POSSÍVEIS CAUSAS DA MORTALIDADE PRECOCE DE MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS E MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Elisangela Piasentini
Givanildo Silva
Mariélly Warmeling Laucsen Martins
Maurício Leite

Resumo

O objetivo deste artigo foi identificar possíveis causas de mortalidade das pequenas empresas e dos microempreendedores individuais no município de Palmas - Paraná, entre os anos de 2015 e 2020. Este estudo foi desenvolvido por meio de pesquisa descritiva, com levantamento, análise de dados secundários, e pesquisa bibliográfica documental de literatura. Para tanto, realizou-se um estudo com os gestores de microempreendimentos individuais e de pequenas empresas que encerraram suas atividades precocemente. Os resultados alcançados sugerem que existe um conjunto de fatores e não apenas um isoladamente, como sendo a possível causa da mortalidade precoce de pequenas empresas no município, podendo-se destacar: a falta de planejamento adequado de negócios, estudo de mercado, taxas de juros elevadas, falta de conhecimento do negócio, de experiência, de estratégia, de identificação com o negócio, burocracia e falta de apoio de órgãos especializados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Piasentini, E., Silva, G., Martins, M. W. L., & Leite, M. (2022). POSSÍVEIS CAUSAS DA MORTALIDADE PRECOCE DE MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS E MICRO E PEQUENAS EMPRESAS . Revista Brasileira De Contabilidade E Gestão, 11(20), 147-159. https://doi.org/10.5965/2316419011202022147
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Elisangela Piasentini, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, UNOCHAPECO, Brasil.

Possui graduação em Administração pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2007). Atualmente é técnico administrativo da Prefeitura Municipal de Palmas - PR, Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: propriedade familiar, tomada de decisão, gestão e compras governamentais.

Givanildo Silva, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, UNOCHAPECO, Brasil.

Professor de Estratégia Empresarial, Potencialidades Empreendedoras e Gestão de Pessoas no Programa de Mestrado em Ciências Contábeis e Administração da UNOCHAPECÓ, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (SC). Leciona Estratégia, Governança Corporativa, Finanças, Contabilidade Gerencial, Custos, Gestão de Pessoas, Liderança, Gestão por Competências e Aprendizagem Organizacional em MBAs e especializações Lato Sensu. Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau (2016). Mestre em Gestão Estratégica das Organizações, pelo Mestrado Profissional em Administração da Escola Superior de Administração e Gerência da Universidade do Estado de Santa Catarina (2010). Especialista em Gestão de Pessoas (2007), Contabilidade Gerencial (2006) e Gestão Estratégica de Negócios (2003). Secretário de Administração da Prefeitura Municipal de Rio do Sul (SC), na gestão 2013-2016. Tem experiência profissional desde 1992 em gestão empresarial. É consultor em estratégia, governança corporativa e finanças.

Mariélly Warmeling Laucsen Martins, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, UNOCHAPECO, Brasil.

Mestre em Ciências Contábeis e Administração, com graduação em Administração (2009), e especializações nas áreas de Gestão Empresarial (2011) e Finanças (2016) pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó — UNOCHAPECÓ. Possui experiência em Administração, com ênfase em Administração Financeira. Docente da Universidade Comunitária da Região e Chapecó — UNOCHAPECÓ, atuando nas disciplinas de Administração Financeira, Orçamento Empresarial, Análise de Investimentos, Finanças Empresariais e Orientação de Trabalho de Conclusão de Curso na Área de Sociais Aplicadas, atua ainda como professora e tutora na modalidade EAD e professora no MBA em Finanças na disciplina Cálculos Financeiros. Gerente Financeiro e Controladoria na Câmara de Dirigentes Lojistas de Chapecó.

Maurício Leite, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, UNOCHAPECO, Brasil.

Professor titular do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis e Administração (PPGCCA) da Universidade Comunitária da Região de Chapecó — UNOCHAPECÓ. Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau (2020). Mestre em Ciências Contábeis, com ênfase em Controladoria, pela Universidade Regional de Blumenau (2015). Pós-graduado em Gerenciamento de Marketing pela Fundação Universidade Regional de Blumenau, convênio com Instituto Nacional de Pós-Graduação (2002), Bacharel em Ciências Econômicas, com habilitação em Comércio Exterior, pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (2000).

Referências

Arcain, E. T. (2020). Desenvolvimento e implementação de uma plataforma de simulação tributá-ria e aplicativo para microempreendedores individuais (Master's thesis, Universidade Tecnológi-ca Federal do Paraná).

Baggio, A. F., & Baggio, D. K. (2015). Empreendedorismo: Conceitos e definições. Revista de empreendedorismo, inovação e tecnologia, 1(1), 25-38.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70. (Obra original publicada em 1977)

Baron, R. A., & Shane, S. A. (2007). Empreendedorismo: uma visão do processo. Cengage Lear-ning.

Cunha Junior, A. M. (2009). Mortalidade e sobrevivencia das micro e pequena empresas no Es-tado da Paraiba. 2009. 103 f (Doctoral dissertation, Dissertacao (Mestrado em Economia)-Universidade Federal da Paraiba, Joao Pessoa).

Ferreira, L. F. F., Santos, S. A. D., Oliva, F. L., & Grisi, C. C. D. H. (2008). Fatores associados à mortalidade precoce de micro e pequenas empresas da cidade de São Paulo. Anais.

Ferreira, L. F. F., Oliva, F. L., Santos, S. A. D., Grisi, C. C. D. H., & Lima, A. C. (2012). Análise quantitativa sobre a mortalidade precoce de micro e pequenas empresas da cidade de São Paulo. Gestão & Produção, 19, 811-823.

Ferreira, M., & da Costa Nascimento, D. V. (2020). Orientação para mercado: plano de comuni-cação e marketing como indutor da pequena empresa. Caderno Profissional de Marketing-UNIMEP, 8(2), 209-225.

Figueiredo, A. F. G; Leite F., G. A. (2009). Determinação de fatores condicionantes da desconti-nuidade de empresas sob a ótica dos contadores na cidade de Montes Claros (MG) por meio da Análise Fatorial. In: XVI Congresso Brasileiro de Custos, 2009, Fortaleza. Anais

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de adminis-tração de empresas, 35(2), 57-63.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. (2010).Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/pr/palmas.html, Acesso em 06/08/2021

Machado, H. V., & Espinha, P. G. (2007). Considerações sobre a mortalidade de pequenas em-presas. Causas de mortalidade em pequenas empresas, 13-25.

Mai, A. F. (2006). O Perfil do empreendedor versus a mortalidade das micro e pequenas empre-sas comerciais do município de Aracruz/ES. Vitória: Dissertação–Mestrado. FUCAPE.

Mhizha, A. (2014). Práticas e desafios de gestão estratégica: o caso de Pequenas e médias em-presas em Harare.

Morais, L. C., & Carneiro, L. F. R. (2017). Mortalidade de micro e pequenas empresas na cidade de Naviraí-MS: Estudo de caso. Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação (EIGEDIN), 1(1).

Mozzato, A. R., & Grzybovski, D. (2011). Análise de conteúdo como técnica de análise de da-dos qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Con-temporânea, 15(4), 731-747.

Oliveira, W. L. (2020). Proteção constitucional e a mortalidade precoce de micro e pequenas em-presas. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, 5(3), 214-241.

Paiva, D. T. K. (2021). Planejamento estratégico: uma proposta para viabilizar o aperfeiçoamen-to organizacional e a inovação aberta em um campus universitário (Master's thesis, Universidade Tecnológica Federal do Paraná).

PNUD. (2010). Atlas do Desenvolvimento Humano. Atlas do Desenvolvimento Humano. Dis-ponível em: https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/idhm-

municipios-2010.html. Acesso em 06/08/2021.

Rodrigues Filho, W. J. C., & de Azevedo, F. I. X. (2019). Demografia dos negócios: estimação da tabua de mortalidade das empresas do segmento de serviços do Rio Grande do Norte. Anais, 1-5.

Santos, R. D. C. (2007). Manual de gestão empresarial: conceitos e aplicações nas empresas brasi-leiras. São Paulo: Atlas.

Schumpeter, J., & Backhaus, U. (2003). The theory of economic development. In Joseph Alois Schumpeter (pp. 61-116). Springer, Boston, MA.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS. (2014). ES-TUDO DE MERCADO: Entenda o motivo do sucesso e do fracasso das empresas. 2014. Dispo-nível em: https://bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds. nsf/333000e 30d218194165cd787496e57f9/$File/5712.pdf. Acesso em 06/08/2021.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS. (2019). Lei geral das micro e pequenas empresas. Sebrae Nacional. Disponível em: https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/entenda-as-diferencas-entre-micro empresa-pequena-empresa-e-mei,03f5438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD. Acesso em: 06/06/2021.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS. (2020). Pai-nel de empresas. Disponível em: https://datasebrae. com.br/totaldeempresas. Acesso em: 06/06/2021.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS. (2020). Brasil deve atingir marca histórica de empreendedorismo em 2020. Disponível em: http://www.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/NA/brasil-deve-atingir-marca-historica-de-empreendedorismo-em-2020. Acesso em 06/06/2021.

Zambon, S. A. (2021). O empreendedorismo e suas características comportamentais: uma análise da percepção da atitude empreendedora em teses publicadas no Brasil de 2007 a 2019.

Wright, P. (2000). Casa da marcha trágica de Napoleão de Moscou: Lições de Hubris para Exe-cutivos Contemporâneos. Academia de Gestão Executivo, 14, (pp. 117-128).