BELÉM DO PARÁ, MACEIÓ, E A SOBREVIVÊNCIA DOS “PORTADORES DO MODELO DE ARQUITETURA”<em>BELÉM DO PARÁ, MACEIÓ, AND THE SURVIVAL OF THE “ARCHITECTURAL MODEL HOLDERS”</em>

Autores

  • Artur Simoes Rozestraten Universidade de São Paulo - USP

Resumo

http://dx.doi.org/10.5965/2175180303012011004

 

Este artigo apresenta pesquisa em andamento, apoiada pelo CNPq e pela Pró-reitoria de Pesquisa da Universidade de São Paulo, sobre as interações entre as expressões dos promesseiros do Círio de Nazaré em Belém do Pará, dos “brincantes” do auto-natalino do Guerreiro Alagoano e o motivo artístico do portador do modelo de arquitetura. Sobre estes bens culturais urbanos, a aproximação proposta fundamenta-se na noção de “survival”, “nachleben” ou sobrevivência, no entendimento de fenômenos de longa duração profundamente enraízados na memória coletiva, e no conceito de “pathosformeln”. Em termos metodológicos esta pesquisa propõe uma aproximação visual e antropológica aos fenômenos mencionados, contextualizando-os e articulando-os ao universo imaginário das representações da arquitetura.  

Biografia do Autor

Artur Simoes Rozestraten, Universidade de São Paulo - USP

Downloads

Publicado

2011-06-15

Como Citar

Simoes Rozestraten, A. (2011). BELÉM DO PARÁ, MACEIÓ, E A SOBREVIVÊNCIA DOS “PORTADORES DO MODELO DE ARQUITETURA”<em>BELÉM DO PARÁ, MACEIÓ, AND THE SURVIVAL OF THE “ARCHITECTURAL MODEL HOLDERS”</em>. Revista Tempo E Argumento, 3(1), 04 - 29. Recuperado de https://periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180303012011004