“Não há reformas sem desgostos”

tensões entre Orestes Guimarães e a Congregação da Escola Normal Catarinense por ocasião da reforma de 1911

Autores

  • Gladys Mary Ghizoni Teive Universidade do Estado de Santa Catarina image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723823532022060

Palavras-chave:

Escola Normal Catarinense, reforma curricular, estratégias, táticas

Resumo

Neste artigo são analisadas algumas das tensões ocorridas entre Orestes Guimarães e a Congregação da Escola Normal Catarinense por ocasião da reforma curricular de 1911. A celeuma foi iniciada com a não aprovação, pelo governador de Santa Catarina, dos novos programa e horário elaborados pela Congregação por exigência do Decreto n. 572, de 25 de fevereiro de 1911. Documento-fundador, esse Decreto, de autoria de Orestes, apresenta as bases em que a reforma deveria assentar-se, conferindo à Congregação a tarefa de apresentar programa e horário condizentes. A tensão provocada pelo veto do governador foi acirrada pela sua decisão de ato contínuo, delegar a Orestes Guimarães a tarefa de elaborá-los. Aqui entendido como uma estratégia – no sentido certeauniano – para modificar radicalmente a cultura da Escola Normal, o currículo apresentado pelo reformador será analisado em interface com as múltiplas táticas engendradas pela Congregação – também segundo Certeau –, de modo a não colocar em prática algumas das modificações propostas, com vistas à manutenção da antiga cultura da escola. Para essa análise foram privilegiados o novo e o antigo currículo, relatórios de Orestes Guimarães e de Horácio Nunes Pires, diretor da Escola Normal, e ofícios do diretor e de professores da Escola Normal para a Secretaria Geral dos Negócios do Estado de Santa Catarina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CERTEAU, Michel de. Invenção do cotidiano: artes de fazer. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

GUIMARÃES, Orestes de Oliveira. Relatório apresentado ao exmo. sr. superintendente municipal de Joinville, pelo diretor em comissão Orestes de Oliveira Guimarães. Joinville, 1909.

GUIMARÃES, Orestes de Oliveira. Trechos de um relatório. In: RELATÓRIO apresentado ao Exmo. Snr. Cel. Vidal José de Oliveira Ramos, governador do Estado de Santa Catharina, pelo Tenente Coronel Caetano Vieira da Costa, Secretário Geral dos Negócios do Estado. Florianópolis, 30 jun. 1911.

GUIMARÃES, Orestes de Oliveira. Trecho de um relatório. In: RELATÓRIO apresentado ao exmo. Sr. Cel. Vidal José de Oliveira Ramos, governador do estado, pelo Secretário Geral dos Negócios do Estado Gustavo Lebon Regis. Florianópolis: Typ. da Livraria Central, 1914. p.114-170.

GUIMARÃES, Orestes. Trecho de um relatório. Florianópolis: Officinas Graphicas d’ A Phenix, 1918. 18 p.

SILVA, Ivanilson B. da. A figura de Horace Lane: lutas de representações e a formação da rede de Escolas Americanas no Brasil (1885-1912). Tese (Doutorado em Educação) − Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-19102015-100821/publico/IVANILSON_BEZERRA_DA_SILVA_rev.pdf. Acesso em: 20 jul. 2022.

RIO GRANDE DO SUL. Leis, decretos e actos do governo do Rio Grande do Sul de 1906. Porto Alegre: Officinas Typographicas d’O Independente, 1912.

SANTA CATARINA. Regulamento da Escola Normal Catharinense. Aprovado pelo Decreto n.155, de 10 de junho de 1892. Desterro: Palácio do Governo, 1892.

SANTA CATARINA. Regulamento geral da Instrucção Publica do Estado de Santa Catharina. Decreto n. 348, de 7 de dezembro de 1907. Florianópolis: Typographia Gutenberg, 1907.

SANTA CATARINA. Programma de ensino da Escola Normal Catharinense. Decreto n. 371, de 25 de março de 1908. Florianópolis: Typographia Gutenberg, 1908.

SANTA CATARINA. Decreto n. 572, de 25 de fevereiro de 1911. Florianópolis: Gab. Typ. D’ODia, 1911a.

SANTA CATARINA. Programma e horário da Escola Normal do Estado de Santa Catharina. Approvado e mandado observar pelo Decreto n. 586. Florianópolis, 22 abr. 1911b.

SANTA CATARINA. Regulamento da Escola Normal Catharinense. Approvado e mandado observar pelo Decreto n.593, de 30 de maio de 1911. Florianópolis: Gab.Typ. D’O Dia, 1911c.

SANTA CATARINA. Programma de ensino dos grupos escolares e escolas isoladas do Estado de Santa Catharina. Approvado e mandado observar pelo Decreto n. 587, Florianópolis, 22 abr. 1911d.

SANTA CATARINA. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Coronel Vidal José de Oliveira Ramos, governador do Estado, pelo Tenente Coronel Caetano Vieira da Costa, Secretário Geral, em 30 de maio de 1912. Florianópolis: Gab. Typ. d’O Dia, 1912.

SANTA CATARINA. Officios da Instrução Pública para a Secretaria Geral de Negócios de Estado (1912 – 1913). Florianópolis, 1913.

SANTA CATARINA. Officios da Instrução Pública para a Secretaria Geral de Negócios de Estado (1914 – 1915). Florianópolis, 1915.

SANTA CATARINA. Officios da Instrução Pública para a Secretaria Geral de Negócios de Estado. Florianópolis, 1916.

SANTA CATARINA. Officios da Instrução Pública para a Secretaria Geral de Negócios de Estado. Florianópolis, 1918a.

SANTA CATARINA. Lei n.1.230, de 30 de outubro de 1918. Extinguindo o cargo de Inspector Geral do Ensino e dando outras providências. Florianópolis: Palacio do Governo, 1918b.

SANTA CATARINA. Regulamento da Escola Normal. Approvado pelo Decreto n. 1.205, de 19 de fevereiro de 1919. Florianópolis: Officinas da Imprensa Official, 1919.

TYACK, David; CUBAN, Larry. En busca de la utopia: un siglo de reformas de las escuelas públicas. México: Fondo de Cultura Económica, 2001.

Downloads

Publicado

2022-12-09

Como Citar

TEIVE, G. M. G. . “Não há reformas sem desgostos”: tensões entre Orestes Guimarães e a Congregação da Escola Normal Catarinense por ocasião da reforma de 1911. Revista Linhas, Florianópolis, v. 23, n. 53, p. 60 - 86, 2022. DOI: 10.5965/1984723823532022060. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/23011. Acesso em: 6 fev. 2023.