O direito à memória: a história oral de mulheres que lutaram contra a ditadura militar (1964-84)

Autores

  • Marta Gouveia de Oliveira Rovai Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180305102013108

Resumo

Este artigo tem como proposta apresentar trabalhos historiográficos que trataram de testemunhos femininos sobre a luta contra a ditadura militar brasileira. Dentre eles, apresento também minha pesquisa de doutorado, desenvolvida a partir das histórias de vida de mulheres que resistiram contra a opressão, de forma silenciosa, tendo poucas vezes sido reconhecidas pela sociedade como sujeitos históricos. A história oral testemunhal exerce hoje um grande papel de denúncia e de direito à memória de grupos ainda pouco visíveis no cenário público, inclusive de mulheres, muitas vezes vistas como estranhas ao espaço político. Seus relatos revelam múltiplas formas de ações na luta contra o autoritarismo, mostrando que público e privado não são excludentes nem se opõem.

Palavras-chave: História oral testemunhal.  Direito à memória.  Mulheres.  Ditadura militar.

Biografia do Autor

Marta Gouveia de Oliveira Rovai, Universidade de São Paulo

Graduada e Mestre em História Social pela Pontifícia Universidade de São Paulo; Doutoranda em História Social pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo; Pesquisadora do Núcleo de Estudos de História Oral da Universidade de São Paulo; autora de artigos na área de ensino de história e história oral; estudiosa das temáticas de história oral, ditadura militar e gênero.

Downloads

Publicado

2013-12-11

Como Citar

ROVAI, M. G. de O. O direito à memória: a história oral de mulheres que lutaram contra a ditadura militar (1964-84). Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 5, n. 10, p. 108 - 132, 2013. DOI: 10.5965/2175180305102013108. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180305102013108. Acesso em: 27 jul. 2021.