O vibrato no violoncelo: um estudo sistemático aplicado à performance

Autores

  • Henrique Lucena
  • William Teixeira

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530407022022e0105

Palavras-chave:

vibrato, violoncelo, Práticas Interpretativas, estudos em performance

Resumo

Este trabalho consiste em uma pesquisa sobre o vibrato, partindo do questionamento sobre sua utilização em termos mecânicos e stilísticos. Objetiva-se assim o conhecimento
sistemático e aplicado à performance do violoncelo nos importantes períodos da história do repertório do instrumento. Por meio de artigos e outras menções esparsas presentes em métodos musicais, foi realizado um
levantamento de observações por pesquisadores e violoncelistas direcionando a uma abordagem aplicada a peças representativas dos períodos em pauta, a saber, dos compositores J. S. Bach, J. Haydn, H. Villa-Lobos
e Luciano Berio. Para tanto, foi necessária a revisão de literatura e uma autoavaliação da forma do uso do vibrato para que fosse possível adotar diferentes tipos de vibrato em diferentes contextos musicais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Lucena

Professor de violoncelo e acadêmico do curso de Licenciatura em Música UFMS. Foi membro da Orquestra Sinfônica Municipal de Campo Grande MS e atualmente é chefe de naipe da camerata de cordas da UFMS.

William Teixeira

William Teixeira é Professor Adjunto no Curso de Música da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (desde 2016) e Pesquisador Visitante (Fulbright Junior Faculty 2022/2023) da Harvard University. Bacharel em música com habilitação em violoncelo pela UNESP (2012), Mestre em música pela UNICAMP (2014) e Doutor em música pela USP (2017), com estágios de pesquisa na Paul Sacher Stiftung (Suíça) e na Akademie der Künste, Berlim (Alemanha). Realiza Pós-Doutorado em Filosofia na PUC-RS com pesquisa sobre filosofia analítica da arte. É Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens da UFMS, na Área de Concentração em Estudos Interartes.

Referências

ASSIS, Paulo de. Logic of Experimentation: Rethinking Music Performance through Artistic Research. Ghent: Leuven University Press, 2018.

BENEDETTI, Evanngeline. Cello, Bow and You: Putting It All Together. Oxford: Oxford University Press, 2017.

BOSANQUET, R. C. The development of cello teaching in the twentieth century. In: STOWELL, Robin. The Cambridge Companion to the Cello. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

BROWN, Clive. Classical and Romantic Performing Practice 1750–1900. Oxford: Oxford University Press, 1999.

DICKSON, Ian. Towards a Grammatical Analysis of Scelsi’s Late Music. Music Analysis, v. 31, n. 2, p. 216-241, 2012.

FERRAZ, Silvio; TEIXEIRA, William. Técnica estendida e escrita polifônica em Luciano Berio: Sequenza XIV. In: MENEZES, F. (org.). Luciano Berio: legado e atualidade. São Paulo: Editora

UNESP, 2015.

FISCHBACH, Gerald. The Birth of a Vibrato. American String Teacher, v. 48, n. 4, p. 28-35, 1998.

GABLE, Frederick Kent. Some Observations Concerning Baroque and Modern Vibrato. Performance Practice Review, v. 5, n. 1, Article 9, 1992.

GAGNEPAIN, Xavier. Du musicien en general... au violonceliste en particulier. 1. ed. Paris: Cité de la musique, 2003.

GERINGER, J. M.; ALLEN, M. L.; MACLEOD, R. B. String Vibrato: Research Related to Performance and Perception. String Research Journal, v. 1, n. 1, p. 7-23, 2010.

GILLESPIE, Robert. Vibrato: What do We Know from Research about this Shaking, Waving, Wobbling Thing Anyway? American String Teacher, v. 46, n. 1, p. 91-93, 1996.

HARNONCOURT. Nikolaus. O discurso dos sons: caminhos para uma nova compreensão música. Trad. Marcelo Fagerland. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

ISHERWOOD, Nicholas. The Techniques of Singing. Kassel: Bärenreiter, 2019.

JENSEN, Hans J.; CHUNG, Minna R. CelloMind: Intonation and Technique. Chicago: Ovation Press, 2017.

KENNAWAY, George. Playing the Cello, 1780-1930. Surrey: Ashgate, 2014.

LAIRD, Paul. The Baroque Cello Revival: An Oral History. Oxford: The Scarecrow Press, 2004.

MANTEL, Gehard. Cello Technique: Principles and Forms of Movement. Bloomington: Indiana University Press, 1995.

MEYER, Jürgen. Acoustics and the Performance of Music: Manual for Acousticians, Audio Engineers, Musicians, Architects and Musical Instruments Makers. 5. ed. Trad. Uwe Hansen. New York: Springer, 2009.

MOENS-HAENEN, Greta. Das Vibrato in der Musik des Barock: ein Handbuch zur Aujfführungspraxis für Vokalisten und Instrumentalisten. Graz: Akademische Druck und Verlagsanstalt, 1988.

MURAIL, Tristan. Scelsi, De-composer. Contemporary Music Review, v. 24, n. 2/3, p. 173-180, 2005.

PACE, I.; LOUVEIRA, V.; TEIXEIRA, W. O Novo Estado da Arte dos Estudos em Performance. Revista Vórtex, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 18, 2020.

PAPICH, George, RAINBOW, Edward. A Pilot Study of Performance Practices of Twentieth-Century Musicians. Journal of Research in Music Education, v. 22, n. 1, p. 24-34, 1974.

PILGER, Hugo Vargas. Aspectos idiomáticos na fantasia para violoncelo e orquestra de Heitor Villa-Lobos. In: COLÓQUIO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA DA UNIRIO, 15., Rio de Janeiro, 2010. Anais […]. Rio de Janeiro: SIMPOM, 2010.

ROMBERG, Bernard. Theoretical and Practical School and the Violoncello. Boston: Oliver Ditson & Co., 1880.

SOLOMOS, Makis. The unity of Xenakis’ instrumental and electroacoustic music: the case of “brownian movements”. Perspectives of New Music, v. 39, n. 1, p. 244-254, 2001.

TEIXEIRA, William (org.). Violoncelo, um compêndio brasileiro. Campo Grande: Editora da UFMS, 2021.

TORTELIER, Paul. How I Play, How I Teach. London: Chester Music, 1976.

UITTI, Frances-Marie. The Frontiers of Technique. In: STOWELL, Robin. The Cambridge Companion to the Cello. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

WALDEN, Valerie. Technique, style and performing practice to c. 1900. In: STOWELL, Robin. The Cambridge Companion to the Cello. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

Downloads

Publicado

2022-11-17

Como Citar

LUCENA, H.; TEIXEIRA, W. O vibrato no violoncelo: um estudo sistemático aplicado à performance. Orfeu, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. e0105, 2022. DOI: 10.5965/2525530407022022e0105. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/22312. Acesso em: 30 nov. 2022.