Mascaramento para encantar-se: o baiar afro-maranhense e a in(corporação) em cena

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034701282023167

Palavras-chave:

corpo, máscara, tambor de mina, caracterização

Resumo

Este artigo propõe articular uma análise sobre o processo criativo do artista Vinicius Viana em seu processo de composição visual, ao mascarar-se inspirado nos corpos que baiam o Tambor de Mina do Maranhão, dentro de um processo em que se estabelece a união do corpo criativo e o baiar para o sagrado dos terreiros. As vivências compartilhadas aqui permeiam o lugar possível da máscara corporal, em uma ponte com a visualidade que transita entre a sociedade e o sagrado; a matéria; e o invisível; entre o contemporâneo e a tradição que relacionam de forma atemporal a conexão África e Brasil e que penetram as raízes ancestrais do dançar de um artista e a sua escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Viana Ferreira, Federal University of Bahia

Doutorando em Artes Cênicas pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia/ UFBA. Mestre em Teatro pelo Programa de Pós Graduação em Teatro da Universidade do Estado de Santa Catarina/ UDESC; Graduado em Licenciatura em Teatro pela Universidade Federal do Maranhão – UFMA. Interessado em processos de criação, produção cênica  afroreferenciada, poéticas populares e afrodiaspórica, afro-religiosidade, escrita em dança entre  outras encruzas. Professor do instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão -  IEMA; Sócio da da Companhia Tapete Criações Cênicas; Diretor Artístico do Núcleo de Criações Cangolé. Profissionalmente atua como Arte-educador/Artista-pesquisador, bailarino, figurinista, encenador. Atua nas áreas das Artes Cênicas, com ênfase em Dança, ressaltando temáticas como: ritos Afro-brasileiros e Cultura popular. 

Referências

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Global, 11. Edição, 2001.

CONTIN, Claudia. Madeira, couro, cores e carne: histórias entre Commedia dell’Arte e máscaras do mundo. In: BELTRAME, Valmor Níni; ANDRADE, Milton (org.) Teatro de Máscaras. Florianópolis: UDESC, 2010.

COSTA, Felisberto Sabino da. A máscara e a formação do ator. In: Revista Móin-Móin; v. 01, n, 1. Jaraguá do Sul: SCAR/UDESC, 2005.

FERRETTI, Mundicarmo. Encantados e encantaria do Tambor de Mina. In: Boletim da Comissão Maranhense de Folclore, v. 42, p. 15-16,2008.

FERRETTI, Sergio F. Querebentã de Zomadonu. Etnografia da Casa das Minas. São Luís: EDUFMA, 2ª Edição,1996.

MESQUITA, Olênia Aidê Leal de. Significações Culturais e Simbólicas sobre o corpo do balé folclórico da Bahia: Uma herança Sagrada para a educação Física. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, p.149. 2018.

MIRANDA, Maria Brígida de. O afro-dionisíaco no teatro-dança em São Luís. Crítica teatral: (out. 2014). São Luís: II Festival de Teatro Ponto de Vista, 2014.

PEREIRA, Ipojucan. Corpo/objeto: O “mascaramento” na cena contemporânea brasileira. In: Revista Móin-Móin; ano 06, n° 7. Jaraguá do Sul: SCAR/UDESC, 2010.

VIANA, Raimundo Nonato Assunção. O bumba-meu-boi como fenômeno estético: corpo, estética e educação. São Luís: EDUFMA, 2013.

Downloads

Publicado

2023-10-27

Como Citar

FERREIRA, Vinicius Viana. Mascaramento para encantar-se: o baiar afro-maranhense e a in(corporação) em cena. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Florianópolis, v. 1, n. 28, p. 167–180, 2023. DOI: 10.5965/2595034701282023167. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/moin/article/view/24123. Acesso em: 25 fev. 2024.