Concepções de infância e criança no século XIX

o que orienta o “Manual para os jardins de infância” aos docentes?

Autores

  • Keila Cristina Arruda Villamayor Gonzalez Prefeitura Municipal de São José – PMSJ

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723823532022139

Palavras-chave:

infância, imprensa periódica, jardim de infância, Menezes Vieira

Resumo

O texto apresenta as representações dos jardins de infância no século XIX por meio da circulação das notícias na imprensa periódica do Rio de Janeiro, nos jornais: Gazeta de Notícias, O Cruzeiro e Jornal do Commercio. A escolha dos periódicos foi orientada pela obra de Bastos (2011) que divulga um dos primeiros manuais pedagógicos destinados à educação nos jardins de infância, o Manual para os jardins da infância, publicado pelo Dr. Menezes Vieira em 1882. A pesquisa foi realizada no acervo da Biblioteca Nacional do Brasil, Hemeroteca Digital, pautada pela análise de conteúdo, de acordo com as técnicas de Vala (1986) e Bardin (1977). As notícias apontaram para: polêmicas a respeito da criação das primeiras instituições educacionais desta origem no Brasil; função dos jardins de infância sustentada nos princípios froebelianos; e tripartida com ênfase nos aspectos físico, intelectual e moral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1977.

BASTOS, Maria Helena Câmara. Manual para os jardins de infância: ligeira compilação pelo Dr. Menezes Vieira - 1882. Porto Alegre: Redes Editora, 2011.

CHARLOT, Bernard. A mistificação pedagógica: realidades sociais e processos ideológicos na teoria da educação. Tradução de Maria José do Amaral Ferreira. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cortez, 2013.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Galhardo. Lisboa: Difel, 1990.

CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita. Tradução de Fúlvia M. L. Moretto. São Paulo: Unesp, 2002.

COMENIUS. Didática magna. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FROEBEL, Friedrich W. A educação do homem. Tradução de Maria Helena Câmara Bastos. Passo Fundo: UPF, 2001.

GONDRA, José G. Higienização da infância no Brasil. In: GONDRA, José. História, infância e escolarização. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2002. p. 110-133.

KUHLMANN JÚNIOR, Moysés. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 14, p. 469-496, maio/ago. 2000. ISSN: 1413-2478. Disponível em: https://bit.ly/2Mybubz. Acesso em: 1 maio 2018.

PRIORE, Mary Del (org.). História das crianças no Brasil. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

ROCHA, Heloísa Helena Pimenta; GONDRA, José G. A escola e a produção de sujeitos higienizados. Perspectiva, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 493-512, jul./dez. 2002. ISSN 2175-795X. DOI: https://doi.org/10.5007/%25x. Disponível em: https://bit.ly/2upulRS. Acesso em: 2 set. 2018.

SILVA, Vivian Batista da. Saberes em viagem nos manuais pedagógicos: construções de escola em Portugal e no Brasil (1870-1970). São Paulo: Editora Unesp, 2018.

Downloads

Publicado

2022-12-09

Como Citar

GONZALEZ , K. C. A. V. . Concepções de infância e criança no século XIX: o que orienta o “Manual para os jardins de infância” aos docentes?. Revista Linhas, Florianópolis, v. 23, n. 53, p. 139 - 160, 2022. DOI: 10.5965/1984723823532022139. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/23013. Acesso em: 6 fev. 2023.