Entre prédios envidraçados, uma cruz eslava: ucranianos, bens culturais e a cidade

Autores

  • Paulo Augusto Tamanini Universidade Federal de Santa Catarina image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180303022011192

Palavras-chave:

igreja ortodoxa, bens culturais, cidade

Resumo

Este artigo preocupa-se em tecer alguns apontamentos sobre o local de estabelecimento dos imigrantes ortodoxos ucranianos na cidade de Curitiba e verificar quais as estratégias adotadas, no intuito de preservar os bens culturais étnicos, durante o processo de modificação do espaço trazido pela urbanização da Avenida Cândido Hartmann (que até 1978 se chamava Vila dos Ucraínos). Para buscar as informações que dão suporte às análises que contemplem os temas ‘bens culturais e a cidade’, depoimentos tomados de imigrantes que moravam no bairro, atentam para perceber a relação dialética entre o lugar e o conjunto de crenças e práticas culturais do grupo. Se de um lado a urbanidade tende a homogeneizar lugares que se criam específicos, por outro, quando há interesse, reforça as identificações étnicas em espaços apropriados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Augusto Tamanini, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História. UFSC

Referências

ANDREAZZA, M. L. Uma herança camponesa: moradia e transmissão patrimonial entre imigrantes ucranianos(Brasil, 1895-1995), Nuevo Mundo Mundos Nuevos. Colóquios, 2008.

ANSAY, Pierre. Pensar a cidade. Textos escolhidos. Bruxelas. AAM Editoras, 1989.

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas –SP: Papirus, 1994.

BARTH, Fredrik. Grupos étnicos e suas fronteiras. In.: POUTIGNAT, Philippe e STREIFF-FNART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP, 1998.

BAUDELAIRE, Charles. Sobre a modernidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

BENJAMIN, Walter. Paris, capital do século XIX. In: KOTHE, Flávio R. (org). Sociologia. São Paulo. Ática, 1985.

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

CZAIKOWSKI, Mariano. Os Ucranianos no Brasil. In: Jornal o Lavrador, Curitiba, n° 433, Jan/2011, p 12-14.

GIDDENS, Anthony. Mundo em descontrole: o que a globalização está fazendo de nós. Rio de Janeiro: Record, 2005.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (Orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro:Paz e Terra, 1984.

LACERDA, Dulcídio T. de. A Colonização e o Cultivo de Trigo no Terceiro Planalto. In: Diário da Tarde. Curitiba: 12 de abril de 1951, p. 02.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Cidades visíveis, cidades sensíveis, cidades imaginárias.Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 27, n. 53, p. 11-23, 2007, p. 12.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Muito além do espaço: por uma história cultural do urbano. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, p. 279-290, 1995. p. 280.

PESAVENTO, Sandra Jathay. O imaginário da cidade: versões literárias do urbano. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1999.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SEYFERTH, Giralda. Imigração e cultura no Brasil. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1990.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Publicado

2011-12-07

Como Citar

TAMANINI, Paulo Augusto. Entre prédios envidraçados, uma cruz eslava: ucranianos, bens culturais e a cidade. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 192–209, 2011. DOI: 10.5965/2175180303022011192. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180303022011192. Acesso em: 13 abr. 2024.