Guardar para mirar, guardar para mostrar: acervos autorreferenciais, da gaveta ao museu <em>DOI: 10.5965/2175180305092013046</em>

Autores

  • Carla Rodrigues Gastaud Universidade Federal de Pelotas
  • Cristiéle Santos Souza Universidade Federal de Pelotas

Resumo

Este artigo trata da publicização de acervos autorreferenciais em um contexto contemporâneo de busca memorial, percurso no qual são relevantes as elaborações de Andreas Huyssen, sobre a “compulsão contemporânea pela memória”, e de François Hartog, em torno de uma mudança no “regime de historicidade”. Da mesma forma, discute o conceito de produção de si, por meio dos escritos autorreferenciais e de seu arquivamento. Por fim, são apresentadas as trajetórias de constituição e publicização de dois conjuntos documentais autorreferenciais, as cartas de D. Joaquim, bispo de Pelotas, escritas entre os anos de 1915 e 1940, e as cartas da baronesa Amélia, escritas entre 1889 e 1918.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Rodrigues Gastaud, Universidade Federal de Pelotas

Possui graduação em História pela Universidade Federal de Pelotas (1994), graduação em Direito pela Universidade Federal de Pelotas (1987), mestrado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2009). Atualmente é professor da Universidade Federal de Pelotas. Tem experiência na área de História, com ênfase em Memória Cultural, atuando principalmente nos seguintes temas: história, memória, museu, escritas de si e cultura escrita.

Cristiéle Santos Souza, Universidade Federal de Pelotas

Possui graduação em História licenciatura plena e bacharelado pela Universidade Federal de Santa Maria (2008). Atualmente cursa o Bacharelado em Museologia na Universidade Federal de Pelotas e o Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural na mesma universidade.

Downloads

Publicado

2013-05-23

Como Citar

GASTAUD, C. R.; SOUZA, C. S. Guardar para mirar, guardar para mostrar: acervos autorreferenciais, da gaveta ao museu <em>DOI: 10.5965/2175180305092013046</em>. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 5, n. 9, p. 46 - 65, 2013. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180305092013046. Acesso em: 3 out. 2022.