Primeiros rascunhos: aproximações entre Michel de Certeau e a História do Tempo Presente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180309222017316

Resumo

Em um tom propositivo, este texto busca estabelecer aproximações entre as reflexões de Michel de Certeau a respeito da operação historiográfica e a história do tempo presente. A estrutura do texto evidencia o tom marcadamente elucubrador que o direciona: inicialmente, são abordadas as propostas de Michel de Certeau a respeito da operação historiográfica que se concretiza em um fazer e em uma escrita; na sequência, estão as reflexões que buscam nas questões a respeito da epistemologia da distância e do relato histórico os pontos nos quais há possibilidade de enfrentar os dilemas teórico-metodológicos da história do tempo presente. Por meio dessas discussões é possível explorar um dos questionamentos mais recorrentemente direcionados à abordagem histórica do tempo presente, que se refere à proximidade temporal dos pesquisadores em relação aos seus objetos. Para Certeau, há limites intransponíveis que separam as dimensões do real como prática passada que é conhecida pelo historiador e enquanto aquilo que remete a uma narrativização que busca conferir sentido a esse real. Conclui-se que as proposições de Certeau permitem pensar que no espaço configurado pela distância perene e constituinte da operação histórica, não há um objeto mais ou menos recente que interfira no fazer histórico, pois o historiador sempre escreve na verossimilhança do presente, o que faz com que a escrita histórica só seja contemporânea dela mesma.

 

Palavras-chave: CERTEAU, Michel de, 1925-1986. Tempo Presente. Operação Historiográfica.

Biografia do Autor

Angélica Pall Oriani, Universidade de São Paulo Faculdade de Educação

Pós-doutoranda em Educação pela Faculdade de Educação da USP. Mestre, Doutora em Educação e Pedagoga pela Unesp-Marília. Atua na área de História da Educação, com ênfase nos estudos das instituições escolares rurais

Referências

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

______. História e psicanálise: entre ciência e ficção. Tradução Guilherme João de Freitas Teixeira. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

______. Teoria e Método no Estudo no estudo das práticas cotidianas. In. SZMRECSANYI, Maria Ivone (Org.). Cotidiano, cultura popular e planejamento urbano (Anais do Encontro). São Paulo: FAU/USP, 1985, p. 3-19.

CHAUVEAU, Agnès; TÉTART, Philippe. Questões para a história do presente. Bauru: EDUSC, 1999.

DOSSE, François. História e ciências sociais. Tradução Fernanda Abreu. Bauru: SP, EDUSC, 2004.

______. História do tempo presente e historiografia. Revista Tempo e Argumento, vol. 4, n 1, jan.-jun., 2012, p. 5-23. Disponível em: <http://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180304012012005>. Acesso em: 15 set. 2015.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História, tempo presente e história oral. Topoi, Rio de Janeiro, dez. 2002, p. 314-332. Disponível em: <http://www.revistatopoi.org/numeros_anteriores/topoi05/topoi5a13.pdf>. Acesso em: 19 jan. 2016.

FICO, Carlos. História do tempo presente, eventos traumáticos e documentos sensíveis: o caso brasileiro. Varia história, Belo Horizonte, vol. 28, n. 47, p. 43-59, jan.-jun. 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/vh/v28n47/03.pdf> Acesso em: 27 nov. 2015.

GLEZER, Raquel. A história e o tempo presente. In: BRUNI, José Carlos; BARRETO, Luiz M.; MARQUES, Nelson. (orgs.). Decifrando o tempo presente. São Paulo: Editora Unesp, 2007, p. 23-44.

MEIRELES, Cecília. Vitrola. In: ______. Obra poética. Rio de Janeiro: J. Aguilar, Instituto Nacional do Livro, 1958. 1093p.

MULLER, Helena Isabel. História do tempo presente: algumas reflexões. In: PORTO JUNIOR, Gelson. História do tempo presente. Bauru, SP: EDUSC, 2007, p. 17-30.

SIRINELLI, Jean-François. Este século tinha sesenta anos: a França dos sixties revisitada. Tempo, vol. 8, n. 16, 2004, p. 1-21. Disponível em: <http://www.redalyc.org/html/1670/167017772002/>. Acesso em: 15 nov. 2015.

VIDAL, Diana Gonçalves. Michel de Certeau e a difícil arte de fazer história das práticas. In: FARIA FILHO, Luciano Mendes. (Org.). Pensadores sociais e história da educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2005, v. 1, p. 257-284.

Downloads

Publicado

2017-12-30

Como Citar

Oriani, A. P. (2017). Primeiros rascunhos: aproximações entre Michel de Certeau e a História do Tempo Presente. Revista Tempo E Argumento, 9(22), 316 - 338. https://doi.org/10.5965/2175180309222017316