DO RIO DE JANEIRO PARA A SIBÉRIA TROPICAL: prisões e desterros para o Acre nos anos 1904 e 1910<em>FROM RIO DE JANEIRO TO TROPICAL SIBERIA: Prison and exile to Acre in the years of 1904 and 1910</em>

Autores

  • FRANCISCO BENTO DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE

Resumo

http://dx.doi.org/10.5965/2175180303012011161

 

Neste artigo procuraremos trazer à tona alguns aspectos obscuros de dois acontecimentos que marcaram a nascente República brasileira no alvorecer do século XX: a Revolta da Vacina (1904) e a Revolta dos Marinheiros (1910). Alguns destes aspectos estão relacionados com as os desterros, que foram adotados como punição pelo Estado brasileiro após o fim destes eventos que ocorreram na cidade do Rio de Janeiro. O que permanece obscuro é o porquê daqueles homens e mulheres serem condenados ao desterro e o que levou o Estado brasileiro a enviá-los para o Território do Acre, na Amazônia. Objetivamos neste breve texto situar dentro das normas e enquadramentos jurídicos adotados na época, os intentos e sentidos de tais medidas. Discutindo também os significados das percepções das punições impostas aos desterrados na perspectiva da ordem republicana, bem como os propósitos — simbólicos e práticos — de serem enviados para os “confins” da Amazônia, no Acre.

Biografia do Autor

FRANCISCO BENTO DA SILVA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE

Professor assistente do Centro de Filosofia e Ciências Humana, área de História, da UFAC. Doutorando em História pela UFPR.  

Downloads

Publicado

2011-06-17

Como Citar

DA SILVA, F. B. (2011). DO RIO DE JANEIRO PARA A SIBÉRIA TROPICAL: prisões e desterros para o Acre nos anos 1904 e 1910<em>FROM RIO DE JANEIRO TO TROPICAL SIBERIA: Prison and exile to Acre in the years of 1904 and 1910</em>. Revista Tempo E Argumento, 3(1), 161 - 179. Recuperado de https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180303012011161