O grupo focal e o diagnóstico piloto nas turmas de alfabetização

entre metas e desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984723823532022361

Palavras-chave:

ensino da leitura, grupo focal, alfabetização

Resumo

Neste trabalho analisam-se resultados obtidos no grupo focal formado por crianças em fase de alfabetização, decorrentes da pesquisa ação (tipo colaborativa) realizada no mestrado profissional. Avalia-se, por meio de sequências didáticas numa abordagem quantitativa, o ensino da leitura proposto na escola no intuito de fomentar práticas significativas. O objetivo é compreender a percepção da turma sobre o ensino inicial da leitura via diagnóstico piloto, tendo como referência o grupo focal. Foram constatadas limitações com respeito à leitura, à interpretação textual e à oralidade, já que as crianças só compreendem informações explícitas, o que aponta para o conhecimento superficial sobre a função da leitura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BACKES, Dirce Stein. Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. O mundo da saúde, São Paulo, v. 35, n. 4, p. 438-442, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/grupo_focal_como_tecnica_coleta_analise_dados_pesquisa_qualitativa.pdf. Acesso em: 09 nov. 2018.

BARBOSA, José Juvêncio. Alfabetização e leitura. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

BARROS, José D´ Assunção. História cultural: um panorama teórico e historiográfico. T.E.X.T.O.S DE H.I.S.T.Ó.R.I.A. Revista do Programa de Pós- graduação em História da Unb., [S. I.]. v. 11, n. 1-2, p. 145-172, 2003. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/textos/article/view/27855. Acesso em: 10 nov. 2018.

BOMFIM, Leny A. Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 777-796, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312009000300013. Acesso em: 21 nov. 2017.

BRANDÃO Helena H. Nagamine; MICHELETTI, Guaraciaba. Teoria e prática da leitura. In: CHIAPPINI, Lígia (coord.). Aprender e ensinar com textos didáticos e para didáticos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1998. p. 17-30.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas. Resultado do IDEB 2015. Brasília, DF: INEP, 2015. Disponível em: http://ideb.inep.gov.br/resultado/. Acesso em: 29 nov. 2016.

BRASIL. Base nacional curricular comum. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 26 ago. 2018.

BRASIL. Lei nº. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de diretrizes e bases. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 30 nov. 2017.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais da língua portuguesa. Brasília, DF: MEC, 1997. 144 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf. Acesso em: 26 nov. 2017.

BRASIL. Provinha Brasil. Brasília, DF: MEC, 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/provinha-brasil. Acesso em: 22 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resultado da ANA 2016. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/outubro-2017-pdf/75181-resultados-ana-2016-pdf/file. Acesso em: 20 nov. 2020.

BRASIL. Instituto Nacional Estudos e Pesquisas. Resultado do IDEB 2015. Brasília, DF: INEP, 2015. Disponível em: http://ideb.inep.gov.br/resultado/. Acesso em: 29 nov. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resultado do PISA 2017. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=42761. Acesso em: 20 nov. 2017.

CASTELLANOS, Samuel L. V. A leitura e os leitores: entre crenças e atitudes. In: CAVALCANTE, Maria Juraci M. et all (org) História da educação comparada: discursos, ritos e símbolos da educação popular, cívica e religiosa. Fortaleza: Edições UFC, 2011. p. 320 – 345.

DUARTE, N. A individualidade para si. Campinas: Autores Associados, 1993.

FERNANDES, Cleoni. À procura da senha da vida-de-senha a aula dialógica? In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas: Papirus, 2008. p. 145-165.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1986.

FOUCAMBERT, Jean. A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

GATTI, Bernadete Angelina. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro, 2005.

GERALDI, João Wanderley. Concepções de linguagem e ensino de português. In: GERALDI, João Wanderley (org.) O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2004. p. 39-46.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1995.

HOFFMANN, Jussara Maria Lerch. Avaliar: respeitar primeiro, educar depois. Porto Alegre: Mediação, 2008.

IBGE. População do paço do Lumiar. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/contagem/macont96.shtm. Acesso em: 29 nov. 2017.

KATO, Mary. O aprendizado da leitura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

KLEIMAN, Angela B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: KLEIMAN, Angela B. (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1995. p. 15-61.

KLEIMAN, Ângela. Texto e leitura: Aspectos cognitivos da leitura. 9. ed. Campinas: Pontes, 2004.

KOCH, Ingedore V.; ELIAS, Vanda Mara. Ler e compreender os sentidos do texto. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

KOCH, Ingedore G. Villaça. Desvendando os segredos do texto. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática: série formação do professor. São Paulo: Cortez, 1994.

LUCKESI, Cipriano C. Avaliação da aprendizagem escola: estudos e proposições. 18. edição. São Paulo: Cortez, 2006.

SILVEIRA. Denise Tolfo; CÓRDOVA, F.P. A pesquisa científica. In: GERHARDT, Tatiana Eengel; SILVEIRA, Denise Tolfo. (orgs.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. p. 31-42.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para escrita: atividades de retextualização. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

MELCHOR, Maria Celina. Avaliação pedagógica função e necessidade. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1994. 150 p.

MENEGOLLA, Maximiliano. Por que planejar? Como planejar? currículo, área, aula. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

ORLANDI, Eni P. Discurso e leitura. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2012. 158 p.

RIBEIRO, Maria Augusta H. W.; ARCHANGELO, Rosemeire Ribeiro. Pinóquio e o processo de construção da leitura. In: MICOTTI, Maria Cecília de Oliveira. Leitura e escrita: como aprender com êxito por meio da pedagogia de projetos. São Paulo: Contexto, 2009. p. 55- 72.

SOARES, Magda. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2016.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Traduzido por Claudia Schilling. Porto Alegre: Penso, 1998.

TARDIF, Maurice. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação do magistério. Ver. Bras. Educ. Rio de Janeiro, n. 13, p. 05-24, 2000. Disponível em: educa.fcc.org.br/pdf/rbedu/n13/n13a02.pdf. Acesso em 10 nov. 2018.

Downloads

Publicado

2022-12-09

Como Citar

VELÁZQUEZ CASTELLANOS, S. L.; SOUSA, A. V. C. de. O grupo focal e o diagnóstico piloto nas turmas de alfabetização: entre metas e desafios. Revista Linhas, Florianópolis, v. 23, n. 53, p. 361 - 391, 2022. DOI: 10.5965/1984723823532022361. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/20076. Acesso em: 6 fev. 2023.