fernando & HOLLANDA, Cristina Buarque. Entre a reconciliação e a justiça: a Lei da Anistia diante das Comissões da Verdade” In: Maria Paula Araujo & António Costa Pinto (Orgs.). Democratização, memória e justiça de transição nos países lusófonos. Pernambuco: EDUPE, 2017, p.16-30.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v.2, n.3, p.3-15, 1989.

RODEGHERO, Carla Simone. A anistia de 1979 e seus significados ontem e hoje. In: Daniel Aarão Reis et. all (orgs.). A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964. Rio de Janeiro: Zahar, 2014, p. 172-185.

ROLLEMBERG, Denise. As trincheiras da memória. A Associação Brasileira de Imprensa e a ditadura (1964-1974). In: Denise Rollemberg & Samantha Viz Quadrat (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no Século XX. Volume 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p. 97-144.

SCHNEIDER, Ann. Legislative efforts against impunity in the 1979 Amnesty debate in Brazil. Bulletin of Latin America Research, v. 37, n. 1, p. 18-32, 2018.

TODOROV, Tzvetan. Los abusos de la memoria. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 2000.

Downloads

Publicado

2019-07-24

Como Citar

PERLATTO, Fernando. Variações do mesmo tema sem sair do tom: imprensa, Comissão Nacional da Verdade e a Lei da Anistia. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 11, n. 27, p. 78–100, 2019. DOI: 10.5965/2175180311272019078. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180311272019078. Acesso em: 18 maio. 2024.