O que é ler na alfabetização? Primeiras aproximações aos documentos oficiais – BNCC (2017) e currículo base do território catarinense (2019)

Autores

  • Marcia Nagel Cristofolini Universidade Federal de Santa Catarina image/svg+xml
  • Rosângela Pedralli Universidade Federal de Santa Catarina image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723823532022333

Palavras-chave:

alfabetização, formação humana, literatura, currículo

Resumo

O foco deste artigo está no papel da educação linguística, especificamente no eixo da leitura/escuta, no âmbito dos documentos oficiais Base Nacional Comum Curricular (2017) e Currículo Base do Território Catarinense (2019), tendo como fundamento o materialismo histórico e dialético e a pesquisa documental como procedimento metodológico. Dessa forma, será priorizada uma reflexão sobre o lugar da leitura/literatura em período de alfabetização na BNCC e no CBTC, tendo como objetivos: (i) identificar se aparece o trabalho com a literatura em período de alfabetização nesses documentos; (ii) em caso positivo, em favor de qual ideal formativo se dispõe a alinhar-se. As reflexões estão baseadas nas ideias de Vigotski (1999), Saviani (2000; 2012; 2013), Britto (2003, 2012 e 2015), entre outros. O estudo carrega potencial de contribuição para a problematização sobre os fins do trabalho educativo humanizador em período de alfabetização, visando colaborar com a adequação ou elaboração do currículo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosângela Pedralli, Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione, 1997.

APPLE, Michael W. Políticas Educacionais e Educação. Porto, Portugal: Porto Editora, 1999.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra - São Paulo: Editora 34, 2016 (1ª edição).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>

BRITTO, Luiz Percival Leme. Contra o consenso: cultura escrita, educação e participação – Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003 – (Coleção ideias sobre Linguagem).

BRITTO, Luiz Percival Leme. Leitura: acepções, sentidos e valor. Nuances: estudos sobre educação, Presidente Prudente, SP, v.21, n. 22, p. 18 a 31, jan./abr. 2012.

DOI: <http://dx.doi.org/10.14572/nuances.v21i22.1619>

BRITTO, Luiz Percival Leme. Inquietudes e desacordos: a leitura além do óbvio. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2012.

BRITTO, Luiz Percival Leme. Ao revés do avesso – Leitura e formação. 1.ed. São Paulo: Pulo do Gato, 2015.

CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos; tradução: Nilson Moulin – São Paulo: companhia das Letras, 1993. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4411070/mod_resource/content/1/Por%20que%20ler%20os%20Cl%C3%A1ssicos%3F%20.pdf. Acesso em 20/02/2022.

CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. Remate de Males, Campinas, SP, 2012. DOI: 10.20396/remate.v0i0.8635992.

<https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635992> Acesso em: 20/02/2022.

CANDIDO, Antonio. Vários Escritos. O Direito à Literatura, Rio de Janeiro, 2011, 5 ed.

<https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3327587/mod_resource/content/1/Candido%20O%20Direito%20%C3%A0%20Literatura.pdf>

CORRÊA, Adriana. A construção do currículo nacional no Brasil: das tendências políticas às percepções dos atores sobre o contexto de produção. 2019. Tese (Doutorado) – Universidade do Minho, Instituto de Educação.

DUARTE, Newton. A individualidade para si: contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do indivíduo. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

DUARTE, Newton. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

FERREIRA JR, Amarildo; BITTAR, Marisa. A educação na perspectiva marxista: uma abordagem baseada em Marx e Gramsci. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, vol. 12, núm. 26, julio-septiembre, 2008, pp.635 – 646. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, Brasil. Disponível em:

https://www.scielo.br/j/icse/a/krVJKwTKvxNz8GwTr68KZXf/abstract/?lang=pt . Acesso em 21/02/2022.

FREITAS, Luiz Carlos. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012. Disponível em <https://www.scielo.br/j/es/a/PMP4Lw4BRRX4k8q9W7xKxVy/?format=pdf&lang=pt> Acesso em: outubro 2021.

FREITAS, Luiz Carlos. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educ. Soc., Campinas, v. 35, nº. 129, p. 1085-1114, out.-dez., 2014. Disponível em:

<https://doi.org/10.1590/ES0101-73302014143817>

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

MARTINS, Lígia Márcia. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico – crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2015.

PERRENOUD, Philippe. Construir competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

PEDRALLI, Rosângela; EMERICK DE MARIA, Maíra. Humanização e apropriação inicial da escrita: implicações decisivas para a educação linguística. In ---------- CAVALHEIRO, Aline Cassol Daga; MOSSMANN, Suziane da Silva (Orgs.) Educação e Linguagem na perspectiva histórico-cultural. São Carlos: Pedro & João, 2021. p. 143 - 169 . Disponível em:

https://pedroejoaoeditores.com.br/site/educacao-e-linguagem-na-perspectiva-historico-cultural/> Acesso em 13/02/2021.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. (2006). Literatura para todos. Literatura E Sociedade, 11(9), 16-29. <https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i9p16-29>. Acesso em 15 de outubro de 2021.

ROJO, Roxane Helena R; BARBOSA, Jaqueline. Hipermodernidade, multiletramentos e gêneros discursivos. – 1 ed. – São Paulo: Parábola editorial, 2015.

SANTA CATARINA. Governo do Estado. Secretaria de Estado da Educação. Currículo base da educação infantil e do ensino fundamental do território catarinense. Florianópolis: Secretaria de Estado da Educação, 2019.

<http://www.cee.sc.gov.br/index.php/downloads/documentos-diversos/curriculo-base-do-territorio-catarinense>. Acesso: 18 de outubro de 2021.

SANTA CATARINA. Governo do Estado. Secretaria de Estado da Educação. Proposta Curricular de Santa Catarina: formação integral na educação básica. 2014.

SAVIANI, Dermeval. A nova lei da educação LDB trajetórias, limites e perspectivas. 12.ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

SAVIANI, Dermeval. Educação: do senso comum á consciência filosófica. 15 ed. – Campinas, SP: Autores Associados, 2004. – (Coleção educação contemporânea).

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política! Dermeval Saviani. - 42. ed.-. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. - (Coleção polêmicas do nosso tempo).

SAVIANI, Dermeval. DUARTE, Newton (org). Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. - (Coleção polêmicas do nosso tempo).

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4 ed. – Campinas, SP: Autores Associados, 2013. – (Coleção memória da educação).

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 11 ed. Campinas, SP: Editores Associados, 2013.

SFORNI, Maria Sueli de Faria. Um olhar para a alfabetização mediado por conceitos da teoria Histórico – Cultural. Revista Teoria e prática da educação, v. 19, n.3, p. 07 – 18, setembro/dezembro 2016. Disponível em https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/36617. Acesso: 19/01/2022.

SEBRA, Alessandra Gotuzo; DIAS, Natália Martins. Métodos de alfabetização: delimitação de procedimentos e considerações para uma prática eficaz. Revista de Psicopedagogia, 2011, 28(87): 306 – 20. Disponível em <http://www.revistapsicopedagogia.com.br/detalhes/161/metodos-de-alfabetizacao--delimitacao-de-procedimentos-e-consideracoes-para-uma-pratica-eficaz> . Acesso; 19/01/2022.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. Psicologia da arte. São Paulo: Martins Fontes, 19

Downloads

Publicado

2022-12-09

Como Citar

CRISTOFOLINI, M. N.; PEDRALLI, R. O que é ler na alfabetização? Primeiras aproximações aos documentos oficiais – BNCC (2017) e currículo base do território catarinense (2019) . Revista Linhas, Florianópolis, v. 23, n. 53, p. 333 - 360, 2022. DOI: 10.5965/1984723823532022333. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/21738. Acesso em: 6 fev. 2023.