Paisagem de cacos e dores revoltadas: as marginalias da ditadura em livros de uma biblioteca universitária

Autores

  • Daniel FARIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180309212017243

Resumo

Resumo

Esse artigo resulta da formação de uma coleção de marginalias encontradas em livros relacionados à ditadura, presentes na Biblioteca Central da Universidade de Brasília. Essas marginalias (anotações, intervenções gráficas, interferências no texto e nos elementos para-textuais), mostraram-se particulares por seu sentido político, tanto no que se refere ao conteúdo quanto à circulação de opiniões e críticas que elas configuraram. Elas são analisadas, aqui, diante do pano de fundo das questões relativas à memória da ditadura militar, às políticas da ditadura sobre as mídias, em particular a circulação dos impressos e, em especial, a biblioteca como lugar de memória.

 

Palavras-chave: Biblioteca Universitária – Brasília, DF. Brasil - História - 1964-1985. Ditadura e Ditadores. Escrita.

Referências

Referências bibliográficas

ANDRADE, Carlos Drummond de. Nova reunião. 19 livros de poesia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1983.

BLANCHOT, Maurice. Écrits politiques.1953-1993. Paris: Gallimard, 2008.

COMISSÃO ANÌSIO TEIXEIRA DE MEMÓRIA E VERDADE. Relatório. Brasília: FAC-UnB, 2016.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1998.

___________________. The capture of speech and other political writings. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1998.

FICO, Carlos. Como eles agiam: Os subterrâneos da Ditadura Militar: espionagem e polícia política. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2001.

FINAZZI-AGRO, Ettore. Entretempos. Mapeando a história da cultura brasileira. São Paulo: UNESP, 2013.

FLUSSER, Vilém. A escrita – há futuro para a escrita. São Paulo: Annablume, 2010

GENETTE, Gérard. Paratextos Editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009

GROYS, Bori. Under suspicion. A phenomenology of media. New York: Columbia University Press, 2012.

HOMEM DE MELO, Chico (org.). O design gráfico brasileiro. Anos 60. São Paulo: Cosac Naif, 2008.

LEWINO, Walter. L’imagination au pouvoir. Paris: Le Terrain Vague, 1968.

MACHADO NETO, Antonio. “A ex-Universidade de Brasília. Significação e crise”, in: Revista Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, ano 3, no 14, julho de 1967, p. 139-158

MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. Trad. de Décio Pignatari. São Paulo: Cultrix, 1969.

MENEZES, Djacir Menezes. Ideias contra ideologias. A revolução silenciosa nas universidades e a ramificação de suas teses. Rio de Janeiro: GB, 1971.

PARUCKER, Paulo. A UnB na teia de segurança e informações. In: Marcelo Mari e Priscila Rossinetti Rufinoni. Ditadura, modernização conservadora e universidade: debates sobre um projeto de país. Goiânia: Editora UFG, 2015, p. p. 221-251.

PEREIRA, Mateus Henrique de Faria. “Nova direita? Guerras de memória em tempos de Comissão da Verdade (2012-2014)”, in: Varia Historia, Belo Horizonte, vol. 31, n. 57, p. 863-902, set/dez 2015.

RANCIÈRE, Jacques. Políticas da escrita. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995

TCHOU, Claude (ed.). les murs ont la parole. Mai 68. Paris: Tchou, 1968.

Downloads

Publicado

2017-09-26

Como Citar

FARIA, D. Paisagem de cacos e dores revoltadas: as marginalias da ditadura em livros de uma biblioteca universitária. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 21, p. 243 - 289, 2017. DOI: 10.5965/2175180309212017243. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180309212017243. Acesso em: 23 jul. 2021.