Estágio supervisionado e o ser professor de Filosofia: o que dizem os licenciandos?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723824542023367

Palavras-chave:

educação, ensino de Filosofia, formação de professores, estágio supervisionado em Filosofia

Resumo

O objetivo deste artigo foi compreender como licenciandos do curso de Filosofia percebem a relevância do estágio supervisionado na sua formação como futuros professores de Filosofia. A pesquisa foi de natureza qualitativa e os dados, coletados em entrevistas realizadas com 17 licenciandos, foram organizados e analisados mediante a análise de conteúdo. Foram identificadas cinco categorias: representações sobre o estágio supervisionado; representações sobre Filosofia; motivação para cursar Filosofia; experiência com a Filosofia no Ensino Médio; aula de Filosofia como experiência filosófica. Os resultados evidenciam que as percepções sobre o estágio supervisionado e o ser professor de Filosofia ancoram-se nas representações que os licenciandos constroem sobre a Filosofia e o estágio em si, bem como na motivação para a escolha do curso e na experiência com a disciplina no Ensino Médio. Há, ainda, indícios da vivência da aula de Filosofia como experiência filosófica durante a formação dos estudantes pesquisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Antonio Gabriel, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Doutor e mestre em educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, licenciado em filosofia e bacharel em teologia, professor de filosofia da Rede Estadual do Paraná. Atualmente pós-doutorando em educação na Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Ana Lúcia Pereira, Ponta Grossa State University

Doutora (2011) e Mestre (2005) em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Graduada em Ciências e Matemática na Universidade do Norte Pioneiro (UENP, 1994). Professora do Departamento de Matemática e Estatística da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG, Brasil) desde 2012. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação, em que serviu como vice-coordenador (2014-2015) e do Programa em Ensino de Ciências e Educação Matemática (2017) na Universidade Estadual de Ponta Grossa. Coordenadora do Curso de Licenciatura em Matemática, modalidade a distância, do Sistema Universidade Aberta do Brasil na UEPG. Membro do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - BASis - INEP/MEC. Foi pesquisadora visitante na University of Strathclyde, no Reino Unido (2016-2018) pelo Programas Estratégicos - DRI, com apoio da Capes. Também atuou como coordenadora Institucional do Programa de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID / Capes / UEPG, 2012-2013) e como Coordenadora de Gestão e Processos Educacionais no PIBID (Capes / UEPG, 2014-2016). Foi Chefe do Núcleo Regional de Educação de Jacarezinho no Estado do Paraná (2009-2010). Presidente do Sindicato dos Professores (APP) da região Jacarezinho (2002-2009). Autor de vários artigos em revistas e atua como referee nas áreas de Políticas Educacionais, Formação de Professores; Práticas e Desenvolvimento Curricular; Ensino e Aprendizagem; Psicanálise; Mídias Sociais; Ciência, Tecnologia e Sociedade e Educação Matemática. Editor associado da Frontiers in Psicologia da Educação desde 2015. Bolsista de Produtividade da Fundação Araucária-Paraná. 

Referências

ALVES, Francione Charapa; LIMA, Miguel Junior Zacarias; NASCIMENTO, Ana Maria do. Aprendizagens adquiridas no estágio em ensino de filosofia: concepções de licenciandos. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 7, n. 3, p. 30785-307999, mar. 2021.

BROOKS, Rachel; RIELE, Kitty te; MAGUIRE, Meg. Ética e pesquisa em educação. Tradução Janete Bridon. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2017.

CARNEIRO, Stania Nagila Vasconcelos; SILVA, Elisângela André da. O estágio supervisionado na formação do professor de filosofia. Educar em Revista, Curitiba, v. 36, p. 1-18, 2020.

CARRILHO, Manuel Maria. O que é filosofia. Coimbra: Quimera Editores, 2001.

CERLETTI, Alejandro. O ensino de filosofia como problema filosófico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34, 2010.

ESTEBAN, M. Paz Sandín. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010.

GABRIEL, Fábio. A aula de filosofia enquanto experiência filosófica: possibilitar ao estudante de filosofia ‘criar conceitos’ e ou ‘avaliar o valor dos valores’. Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2017.

MENDES, Ademir Aparecido Pinhelli. Didática e metodologia do ensino de filosofia no ensino médio. Curitiba: Intersaberes, 2017.

MORAES; Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. Ijuí: Editora da Unijuí, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. Obras incompletas. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

PARANÁ. Diretrizes curriculares da educação básica: filosofia. Curitiba: Secretaria de Educação, 2008. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_filo.pdf. Acesso em: 20 maio 2021.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2012.

Downloads

Publicado

2023-03-20

Como Citar

GABRIEL, F. A.; PEREIRA, A. L. Estágio supervisionado e o ser professor de Filosofia: o que dizem os licenciandos?. Revista Linhas, Florianópolis, v. 24, n. 54, p. 367 - 389, 2023. DOI: 10.5965/1984723824542023367. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/20431. Acesso em: 2 jun. 2023.